27.4.17

Ernesto Pérez Vallejo (Desculpa)





PERDONA, HABLABA EN VOZ ALTA



En serio te apetece que sea sincero?

Si no esperas nada de nadie
nunca podrán defraudarte.
La esperanza es ese reloj
que siempre marca la hora inexacta.

¿Si no escoges el camino equivocado alguna vez
como coño vas a saber cual era el correcto?

Dentro de la felicidad uno no sabe con certeza si está triste.
Pero dentro de la tristeza todos sabemos cuando éramos felices.

Y el amor, bueno, como decirte para que lo entiendas,
que no es más que la excusa de quererse
a través de otra persona
y que así no parezca egocentrismo.

Es más fácil si te miras a sus ojos,
el espejo nunca dijo una mentira.

Y seamos realistas ya de paso,
nadie se ha muerto por nadie todavía.
El amor no mata aunque siempre muera.
Porque muere,
aunque ahora te estén brillando los ojos
y tengas cosquillas dentro del estómago
y veas rinocerontes azules si te place
o digas frases eternas
que suenen como eco en el oído ajeno,
un día sin saber como
el uno más uno se hace dos
y dos es siempre demasiado.
Y tres es el número siguiente.

La amistad bueno, si tienes suerte
nadie te defraudará del todo.
También hay gente a la que le toca de vez en cuando la lotería.
Por lo general tus mejores amigos si pudieran
se follarían a tu novia.
Y tú novia a tus mejores amigos.
A veces la vida se reduce a un simple coño.

¿La verdad dices?
La fidelidad es el poder absoluto
de serte infiel a ti mismo.

La ignorancia hace la sonrisa.
La sonrisa es la que consigue la envidia.
La envidia la que crea el odio.

Si le temes a la soledad
es porque ni siquiera tú
eres capaz de soportarte.

No conseguirás jamás olvidar aquello que necesitas quitarte de encima.
Sin embargo un día necessitarás recordar ciertas cosas
y solo hallarás el olvido.
Es más fácil hacer memoria si te duele.

Y todas esas veces que parecen para siempre,
tienen un límite,
todas las promesas una fecha de caducidad,
todas las personas una etiqueta con su precio.

(Yo alguna vez solo he valido un par de besos)

Y di ahora todo aquello que tienes que decir
porque mañana siempre es tarde,
de hecho a veces ni siquiera hay un mañana.
Y no hay nada más jodido que el silencio
cuando una sola palabra bastaría
para joderle los planes a la muerte.

La realidad es que solo hay una cosa sincera del todo
imposible de camuflar ni con tu mejor mueca
y es el deseo.
Y ahora deseo que olvides todo esto que he escrito
y te vengas a dormir conmigo.

¿ O todavía quieres que siga siendo sincero?


Ernesto Pérez Vallejo

[Los lunes que te debo]




A sério, queres que eu seja sincero?

Se não contares com nada de ninguém
nunca te poderão defraudar.
A esperança é aquele relógio
que marca sempre a hora errada.

Mas se não escolheres um dia o caminho errado
como raio vais saber qual era o correcto?

Dentro da felicidade a gente não sabe ao certo se está triste.
Mas dentro da tristeza sabemos logo quando éramos felizes.

E o amor, bem, como fazer-to entender,
não passa de uma desculpa para se amar
a si mesmo através de outra pessoa,
sem se parecer egocêntrico.

É mais fácil mirar-se nos olhos de outrem,
o espelho nunca mente.

E vamos ser realistas, para já,
ninguém ainda se matou por ninguém.
O amor não mata, embora morra sempre.
Porque morre,
apesar de agora teres esse brilho nos olhos
e cócegas na barriga
e veres rinocerontes azuis se quiseres
ou de dizeres frases eternas
soando como eco no ouvido alheio,
um mais um fazem dois
e dois é sempre demasiado.
E três é o número seguinte.

A amizade bem, se tiveres sorte
ninguém te defraudará de todo,
aliás há gente a quem sai de vez em quando a lotaria.
Assim em geral, os teus melhores amigos
dariam bem uma queca na tua amada, se pudessem.
E a tua amada, idem, aspas.
A vida às vezes reduz-se a uma simples greta.

A verdade, dizes?
A fidelidade é o poder absoluto
de seres infiel a ti mesmo.

A ignorância gera o sorriso,
o sorriso é produto da inveja,
a inveja derivada do ódio.

Se temes a solidão
é porque nem tu mesmo
consegues suportar-te.

