30.11.16

José Rentes de Carvalho (Embriaguez)





A volta à chave é mais rito do que necessidade, pois ninguém virá perturbar a solidão e o silêncio em que me quero.
Abro o armário, retiro os álbuns, folheio-os em busca de um rosto ou dum corpo que fale ao meu desejo, à loucura mansa do momento, e me dê asas para voar de fantasia em fantasia.
Horas a fio, esquecido do tempo.
Não é que encontre nesse passatempo, ao fim e ao cabo inocente, a satisfação dos sonhos que não consegui realizar, ou ele me compense das vivências por que ansiei.
O que procuro, mas raro encontro, é uma embriaguez, o arroubo de poder criar um mundo onde em simultâneo possa ser os personagens todos da história feliz que jamais viverei.


J. RENTES DE CARVALHO
A Amante Holandesa
(2003)

.

Blas de Otero (Último depois)





ÚLTIMO DESPUÉS



Éste es el último poema de mi vida,
son las 7.20 de la tarde del día 19 de enero de 1971,
estoy situado en Madrid,
mi mano izquierda es una araña sujetando el papel,
se oyen motores de coches,
el ruido del ascensor,
el boom de América Latina,
junto a mí hay una jarra de Talavera
con espigas de avena amarilla tal un paraguas de muchacha,
hay una plegadera que compré en Pekín,
hay el recibo del alquiler,
hay una fotografía en color y una figurilla de barro portuguesa,
pero todavía no he comenzado el poema,
es extraño que algunos hombres,
Virgilio, Dylan Thomas, Gabriel y Galán y compañía
compongan poemas como quien va a editar un periódico terriblemente serio,
comienzo a considerar la posibilidad de no comenzar el poema,
dejarlo para después de mi muerte,
para después del cierre,
para después de desayunar,
para después.


BLAS DE OTERO
Hojas de Madrid
(2010)

[Escritores]




Este é o último poema da minha vida,
são 7,20 da tarde de 19 Jan. 1971,
encontro-me em Madrid,
a minha mão esquerda é uma aranha a segurar o papel,
ouvem-se os motores de carros,
o ruído do ascensor,
o boom da América Latina,
à minha beira há uma jarra de Talavera
com espigas de aveia a modo de chapéu de chuva feminino,
há um corta-papéis comprado em Pequim,
há o recibo da renda,
há um foto colorida e uma figura de barro portuguesa,
mas ainda não comecei o poema,
estranho que alguns homens,
Virgílio, Dylan Thomas, Gabriel y Galán e companhia
façam poemas como quem vai editar um jornal terrivelmente sério,
começo a considerar a hipótese de não começar o poema,
deixá-lo para depois de morrer,
para depois do fecho,
para depois do pequeno-almoço,
para depois.


(Trad. A.M.)

.


29.11.16

Maria Teresa Horta (Silêncios da fala)





SILÊNCIOS DA FALA                       



São tantos
os silêncios da fala

De sede
De saliva
De suor

Silêncios de sílex
no corpo do silêncio

Silêncios de vento
de mar
e de torpor

De amor

Depois, há as jarras
com rosas de silêncio

Os gemidos
nas camas

As ancas
O sabor

O silêncio que posto
em cima do silêncio
usurpa do silêncio o seu magro labor


Maria Teresa Horta


.


28.11.16

Raúl Nieto de la Torre (Se eu morrer jovem)





SI MUERO JOVEN



Si muero joven, si me falta el tiempo
necesario… pero ¿quién no muere
antes de lo previsto? Si me pierdo
en el camino, si no hay camino
para perderse… pero ¿quién se vuelve
a estas horas a casa? Si no hay casa…
pero ¿quién no se ha vuelto hacia el pasado
alguna vez? Si el pie se ha hundido y no
es en la tierra… pero ¿quién camina
por esta tierra? Si me muero joven,
si se me cae la vida de las manos…
pero ¿quién no ha muerto
joven a manos de su propia sombra?,
¿quién no ha esculpido un sueño
sin encontrar la piedra en que esculpirlo?