Aquilo que precisas tirar de cima nunca vais esquecer;
em todo o caso, um dia precisarás de lembrar certas coisas
e só olvido acharás.
O que te dói é mais fácil de lembrar.

E essas vezes todas que parecem para sempre
têm um limite,
todas as promessas um prazo de caducidade,
todas as pessoas uma etiqueta com o preço.

(No meu caso, em certa ocasião, apenas um par de beijos).

E tu, vá lá, diz agora tudo o que tens a dizer,
que amanhã será tarde demais,
às vezes nem amanhã há.
E não há nada mais chato do que o silêncio
quando uma só palavra bastava
para trocar os planos à morte.

A verdade é que só há uma coisa sincera
totalmente impossível de disfarçar,
o desejo.
E o que eu desejo agora é que esqueças
tudo isto que aqui deixo escrito
e que venhas para a cama comigo.

Ou ainda queres que continue a ser sincero?


(Trad. A.M.)

.

26.4.17

Enrique García-Máiquez (O leitor é um fingidor)





EL LECTOR ES UN FINGIDOR




Cuento mi vida pero lees la tuya.
Nombro un paisaje de mi infancia y tú visitas
-tramposo- aquel camino de arena hacia la playa
por donde corre un niño feliz, que no soy yo.

Actúas siempre así, lo sé por experiencia.
¿Qué importa que yo tenga un nombre propio?
Tú lo expropias. Si hablo de mi pueblo,
es tu ciudad. Se transfigura en álamo
el pino de mi casa. Mis amigos
son mis desconocidos de repente.
Y hasta mi amada es ya tu amada.

Yo cuento sílabas, tú cantas, silbas
poniendo música a mis letras, musicando
al ritmo que te gusta.
De todo cuanto digo escuchas sólo
lo que a ti te interesa, quizá lo que no dije,
sin que haya forma así de no entendernos.

Te entiendes y me entiendo, porque al pasar la página
vuelves mis versos del revés, reversos
tuyos. Debí de sospechar
de ti, que no te ocultas,
que robas a la luz amable de una lámpara.

Yo soy el que me oculto. Cuando escribo,
tú vives y eso es todo. Como te dijo Bécquer:
Poesía eres tú.
Y yo el poema.

Enrique García-Máiquez




Eu conto a minha vida, mas tu lês a tua.
Falo duma paisagem da infância e tu visitas
– enganoso – o caminho de areia para a praia
por onde corre um menino feliz, que não sou eu.

Fazes sempre o mesmo, sei por experiência.
Que importa que eu tenha nome próprio?
Tu mo roubas. Se falo da minha terra,
é a tua cidade. Transfigura-se em álamo
o pinheiro da minha casa. Os meus amigos,
de repente, são os meus desconhecidos.
E até a minha amada já é a tua amada.

Eu conto as sílabas, tu cantas, assobias,
musicando as minhas letras,
compondo ao ritmo que te apetece.
De tudo quanto digo ouves só
aquilo que te interessa, talvez o que eu não disse,
sem modo de nos entendermos.

Tu entendes-te e eu também, porque ao voltar a página
viras-me os versos do avesso, reversos teus.
Eu devia desconfiar de ti, que não te escondes
e me roubas mesmo à luz do dia.

Eu é que me escondo. Enquanto escrevo,
tu vives e mais nada. Como te disse Bécquer:
Poesia és tu.
E eu sou o poema.


(Trad. A.M.)

.

25.4.17

Corpo presente (44)





PROCURA



Procuro-te, à noite,
nas vielas da insónia.
Onde te escondes?

.

24.4.17

Eloy Sánchez Rosillo (Aviso aos passantes)





AVISO PARA CAMINANTES       



En la suma de días indistintos
que la vida da al hombre, acaso hay uno
en que el destino, trágico y hermoso,
pasa por nuestro lado y el azar manifiesta
una insólita luz, un desusado
fulgor inconfundible.
Pero no has de dudar. Ten el coraje,
cuando llegue el momento,
de abandonar las cosas con que siempre
te engaño la costumbre, y sube pronto
a ese carro de fuego.
                               Poco dura
el milagro.
                Después, si te negaras
a partir, sólo noche
merecerás. Y nunca, aunque quisieras,
podrás comprar la luz que despreciaste.