Raúl Nieto de la Torre





Se eu morrer jovem, se me faltar o tempo
necessário... mas quem é que não morre
antes do previsto? Se eu me perder
 no caminho, ou se não houver
mesmo caminho... mas quem é que volta
para casa a tais horas? Se não houver casa...
mas quem é que uma vez não se virou
para o passado? Se o pé se afundar e não
for na terra... mas quem é que caminha
por esta terra? Se eu morrer jovem,
se a vida me cair dentre as mãos...
mas quem é que não morreu
jovem às mãos da sua própria sombra?
quem é que não esculpiu um sonho
sem encontrar a pedra para esculpir?



(Trad. A.M.)



>>  RNT (blogue) / Valentinos (3p)

.

27.11.16

João Guimarães Rosa (Cavalos)





O senhor não sabe: rincho de cavalo padecente assim, de repente engrossa e acusa buracões profundos, e às vezes dão ronco quase de porco, ou que desafina, esfregante, traz a dana deles no senhor, as dores, e se pensa que eles viraram outra qualidade de bichos, excomungadamente.
O senhor abre a boca, o pêlo da gente se arrupeia de total gastura, o sobregelo.
E quando a gente ouve uma porção de animais, se ser, em grande martírio, a menção na idéia é a de que o mundo pode se acabar.


JOÃO GUIMARÃES ROSA
Grande Sertão: Veredas
(1956)

.

Tom Maver (Em caminhos desertos)





EN CAMINOS despejados me atraso sin remedio
y llego a mi casa siempre después de mí
como a un lugar donde no queda nadie. 

Tropiezo con cosas que ya no están,
por todas partes choco con la distancia que se abre
entre nosotros, con armarios que quedaron cerrados.
Los ecos de las charlas que todavía recuerdo
son sobre viajes que se llevan a los que hablan
y preparativos que hace uno solo.

Apenas te fuiste, borré cada huella tuya
para no ver adonde iría la siguiente.
Fuí, uno por uno, deshaciendo todos tus abandonos
hasta desorientarme y no tener cómo seguirte.

Pero ahora resulta que cuando piso
dónde alguna vez borré los rastros de tu partida
vuelvo a tropezar con algo que quedó de vos
y que se sigue yendo de donde ya no estás.


Tom Maver





EM CAMINHOS desertos me atraso sem remédio
e chego a casa sempre depois de mim,
como a um lugar onde não resta ninguém.

Tropeço em coisas que lá não estão,
choco em todo o lado com a distância entre nós,
com armários que ficaram fechados.
Os ecos de conversas que ainda recordo
são de viagens de muitos que falam
e dos preparativos de cada qual.

Mal te foste, apaguei cada marca tua
para não ver onde iria a seguinte.
Um por um, fui desfazendo os teus abandonos
até me perder e não ter modo de seguir-te.

Mas agora eis que, ao pisar
os rastos desfeitos da tua partida,
volto a tropeçar em algo que ficou de ti
e continua pairando onde tu já não estás.



(Trad. A.M.)



>>  Hasta donde llega la voz (blogue/ trad.) / El placard (4p) / Circulo de poesia (3p)

.

26.11.16

Paul Eluard (E um sorriso-2)





ET UN SOURIRE (*)



La nuit n'est jamais complète.
Il y a toujours puisque je le dis,
puisque je l'affirme,
au bout du chagrin,
une fenêtre ouverte,
une fenêtre éclairée.
Il y a toujours un rêve qui veille,
désir à combler,
faim à satisfaire,
un cœur généreux,
une main tendue,
une main ouverte,
des yeux attentifs,
une vie : la vie à se partager. 


Paul Éluard




A noite nunca está completa.
Há sempre, digo eu,
e afirmo, ao cabo do desgosto,
uma janela aberta,
iluminada.
Há sempre um sonho que vela,
um desejo a perseguir,
fome que matar,
um coração generoso,
uma mão estendida,
aberta,
uns olhos atentos,
uma vida, a vida a partilhar.

(Trad. A.M.)

 ____________________

(*) Está repetido: Rua das Pretas
Mas não faz mal nenhum.A segunda versão desconheceu a primeira, sponte sua, e está melhor...

.

25.11.16

Luis García Montero (Envergonha dizê-lo)





DA VERGÜENZA DECIRLO




Con los ojos vendados,
para que no pudieses recordar el camino,
intenté conducirte
al refugio sereno donde guardé mi vida.
Da vergüenza decirlo,
pero a veces los años construyen una casa
de medios sentimientos,
de verdades medianas,
de pasiones dormidas como animales viejos,
de cenizas y sueños humillados.
Y el cuerpo se acostumbra,
y las sombras apoyan su cabeza
en un pecho de sombra,
y el corazón se siente en paz o se doblega
a una derrota cómoda sin heridas mortales.