Eloy Sánchez Rosillo





Na soma de dias indistintos
que a vida dá a um homem, há porventura
um em que o destino, belo e trágico,
passa-nos à beira e o acaso mostra
uma luz insólita, um desusado
fulgor inconfundível.
Mas não podes ter dúvida. Quando
o momento vier, tens de ter a coragem
de largar as coisas com que o hábito
te iludiu sempre, e subir rápido
para esse carro de fogo.
                O milagre
dura muito pouco.
                Depois, se te negares
a partir, só noite escura
merecerás. E nunca, mesmo que queiras,
poderás comprar a luz que desprezaste.


(Trad. A.M.)

.

23.4.17

Eduardo Mitre (Linhas de Outono)





LÍNEAS DE OTOÑO



1
Luz líquida de otoño:
en la copa de los árboles
beben los ojos.

2
No pasa el verano, no.
Arde, eso sí
y en mil ascuas.
(El otoño
es su húmeda llama).
Del verde
al amarillo
al rojo
arde como el alcohol,
como la vida de Rimbaud,
como el cuerpo
cambiante
de la pasión.

3
Pasa el viento
como siempre pasa en el otoño:
haciendo caer las hojas.
Y en cada rama brota
la transparencia del invierno.

4
Me observan curiosos
desde la misma rama
la ardilla y el tordo.

5
El cuarto de hotel.
En la ventana el jilguero
también de paso.

6
Lección del otoño:
¿asirse a la tierra
o desprenderse de todo?

7
Árboles desnudos:
hojas las alas
y los pájaros frutos.

8
Los versos de Wang Wei,
desgajo uno,
lo injerto y prende bien:
otoño corto: el crepúsculo.

9
Hormiguero de astros.
Sola
la luna
con fulgor prestado.
Pero no importa.
Ya lo dijo
Antonio Porcchia:
nadie -ni aun el sol-
es la luz de sí mismo.

10
El invierno a la puerta.
El vino. La amistad
de los amigos
distantes o muertos.
Digo sus nombres:
oigo sus voces.

11
Los niños de Somalia.
Muda se quedará la página
y a oscuras mi casa
si no salto a otra línea.

12
El fresno
silencio de pie
el silencio.

13
Se agita -barca su cuerpo-
mi mujer dormida.
¿El viento en su sueño?

14
La luz de la lámpara.
El poema:
árbol de las palabras.
Contigo
hablarán del otoño
si tu voz las despierta
si las palpan tus ojos.


Eduardo Mitre




1
Luz líquida de Outono:
bebem os olhos
na copa das árvores.

2
O Verão não, não passa,
arde, isso sim,
em mil áscuas.
(O Outono
é sua húmida chama).
De verde
a amarelo
a vermelho
arde como álcool,
como a vida de Rimbaud,
como o corpo
mutante
da paixão.

3
Passa o vento
como passa sempre de Outono,
fazendo cair as folhas.
E em cada ramo brota
a transparência do Inverno.

4
Curiosos me observam
pousados no mesmo ramo
o esquilo e o tordo.

5
Quarto de hotel.
Um pássaro na janela
também de passagem.

6
Lição do Outono:
agarrar-se à terra
ou desprender-se de todo?

7
Árvores despidas:
folhas as asas
e as aves frutos.

8
Os versos de Wang Wei,
arranco um,
enxerto e pega bem.
Outono breve, o crepúsculo.

9.
Formigueiro de astros.
A lua
ela só
com fulgor emprestado.
Pouco importa.
Como disse
Antonio Porcchia:
ninguém – nem mesmo o sol –
é a luz de si mesmo.

10
O Inverno à porta.
O vinho. Os amigos,
distantes ou falecidos.
Digo seus nomes,
oiço as vozes.

11
Meninos da Somália.
Muda ficará esta página
e às escuras a casa,
caso eu não mude de linha.

12
O freixo
silêncio erguido
o silêncio.

13
Agita-se – barco seu corpo –
minha mulher a dormir.
O vento em seu sonho?

14
A luz da lâmpada.
O poema:
árvore de palavras.
Falar-te-ão do Outono
se com a voz as acordas
ou com os olhos lhes tocas.

(Trad. A.M.)

.

22.4.17

Machado de Assis (Ela e ele)





Tenho ali na parede o retrato dela, ao lado do marido, tais quais na outra casa.
A pintura escureceu muito, mas ainda dá idéia de ambos.
Não me lembra nada dele, a não ser vagamente que era alto e usava cabeleira grande; o retrato mostra uns olhos redondos, que me acompanham para todos os lados, efeito da pintura que me assombrava em pequeno.
O pescoço sai de uma gravata preta de muitas voltas, a cara é toda rapada, salvo um trechozinho pegado às orelhas.
O de minha mãe mostra que era linda.
Contava então vinte anos, e tinha uma flor entre os dedos.
No painel parece oferecer a flor ao marido.
O que se lê na cara de ambos é que, se a felicidade conjugal pode ser comparada à sorte grande, eles a tiraram no bilhete comprado de sociedade.