Da vergüenza decirlo.

Con los ojos vendados
para que no pudieses recordar el camino,
intenté conducirte
a mi mundo sereno de verdades a medias.
No me ha sido posible.

Esta noche insegura,
que mueve los relojes con la prisa
de tu pulso más vivo,
me envuelve y me repite:
no te ha sido posible.

Esta noche de viento,
que fue soltando amarras hasta quedarse tuya
como un delirio de melena negra,
me llama y me confirma:
no te ha sido posible.

Esta noche de gente
que pasa por las calles con tus ojos,
con la forma que tienes de vestirte,
con tu sonrisa de país lejano,
esta noche me empuja y me convence:
no te ha sido posible.

Y aquí estoy yo,
que voy soltando amarras hasta quedarme tuyo
y camino hacia el mar
con los ojos cerrados,
como una barca deja su refugio,
una barca feliz que se repite:
no me ha sido posible,
porque nada me importa,
sólo tu piel,
                  la piel de una tormenta.

Da vergüenza decirlo.


LUIS GARCÍA MONTERO
Completamente viernes
Tusquets Editores
(1998)







Com os olhos vendados,
para não poderes fixar o caminho,
tentei conduzir-te ao refúgio
onde guardei minha vida.
Envergonha dizê-lo,
mas os anos por vezes fazem uma casa
de meios sentimentos,
de verdades a meias,
de adormecidas paixões,
de cinzas, de sonhos humilhados.
E o corpo habitua-se,
as sombras encostam a cabeça
num peito de sombra,
e o coração sente-se em paz
ou dobra-se a uma derrota cómoda,
sem feridas mortais.

Envergonha dizê-lo.

Com os olhos vendados,
para não poderes fixar o caminho,
tentei conduzir-te
ao meu mundo sereno de verdades a meias.
Não consegui.

Esta noite insegura,
que move os relógios com a pressa
de teu pulso mais vivo,
abraça-me e repete:
não conseguiste.

Esta noite de vento,
que foi soltando amarras até ser tua
como um delírio de negra melena,
chama-me e reitera:
não conseguiste.

Esta noite de gente
passando na rua com teus olhos,
com teu modo de vestir,
teu sorriso de país distante,
esta noite me empurra e convence:
não conseguiste.

E aqui estou eu, soltando amarras até ser teu,
caminho para o mar de olhos fechados,
tal como um barco deixando o refúgio,
um barco feliz que se repete:
não consegui,
porque nada me importa,
só tua pele,
a pele da tormenta.

Envergonha dizê-lo.



(Trad. A.M.)

.

24.11.16

José Rentes de Carvalho (Nada)





Que fiz eu para merecer este destino murcho, esta vida tépida, monótona, previsível?
Sem fogo de paixão, sem drama, os meus dias arrastam-se na expectativa medíocre de que talvez amanhã aconteça alguma coisa. 
Amanhã. 
Sempre amanhã.
E ao mesmo tempo agrilhoado à certeza de que nada acontecerá, porque me envolvo em seguranças, ponho travões, não dou passo que não seja calculado.


J. RENTES DE CARVALHO
A Amante Holandesa
(2003)

.

Jonio González (Expiação)





EXPIACIÓN



no haré nada por que me entiendas
ni recitaré la letanía
que hace florecer el tronco muerto:

he levantado a conciencia
mi casa sobre la arena
he escupido contra el viento
al cielo
he metido los pies en el cepo

no haré nada por que me perdones
me quedaré aquí
aguardando a que lleguen
con mi mejor sonrisa
rimando pan con hambre
oscuridad con travesía


Jonio González

[Otra iglesia]




não farei nada para que me entendas
nem recitarei a litania
que faz florir o tronco morto:

ergui de propósito
minha casa sobre a areia,
cuspi contra o vento
para o céu,
pus a cabeça no cepo

não farei nada para que me perdoes,
ficarei aqui à espera
com o meu melhor sorriso,
a rimar pão com fome
e escuro com travessia


(Trad. A.M.)


.