MACHADO DE ASSIS
Dom Casmurro
(1900)

.

21.4.17

Eduardo Llanos (Intimidade)






INTIMIDAD



Si cada hombre es un mundo,
admite entonces que esta noche
te corone Miss Mundo.


Eduardo Llanos





Se cada homem é um mundo
deixa-me então esta noite
coroar-te Miss Mundo.

(Trad. A.M.)

.

20.4.17

Eduardo Dalter (Há um caminho)

 




Hay un camino
aún no atascado,
aún ni pensado,
que comienza
en la punta justo
de tus pies; hay
un camino; hay,
hay un camino.

Eduardo Dalter




Há um caminho
ainda não atascado,
nem sequer pensado,
que começa
na ponta mesmo
dos teus pés; há
um caminho; sim,
há um caminho.


(Trad. A.M.)

.

19.4.17

Corpo presente (43)





PRAGA-II




Flor de amêndoa
tição
maçã camoesa

- haviam de roer-te
as saudades...

.

18.4.17

Eduardo Chirinos (No túmulo de Salinas)





JUNTO A LA TUMBA DE SALINAS



Un pequeño saurio atraviesa la tumba de Salinas,
husmea el óxido que mancha la blancura del mármol
y se oculta rápidamente entre la hierba.
Entonces lo contemplo.
Qué de besos perdidos frente al mar,
qué de labios bebiendo sus gotas azules,
qué de cielos nunca hollados, fortalezas
donde el amor se rindió a los abrazos de nadie.
Nadie, Salinas, buscando entre sombras un cuerpo desnudo,
nadie en las palabras que alguna vez ardieron por nosotros.
Yo también me enamoré con tus poemas.
Ellos sabían lo que habría de ocurrirme, me leía en ellos,
pero tú plagiaste mi vida, la dignificaste, la hiciste del revés.
¿Mereces entonces el perdón?
Ahora que estás bajo un cielo verdadero,
devorado por los insectos de la tierra, pronombre
encadenado a la carne de unos besos que yo di por ti,
te ofrezco estas flores.
Acéptalas,  Salinas, como un homenaje de quien quiso creer
y vivió feliz en el fecundo engaño.

Eduardo Chirinos




Uma lagartixa atravessa o túmulo de Sabinas,
fareja o óxido que mancha o branco do mármore
e esconde-se rapidamente entre a erva.
Então ponho-me a contemplá-lo.
Que de beijos perdidos em frente ao mar,
que de lábios bebendo suas gotas de azul,
que de céus jamais calcados, fortalezas
onde o amor se rendeu aos abraços de ninguém.
Ninguém, Salinas, buscando entre sombras um corpo desnudo,
ninguém nas palavras que um dia arderam por nós.
Também eu me enamorei com teus versos.
Eles sabiam o que havia de me suceder,
eu podia ler-me neles,
mas tu plagiaste-me a vida, dignificaste-a,
viraste-a do avesso.
Mereces pois o perdão?
Agora que te encontras num céu verdadeiro,
devorado dos bichos da terra, pronome
agrilhoado na carne de alguns beijos que eu dei por ti,
estas flores eu te ofereço.
Toma-as, Salinas, como homenagem de quem quis acreditar
e feliz viveu na fecunda ilusão.

(Trad. A.M.)


.

17.4.17

Louise Warren (Criar espaço)





Criar espaço, o poema responde sempre a essa exigência.
Andar sobre as águas, na superfície da lua, neve e gelo.
Marcha interrompida, calor a subir após um tempo
de caminhada. Voltar sem as luvas.
Ler, escrever, depois de tanto tempo no corpo.
Um modo de viver com.
A sensibilidade ama a vida. Harmonia natural, pulsação contínua.
O silêncio tira seus próprios fios, suas conclusões.
Os caramelos de Fevereiro, a luz fechada em si mesma. Tomá-los, também a eles.
A minha véstia quente de lã e o bater do meu coração, nada mais da tarde.
Espaço de solidão, nada entre o vidro e a interrogaçãp.
Minha gratidão para com a poesia, uma emoção derivada da ferida,
da dor, da força, inteira em si própria.
A nitidez de uma sombra, uma frase, uma nota.