23.11.16

António Ramos Rosa (As palavras mais nuas)





As palavras mais nuas
as mais tristes.
As palavras mais pobres
as que vejo
sangrando na sombra e nos meus olhos.
Que alegria elas sonham, que outro dia,
para que rostos brilham?
Procurei sempre um lugar
onde não respondessem,
onde as bocas falassem num murmúrio
quase feliz,
as palavras nuas que o silêncio veste.
Se reunissem
para uma alegria nova,
que o pequenino corpo
de miséria
respirasse o ar livre,
a multidão dos pássaros escondidos,
a densidade das folhas, o silêncio
e um céu azul e fresco.


António Ramos Rosa


.



22.11.16

Luis Feria (Poeta anónimo)





POETA ANÓNIMO



No sé quién eras; puede que yo mismo;
fui plural una vez.
Al leerme me leo;
en la rueda del tiempo vuelvo a ser.

Luis Feria




Não sei quem eras, talvez eu mesmo,
fui plural em tempos.
Ao ler-me me leio,
na roda do tempo volto a ser.

(Trad. A.M.)



>>  Poeticas (4p) / Poemas e poetas (3p) / Wikipedia


.

21.11.16

José Rentes de Carvalho (Escutar)




Sentado num socalco, a cabeça a repousar no cajado, hábito de pastor, agora só de vez em quando entreabre os olhos, a certificar-se de que ainda o escuto.
E eu escuto-o, traduzindo para a minha própria versão as palavras simples com que ele exprime a sua história, ao mesmo tempo que embelezo, aumento, acrescento.
Finalmente, também cerro os olhos, não para melhor o seguir, mas para que apenas reste a voz incorpórea e eu sinta menos rancor pelo companheiro que, sem o saber nem suspeitar, pouco a pouco vai matando o meu sonho.


J. RENTES DE CARVALHO
A Amante Holandesa
(2003)

.

Luis Cernuda (A família)





LA FAMILIA



¿Recuerdas tú, recuerdas aun la escena
A que día tras día asististe paciente
En la niñez, remota como sueño de alba?
El silencio pesado, las cortinas caídas,
El círculo de luz sobre el mantel, solemne
Como paño de altar, y alrededor sentado
Aquel concilio familiar, que tantos ya cantaron,
Bien que tú, de entraña dura, aún no lo has hecho.

Era a la cabecera el padre adusto,
La madre caprichosa estaba en frente,
Con la hermana mayor imposible y desdichada,
y la menor más dulce, quizá no más dichosa,
El hogar contigo mismo componiendo,
La casa familiar, el nido de los hombres,
Inconsistente y rígido, tal vidrio
Que todos quiebran, pero nadie dobla.

Presidían mudos, graves, la penumbra,
Ojos que no miraban los ojos de los otros,
Mientras sus manos pálidas alzaban como hostia
Un pedazo de pan, un fruto, una copa con agua,
y aunque entonces vivían en ellos presentiste,
Tras la carne vestida, el doliente fantasma
Que al rezo de los otros nunca calma
La amargura de haber vivido inútilmente.

Suya no fue la culpa si te hicieron
En un rato de olvido indiferente,
Repitiendo tan sólo un gesto trasmitido
Por otros y copiado sin una urgencia propia,
Cuya intención y alcance no pensaban.
Tampoco fue tu culpa si no les comprendiste:
Al menos has tenido la fuerza de ser franco
Para con ellos y contigo mismo.

Se propusieron, como los hombres todos, lo durable,
Lo que les aprovecha, aunque en torno miren
Que nada dura en ellos ni aprovecha,
Que nada es suyo, ni ese trago de agua
Refrescando sus fauces en verano,
Ni la llama que templa sus manos en invierno,
Ni el cuerpo que penetran con deseo
Dos soledades en una carne sola.

Ellos te dieron todo: cuando animal inerme
Te atendieron con leche y con abrigo;
Después, cuando creció tu cuerpo a par del alma,
Con dios y con moral te proveyeron,
Recibiendo deleite tras de azuzarte a veces
Para tu fuerza tierna doblegar a sus leyes.
Te dieron todo, sí: vida que no pedías,
y con ella la muerte de dura compañera.