Louise Warren


(Trad. A.M.)

.

16.4.17

David González (Areia)





ARENA



como cada día
que hace bueno
voy a la playa
y como cada día
extiendo mi vida
sobre la arena seca
cada vez más lejos
de donde gritan
los niños de donde rompen
las olas


David González




como sempre
que está bom tempo
vou à praia
e como sempre
estendo a vida
na areia seca
cada vez mais longe
de onde gritam
os meninos de onde
rebentam as ondas


(Trad. A.M.)

.

15.4.17

Darío Jaramillo Agudelo (Arte poética uma)





ARTE POÉTICA UNA: LA PALABRA                          



Estamos de acuerdo: por una vez
 concedamos que ustedes, los poetas,
tienen la razón; que tienen
toda la razón; sí, las palabras
se gastan, las palabras
envenenan todo lo que tocan.
Digamos que acertaron, que dieron
en el blanco, que cogieron
la cosa por donde era;
digamos que hay palabras metálicas
que si caen desde cierta altura
pueden matar a una persona
y que hay palabras en forma de ceniza
que explotan como pólvora,
y que hay otras palabras que son flores
que se marchitan en un día
—como las de este verso de doble faz,
útil para floreros y promesas—
y que hay otras que se huelen y se tocan y se miran
y palabras detergente
y palabras perfume y que también está la palabra
silencio. Digamos, en fin, que hay palabras
como la palabra caravana o la palabra
sombra, sin mencionar la conocida
rosa. Pero ya estamos llegando
al límite. Las palabras, son palabras, poeta,
y yo no puedo hacer nada por ustedes.


Darío Jaramillo Agudelo





Estamos de acordo, por uma vez
concedamos que vocês, poetas,
têm razão, que têm
toda a razão; sim, as palavras
gastam-se, as palavras
envenenam tudo aquilo em que tocam.
Vamos dizer que acertaram,
que deram em cheio no alvo,
que pegaram na coisa por onde deviam;
digamos que há palavras de metal
que caindo de certa altura
podem matar uma pessoa
e que há palavras com forma de cinza
que explodem como pólvora,
e que há ainda outras assim como flores
que murcham num só dia
- como as deste verso de face dupla,
bom para promessas e para envasar -
e que há outras que se cheiram e se tocam e se miram
e palavras-detergente
e palavras-perfume e depois há também
a palavra silêncio. Digamos, enfim, que há
palavras como a palavra caravana
ou a palavra sombra, já sem mencionar
a conhecida rosa. Mas estamos quase
no limite. As palavras são palavras, poeta,
e eu não posso fazer nada por vocês.

(Trad. A.M.)


.

13.4.17

Cysko Muñoz (Adições)





ADICCIONES



Mis amigos
están preocupados
porqué dicen
que paso demasiadas horas
mirando el móvil.

No quiero ni pensar
como se pondrían
si supiesen
que estoy
leyendo poesía.


Cysko Muñoz





Os meus amigos
estão preocupados
porque dizem
que passo muito tempo
a olhar para o telemóvel.

Não quero nem pensar
o que diriam
se soubessem
que estou
a ler poesia.

(Trad. A.M.)

 .

12.4.17

Cristina Peri Rossi (Quarto de hotel)





CUARTO DE HOTEL                        

     (Hotel Room, Edward Hopper)


La soledad de la viajera
al borde de la cama
en el cuarto de hotel
las maletas sin abrir
los zapatos altos
desbocados
caídos en el suelo
como frutos maduros
Ella lee un menú
un programa
un horario de ferrocarriles
tan sola
en la habitación
como cualquier viajera
recién llegada
a un mundo hostil
a una ciudad sin nombre.


CRISTINA PERI ROSSI
Las musas inquietantes
 (1999)





A solidão da viajante
na beira da cama
no quarto de hotel
as malas por abrir
os sapatos altos
caídos pelo chão
como frutos maduros
Ela lê um menu
um programa
um horário de comboios
tão sozinha
no quarto
como qualquer viajante
recém-chegada
 a um mundo hostil
a uma cidade sem nome.


(Trad. A.M.)

_______________

> Outra aplicação: Josefa Parra

.

11.4.17

Louise Glück (Primeira lembrança)

 




FIRST MEMORY



Long ago, I was wounded. I lived
to revenge myself
against my father, not
for what he was-
for what I was: from the beginning of time,
in childhood, I thought
that pain meant I was not loved.
It meant I loved.