Pero algo más había, agazapado
Dentro de ti, como alimaña en cueva oscura,
Que no te dieron ellos, y eso eres:
Fuerza de soledad, en ti pensarte vivo,
Ganando tu verdad con tus errores.
Así, tan libremente, el agua brota y corre,
Sin servidumbre de mover batanes,
Irreductible al mar, que es su destino.

Aquel amor de ellos te apresaba
Como prenda medida para otros,
y aquella generosidad, que comprar pretendía
Tu asentimiento a cuanto
No era según el alma tuya.
A odiar entonces aprendiste el amor que no sabe
Arder anónimo sin recompensa alguna.

El tiempo que pasó, desvaneciéndolos
Como burbuja sobre la haz del agua,
Rompió la pobre tiranía que levantaron,
y libre al fin quedaste, a solas con tu vida,
Entre tantos de aquellos que, sin hogar ni gente,
Dueños en vida son del ancho olvido.

Luego con embeleso probando cuanto era
Costumbre suya prohibir en otros
y a cuyo trasgresor la excomunión seguía,
Te acordaste de ellos, sonriendo apenado.
Cómo se engaña el hombre y cuán en vano
Da reglas que prohiben y condenan.
¿Es toda acción humana, como estimas ahora,
Fruto de imitación y de inconsciencia?

Por esta extraña llama hoy trémula en tus manos,
Que aun deseándolo, temes ha de apagarse un día,
Hasta ti trasmitida con la herencia humana
De experiencias inútiles y empresas inestables
Obrando el bien y el mal sin proponérselo,
No prevalezcan las puertas del infierno
Sobre vosotros ni vuestras obras de la carne,
Oh padre taciturno que no le conociste,
Oh madre melancólica que no le comprendiste.

Que a esas sombras remotas no perturbe
En los limbos finales de la nada
Tu memoria como un remordimiento.
Este cónclave fantasmal que los evoca,
Ofreciendo tu sangre tal bebida propicia
Para hacer a los idos visibles un momento,
Perdón y paz os traiga a ti y a ellos.


Luis Cernuda

[Apología de la luz]




Lembras-te, lembras ainda a cena
a que dia após dia assististe paciente
na infância, remota como sonho da madrugada?
O silêncio pesado, as cortinas caídas,
o círculo de luz na toalha, solene
como pano de altar, e à volta sentado
aquele concílio familiar, tão cantado por tantos,
mas não por ti, que tens entranha dura.

À cabeceira o pai adusto,
a mãe caprichosa sentada em frente,
com a mana mais velha impossível e desditada,
e a mais nova mais doce, não mais feliz talvez,
compondo contigo mesmo o lar da família,
a casa familiar, o ninho humano,
inconsistente e rígido, qual vidro
que todos quebram, mas ninguém dobra.

Presidiam mudos, graves, à penumbra,
olhos que não olhavam nos olhos dos outros,
enquanto suas mãos pálidas erguiam como hóstia
um pedaço de pão, um fruto, um copo de água,
e embora vivos então pressentiste neles,
para lá da carne, o dolente fantasma
que nem com rezas acalma nunca
a amargura de viver inutilmente.

Não foi deles a culpa se te fizeram
indiferente num instante de esquecimento,
repetindo apenas um gesto transmitido
por outrem e copiado sem intenção própria,
cujo alcance não atingiam.
Também não foi culpa tua não os ter compreendido,
aliás tiveste a força de ser franco
para com eles e contigo mesmo.

Propuseram-se o durável, como toda a gente,
o que lhes aproveita, embora vejam à volta
que nada lhes aproveita nem dura,
que nada é deles, nem esse gole de água
que os refresca no Verão,
nem a chama que no Inverno lhes aquece as mãos,
nem o corpo que penetram com o desejo,
duas solidões numa carne só.

Deram-te tudo, eles: quando animal inerme
acudiram-te com leite e abrigo;
depois, ao crescer-te o corpo a par da alma,
proveram-te com a moral e com deus,
picando-te às vezes para te dobrar às suas leis.
Deram-te tudo, sim: vida, que não pediste,
e com ela a dura companhia da morte.

Mas algo mais havia, oculto
dentro de ti, como bicho em sua cova,
isso que tu és e que não foi dado por eles:
força de solidão, pensar-te vivo em ti mesmo,
atingindo a verdade à força do erro.
Assim, livremente, a água brota e corre
para o seu destino no mar,
sem a servidão de mover moinhos.