Louise Glück





Há muitos anos, eu tinha uma ferida. Vivia 
para me vingar do meu pai, não
por ele, mas por mim: desde o princípio dos tempos,
em pequena, eu pensava 
que o mal era de me não amarem,
mas era antes de eu amar.



(Trad. A.M.)

.

10.4.17

Cristian Aliaga (Fogos que a noite apaga)





FUEGOS QUE LA NOCHE APAGA



Al que canta mientras
se queman sus criaturas,
porque no lo sabe, porque no
siente el olor;

al que barre con la lengua
la alfombra de los dueños,
porque no puede, porque no
sabe si hay una técnica mejor;

al que se estira sin palabras
a pedir lo que no van a darle,
porque no entiende, porque no
quiere saber que no habrá;

al que enciende los fuegos
que la noche apaga,
porque aprecia la luz, porque no
olvida el calor que extravió.

Para esos escribo, que no
se detendrán a leer.


Cristian Aliaga




Ao que canta enquanto
suas crias se queimam,
porque não sabe, não
sente o cheiro;

ao que varre com a língua
o tapete dos donos,
porque não pode, não sabe
se há uma técnica melhor;

ao que se estica em silêncio
a pedir o que não lhe darão,
porque não entende, nem quer saber
que não há aquilo que pede;

ao que acende os fogos
que a noite apaga,
porque aprecia a luz e não esquece
o calor que se extraviou.

Para esses escrevo,
que jamais me lerão.


(Trad. A.M.)

.

9.4.17

Claribel Alegria (Rito incumprido)




RITO INCUMPLIDO

                 (A mi madre)

Dicen que la muerte es solitaria
que nos morimos solos
aunque estemos rodeados de aquellos que nos aman
pero tú me llamaste
y yo no estuve:
no te cerré los ojos
no te besé la frente
no te ayudé a pasar
al otro lado
estuve lejos
lejos de ti que me alumbraste
me nutriste
educaste mis alas.
No cumplí con el rito
estuve lejos
lejos
y ese es el sollozo que me arrebata en olas
en cúpulas
en grutas
y no puede salir
y me persigue en sueños
y me ahoga.
Perdóname/libérame
necesito aullar
batir tambores
un golpe en la cerviz
un estallido
para arrancar de cuajo este sollozo
y no invocarte más
en desolados
versos.


Claribel Alegria




Dizem que a morte é solitária
que morremos sempre sós
mesmo rodeados por aqueles que nos amam
mas tu chamaste-me
e eu não estava:
não te fechei os olhos
não te beijei a fronte
não te ajudei a passar
para o outro lado
estava longe
longe de ti que me iluminaste
me nutriste
educaste minhas asas.
Não cumpri o rito
estava longe
longe
e é esse o soluço que me arrebata em ondas
em cúpulas
em grutas
e não sai
persegue-me em sonhos
afoga-me.
Perdoa-me/liberta-me
preciso de uivar
rufar tambores
um golpe na cerviz
um estampido
para arrancar de vez este soluço
e não invocar-te mais
em desolados
versos.


(Trad. A.M.)

.

8.4.17

José Paulo Paes (Brecht revisitado)





BRECHT REVISITADO



partido: o que partiu
rumo ao futuro
mas no caminho esqueceu
a razão da partida

(só perdemos
a viagem camaradas
não a estrada
nem a vida)


José Paulo Paes


.

7.4.17

Chantal Maillard (E todavia)





SIN EMBARGO



Sin embargo,
sin embargo,
sin embargo… No me
fío de mí. Nada es
permanente. Menos
lo es la palabra. Esto
tampoco,
esto tampoco,
esto tampoco. No me fío,
no te fíes de quien
dice, de quien
habla, de lo que se
dice, de lo que dices,
de lo que digo,
no me fíes,
no te fío.
La lucidez es una chispa, un
estado de conciencia
en las multiplicadas estancias
de la conciencia o que hacen
conciencia, las estancias
que se alargan, se prolongan, se
continúan, y así
se le llama conciencia
a aquella continuidad.
No me fío, no te
fíes de las estancias,
se estrechan,
se acortan,
se invaden,
desaparecen,
la lucidez es un instante
entre estancias,
ventanas en la mónada que
si permanece bajo
la luz del foco se hace estancia,
también ella, y sufre
las mismas convulsiones.
Sin embargo,
sin embargo,
sin embargo… lo
que intuyo ahora
se borrará mañana,
luego,
ahora,
apenas se haga pensamiento,
conciencia: estancia. Atrapamos
la sensación que invade las entrañas,
muy abajo,
muy adentro,
muy homogénea, la atrapamos
y la hacemos eso: “sensación”,
la nombramos,
la describimos… la perdemos. Ya
no es ella, ya no es eso, ya no es.
Aún está allí pero
no es lo que digo,
lo es apenas,
no es lo que oís,
no es eso, no
os fiéis,
no me fíes,
no te fío.