Aquele amor deles prendia-te
como presa pensada para outros,
assim como a generosidade, que pretendia comprar
o teu assentimento a tudo o que não era do teu feitio.
Aprendeste então a odiar o amor que não sabe
arder anónimo sem qualquer recompensa.

O tempo corrido, desfazendo-os
como borbulha à tona de água,
rasgou a pobre tirania que ergueram,
ficando tu livre por fim, a sós com a vida,
em meio de tantos que, sem lar, sem ninguém,
são donos em vida do largo esquecimento.

Depois experimentaste quanto eles proibiam
sob pena de excomunhão,
lembrando-os, porém, com um sorriso de pena.
Como o homem se engana, editando em vão
regras que proíbem e condenam.
Será a acção humana, como agora pensas,
fruto de imitação e de inconsciência?

Põe esta chama trémula nas tuas mãos,
que temes, embora desejes, que um dia se apague,
legado de experiências inúteis e empresas falhadas,
não prevaleçam as portas do inferno
sobre vós e vossas obras da carne,
ó pai taciturno que o não conheceste,
ó mãe melancólica que o não compreendeste.

Que essas sombras remotas não perturbe
tua memória como remorso
no limbo terminal do nada.
Esta convenção de fantasmas que os evoca,
oferecendo teu sangue como bebida propícia
para fazer presentes aqueles que passaram,
perdão e paz vos traga a ti e a eles.


(Trad. A.M.)

.

20.11.16

Manuel Bandeira (Poema só para Jaime Ovale)





POEMA SÓ PARA JAIME OVALLE



Quando hoje acordei, ainda fazia escuro
(Embora a manhã já estivesse avançada).
Chovia.
Chovia uma triste chuva de resignação
Como contraste e consolo ao calor tempestuoso da noite.
Então me levantei,
Bebi o café que eu mesmo preparei,
Depois me deitei novamente, acendi um cigarro e fiquei pensando...
- Humildemente pensando na vida e nas mulheres que amei.


Manuel Bandeira

[Acontecimentos]

.

19.11.16

Luis Alberto de Cuenca (Como te defendes de mim)





CÓMO TE DEFIENDES DE MÍ



Cómo te defiendes de mí.
Cómo resistes,
desde la torre de la ausencia,
agitando el pañuelo para siempre,
sin forma ni color,
humo tan sólo,
aérea y rígida en tu nube,
diciendo adiós al mundo y a mis brazos,
muerta y levísima.
Cómo te defiendes de mí.
Cómo, al fin, me derrotas
y me sepultas, también a mí,
en la tumba sin flores del olvido,
donde mis huesos no conozcan
la senda de tu cobardía.


Luis Alberto de Cuenca




Como te defendes de mim.
Como resistes,
lá da torre da ausência,
agitando o lenço para sempre,
sem forma nem cor,
fumo apenas,
aérea e rígida na tua nuvem,
dizendo adeus ao mundo e a meus braços,
morta, levíssima.
Como te defendes de mim.
Como, no fim, me derrotas
e me sepultas, também a mim,
na cova sem flores do esquecimento,
onde meus ossos não saibam
da tua cobardia.


(Trad. A.M.)

.

18.11.16

José Rentes de Carvalho (Instantes)





Manhãs de geada, névoa, quietude.
O fumo a prolongar em colinas cinzentas o negro dos chupões, ou escapando em novelos azulados por entre as telhas dos casebres.
O cheiro acre de um estábulo.
A  súbita presença de rostos, cenas corriqueiras, como se à revivência desses instantes ínfimos se cole um significado impenetrável, um mistério.
O que causará a visão insólita do sorriso de um estranho, cruzado há séculos numa rua anónima, e desde então esquecido?
Porque ressurge, tão vívida e colorida, a imagem de cestos de uvas numa vinha?
A de uma sala onde só estive momentos?
Que mecanismo me faz ouvir de novo o ladrar dum cão numa noite de Inverno? 


J. RENTES DE CARVALHO
A Amante Holandesa
(2003)

.

Leopoldo María Panero (Correcção de Yeats)





CORRECCIÓN DE YEATS

                  (Extraída del poema “A Prayer for Old Age”)



Dios me proteja de pensar como esos
hombres que piensan solos y
viven por ello de olvidar lo
que pensaron –porque
la mente no está sola y
aquel
que canta la canción perdurable
demasiado la siente, demasiado.