De nuevo cae la tarde,
mengua la luz.
Los colores del otoño vienen del oeste,
decía aquel poeta chino.
El mundo está en mí.
No me apartaré.
Acojo todos los colores, el
estío dentro de mi otoño,
porque sé que no
hay fin, que no habrá término.
Todo comienza y termina en mí.
Yo soy el infinito proyecto de mí misma
por encima de mí
me sobrevuelo.


Chantal Maillard






E todavia,
e todavia, 
e todavia... Não me
fio de mim, nada é
permanente, muito menos
a palavra, isto
tão pouco,
isto tão pouco. Não me fio,
não te fies de quem
diz, de quem
fala, do que se
diz, do que dizes,
do que digo, 
não te me fies,
não me te fio.
A lucidez é uma chispa, um
estado de consciência 
nas variadas estâncias
da consciência ou que fazem
a consciência, estâncias 
que se alongam, e prolongam, e
continuam, daí se chamar
consciência essa continuidade.
Não me fio, não te
fies das estâncias,
que se estreitam,
se encurtam,
se invadem,
desaparecem,
a lucidez é um instante 
entre instâncias,
janelas na mónada que
permanecendo sob a luz do foco
se faz estância,
também ela, sofrendo
as mesmas convulsões.
E todavia,
e todavia,
e todavia... O que
eu intuo agora
vai apagar-se amanhã,
depois, 
agora mesmo,
mal se faça pensamento,
consciência: estância. Agarramos
a sensação que nos invade as entranhas,
lá muito fundo,
muito dentro,
muito homogénea, agarramo-la
fazendo-a nisso, 'sensação',
nomeamo-la, descrevemo-la
e a seguir perdemo-la. Já
não é ela, já não é aquilo, já não é.
Ainda está lá, mas
mas não é o que eu digo,
quase não é,
não é o que vós ouvis,
não é isso, não
vos fieis,
não me te fies,
não te me fio.

De novo cai a tarde,
minga a luz.
As cores do Outono é do poente que vêm,
dizia aquele poeta chinês.
O mundo está em mim,
não me aparto,
acolho as cores todas, o
estio por dentro do meu outono,
porque sei que não
há fim, não haverá termo.
Tudo começa e termina em mim,
eu sou o infinito projecto de mim mesma,
por cima de mim própria
me sobrevoo.

(Trad. A.M.)


.

6.4.17

César Vallejo (Pedra negra sobre uma pedra branca)





PIEDRA NEGRA SOBRE UNA PIEDRA BLANCA




Me moriré en París con aguacero,
un día del cual tengo ya el recuerdo.
Me moriré en París y no me corro
tal vez un jueves, como es hoy, de otoño.

Jueves será, porque hoy, jueves, que proso
estos versos, los húmeros me he puesto
a la mala y, jamás como hoy, me he vuelto,
con todo mi camino, a verme solo.

César Vallejo ha muerto, le pegaban
todos sin que él les haga nada;
le daban duro con un palo y duro

también con una soga; son testigos
los días jueves y los huesos húmeros,
la soledad, la lluvia, los caminos…


César Vallejo





Morrerei em Paris com aguaceiros,
num dia do qual já tenho a lembrança.
Morrerei em Paris – daqui não saio –
numa quinta-feira, como hoje, de outono.

Quinta-feira será, pois hoje, quinta-feira,
em que estes versos proso, dei os úmeros
à pouca sorte, e nunca como hoje
voltei, com todo o meu caminho, a ver-me só.

Morreu César Vallejo, espancavam-no
todos sem que lhes fizesse nada;
davam-lhe forte com um pau e forte

com uma corda também; são testemunhos
as quintas-feiras e os ossos úmeros,
a solidão, os caminhos, a chuva...


(Trad. José Bento)




.