Dios me proteja con más que su nombre,
Dios me proteja de ser un anciano
al que todos adulan y llamen
por el vacío de su nombre; oh, qué soy,
¿quién, si no puedo más,
que
parece –por amor de cantar
entera la canción– siempre un loco?

Rezo –pues las palabras vacías se marcharon
sin ser oídas y sólo la plegaria queda
en pie– para que aun cuando tarde mucho
en morir y en escribir mi nombre
al fin sobre la lápida puedan
un día decir sobre ese frío
que no estuve loco.


Leopoldo María Panero

[Neorrabioso]




Deus me livre de pensar como aqueles
que pensam sozinhos e vivem por isso
de esquecer aquilo que pensaram
– porque a mente não está sozinha e aquele
que canta a perdurável canção
demasiado a sente, demasiado.

Deus me proteja com mais que seu nome,
Deus me livre de ser ancião
que todos adulem e chamem pelo nome vazio;
oh, o que sou eu, quem sou, se não posso mais,
que pareço um louco, por mor de cantar a canção inteira?

Rezo – pois andaram as palavras vazias
e resta só a oração – por que, mesmo tardando
a morrer e a escrever o meu nome,
por fim na lápide possam dizer
que louco é que eu não fui.


(Trad. A.M.)

.

17.11.16

Manuel António Pina (Talvez de noite-1)






TALVEZ DE NOITE (1)



À minha volta tudo envelheceu
como se fosse eu, e no entanto
uma casa, ou um espaço em branco
entre as palavras, ou uma possibilidade de sentido.

Pois nada
surge com a sua própria forma.

Digo "casa", mas refiro-me a luas e umbrais,
a lembranças extenuadas,
às trevas do corpo, lúcidas,
latejando na obscuridade de quartos interiores.

E digo "palavras" porque
não sei que coisa chamar
à mudez do mundo.

E digo "sentido" sufocado
sob o pensamento
tentando respirar
a golpes de coração,
agora que se desmorona a casa
sobre todas as palavras possíveis.


Manuel António Pina


[Luz & sombra]

.

16.11.16

Karmelo C. Iribarren (Claro)





¡CLARO!



Me miro en una foto
 de cuando tenía veinte años
 y no me reconozco.
 "No puede ser -me digo-
que ese inocente con cara de pan
 ázimo, sea yo. Qué ha hecho
 de mí, la vida". Y me sirvo
 otro trago. Y luego otro. Y otro.
 Y empiezo a verlo todo
 muchísimo más claro.


Karmelo C. Iribarren





Olho-me numa foto
de quando tinha vinte anos
e não me reconheço.
“Não pode ser – digo eu –
 esse inocente com cara de pão
ázimo não posso ser eu. O que
fez de mim, a vida”. E tomo
outro trago. E depois outro. E outro.
E então começo a ver tudo
muitíssimo mais claro.


(Trad. A.M.)

.

15.11.16

João Guimarães Rosa (Redeando)





Redeando, rumamos, em tralha e torto, por aquele afora – a gente ia investir o sertão, os mares de calor.
Os córregos estavam sujos.
Aí, depois, cada rio roncava cheio, as várzeas embrejavam, e tantas cordas de chuva esfriavam a cacunda daquelas serras.
 A terrível notícia tinha se espalhado assaz, em todas as partes o povo fazia questão de obsequiar à gente, e falavam muito bem do falecido.
Mas nós passávamos, feito flecha, feito faca, feito fogo.


JOÃO GUIMARÃES ROSA
Grande Sertão: Veredas
(1956)

-

Juan Vicente Piqueras (Véspera de ficar)





VÍSPERA DE QUEDARSE



Todo está preparado: la maleta,
las camisas, los mapas, la fatua esperanza.

Me estoy quitando el polvo de los párpados.
Me he puesto en la solapa
la rosa de los vientos.

Todo está a punto: el mar, el aire, el atlas.

Sólo me falta el cuándo,
el adónde, un cuaderno de bitácora,
cartas de marear, vientos propicios,
valor y alguien que sepa
quererme como no me quiero yo.

El barco que no existe, la mirada,
los peligros, las manos del asombro,

todo está preparado: en serio, en vano.