5.4.17

José Miguel Silva (Nocturno)





NOCTURNO



A arte já sabemos nasce
da imperfeição das coisas
que trazemos para casa
com o pó da rua
quando a tarde finda
e não temos água quente
para lavar a cabeça.

Tentamos regular
com açudes de orações
o curso da tristeza
mudamos de cadeira
e levamos a noite
a dizer oxalá
como se a palavra
praticasse anestesia.



JOSÉ MIGUEL SILVA
Ulisses já não mora aqui
(2014)

.

4.4.17

César Simón (Uma noite)





UNA NOCHE




Una noche, hace tiempo, caminábamos.
De pronto, enardecidos,
pero conscientes
-nunca el amor enturbia la consciencia-
nos metimos ahí, para besarnos,
al almacén oscuro.
Hicimos el amor en el más puro fuego,
junto al peligro
-la puerta estaba rota,
por la acera pasaban transeúntes…
La vida breve y el amor en vilo.
¿Cómo saber si en tales ocasiones
el amor nos preserva
o nos destruye?
Ahora tras el rictus con que apenas
señalo la presencia de esa puerta,
mi consideración me lleva lejos.
Y en la lluvia camino.


César Simón




Uma noite, há algum tempo,
caminhávamos os dois.
De repente, a arder
mas conscientes
- nunca o amor turva a consciência -
metemos por ali, para beijar-nos,
no armazém escuro.
Fizemos amor na mais pura chama,
à beira do perigo
- a porta estava partida,
passavam pessoas no passeio...
A vida breve e o amor fugaz.
Como saber se em tais ocasiões
o amor nos preserva
ou nos destrói?
Agora, após o ricto com que mal
assinalo a presença dessa porta,
os passos conduzem-me para longe.
E caminho à chuva.

(Trad. A.M.)

.

3.4.17

César Fernández Moreno (Sai um poema ao balcão)





MARCHE UN POEMA AL MOSTRADOR



viejo si me vieras ahora
estoy parado contra el mostrador
mis pantorrillas tensas me soportan
un rato cada una

vos te hubieras sentado en una mesa
tus hombros los hubiera soportado un respaldo
hubieras perdido tu mirada en la vereda de enfrente
qué fabulosa lejanía

yo he venido a quedar un poco más arriba
veo un poco más cerca
alcanzo a leer las letras de la vidriera
al revés

pero es lo mismo
la misma breve lucha con el paquetito de azúcar
el mismo sabor aceitoso del café suburbano

cambio propina por comentario sobre lluvia inminente
saco mi libretita con disimulo
para escribir este primer poema
al mostrador

pero el patrón me enciende una luz
solícitamente
y lo escribimos a medias
entre mi mano y su mirada


César Fernández Moreno

[Otra iglesia]




velho se me visses agora
estou de pé contra o balcão
teso sobre as pernas
ora numa ora noutra

tu sentar-te-ias a uma mesa
os ombros apoiados
perderias o olhar na vereda defronte
que fabulosa distância

eu quedei-me um pouco mais acima
olho para mais perto
até consigo ler as letras da montra ao contrário

mas é igual
a mesma breve luta com o pacote de açúcar
o mesmo sabor gorduroso do café suburbano

troco a gorjeta por um comentário sobre o tempo
tiro o caderninho como quem não quer a coisa
para escrever este primeiro poema
ao balcão

mas o patrão acende-me a luz
muito solícito
e então escrevemos a meias
seu olhar e minha mão

(Trad. A.M.)

.

2.4.17

Jorge de Sousa Braga (Epístola sobre a merda)





EPISTOLA SOBRE A MERDA



As retretes transformadas em santuários:
eis a minha obsessão

A merda é uma boa causa
Demasiado boa
para que alguém lute por ela

Só é poeta aquele que
é capaz de comer as próprias fezes
A merda é a única coisa
que não se pode conspurcar



Jorge de Sousa Braga

[Citizen Grave]

.

1.4.17

Carlos Edmundo de Ory (Na minha poesia não há sítios)





Na minha poesia não há sítios
Raramente há nomes ou
anos nostalgias tempos
passados pisados pontes
aquedutos ou ruas
Na minha poesia não há anais
nem tão-pouco tramas ou temas
nem bandeiras nem oficinas
Na minha poesia não há público
nem sermões nem discursos
nem passam comboios e não há
lua na minha poesia nem países
Na minha poesia não há finais
para entreter ou sonhar
com palavras cadavéricas
Na minha poesia há fulgor


Carlos Edmundo de Ory

[O melhor amigo]

.