Juan Vicente Piqueras




Está tudo pronto, a mala,
as camisas, os mapas, a fátua esperança.

Estou a tirar o pó das pestanas
e já pus na lapela a rosa dos ventos.

Está tudo, o mar, o vento, o atlas.

Falta só o quando,
o onde, um diário de bordo,
cartas de marear, ventos propícios,
coragem e alguém que saiba
querer-me como nem eu mesmo me quero.

O barco inexistente, o olhar,
os perigos, as mãos do assombro,
está tudo pronto: a sério, em vão.
  

(Trad. A.M.)

.

14.11.16

Manoel de Barros (Infantil)





INFANTIL




O menino ia no mato
E a onça comeu ele.
Depois o caminhão passou por dentro do corpo
do menino
E ele foi contar para a mãe.
A mãe disse: Mas se a onça comeu você, como é que
o caminhão passou por dentro do seu corpo?
É que o caminhão só passou renteando meu corpo
E eu desviei depressa.
Olha, mãe, eu só queria inventar uma poesia.
Eu não preciso de fazer razão.



MANOEL DE BARROS
Compêndio para uso dos pássaros
(Poesia reunida 1937-2004)
Quasi Edições, 2007


.

13.11.16

Juan Carlos Mestre (Assembleia)






ASAMBLEA



Queridos compañeros carpinteros y ebanistas,
les traigo el saludo solidario de los metafísicos,
también para nosotros la situación se ha hecho insostenible,
los afiliados se niegan a seguir pagando cuotas,
a partir de este momento la lírica no existe,
con el permiso de ustedes la poesía
ha decidido dar por terminadas sus funciones este invierno,
no lo tomen a mal,
pero aún quisiéramos pedirles una cosa,
mis viejos camaradas amigos de los árboles,
acuérdense de nosotros cuando canten La Internacional.


Juan Carlos Mestre




Caros companheiros carpinteiros e marceneiros
trago-vos aqui a saudação solidária dos metafísicos,
também para nós a situação se tornou insustentável,
os filiados recusam-se a pagar as quotas,
a partir de agora a lírica não existe,
a poesia, com vossa licença, resolveu
dar por findas as suas funções neste Inverno,
não leveis a mal,
mas ainda queríamos pedir-vos uma coisa,
meus velhos camaradas amigos das árvores,
lembrai-vos de nós quando cantardes A Internacional.

(Trad. A.M.)

.

12.11.16

João Guimarães Rosa (Assembleia)





Que visse o senhor os homens: o prospeito.
Aqueles muitos homens, completamente, os de cá e os de lá, cercando o oco em raia da roda, com as coronhas no chão, e as tantas caras, como sacudiam as cabeças, com os chapéus rebuçantes. (...)
Agora, advai que aquietavam, no estatuto.
Nanja, o senhor, nessa sossegação, que se fie!
O que fosse, eles podiam referver em imediatidade, o banguelê, num zunir: que vespassem. Estavam escutando sem entender, estavam ouvindo missa.
Um, por si, de nada não sabia; mas a montoeira deles, exata, soubesse tudo.
Estudei foi os chefes. (...)
Atual Zé Bebelo foi começando a conversar comprido, na taramelagem como de seu gosto – aí o Ricardão armou um bocejo; e Titão Passos se desacocorou, com a mão num ombro, que devia de ter algum machucado.
O Hermógenes fez beiço.
João Goanhá, aquele ar sonsado, quase de tolo, no grosso do semblante.
O Hermógenes botava pontas de olhar, some escuro, nuns visos.
Sô Candelário, ficado em pé, sacudia o moroso das pernas.



JOÃO GUIMARÃES ROSA
Grande Sertão: Veredas
(1956)

.

Josefa Parra (Mais razões para a escrita)





MÁS RAZONES PARA LA ESCRITURA




Que inmensa la tristeza de un cuerpo que has amado,
qué abandono tan cruel su peso entre las sábanas
señalando inequívoco las ausencias futuras:
la muerte, el desamor, la enfermedad, el tiempo.
Perfecto en su belleza de un instante. Inasible.
No hay modo
de retenerlo así. Ni las palabras
podrían suspender esa condena
de la fugacidad: escribe y calla.
Que un verso lo sostenga en el vacío,
que milagrosamente se eternice
cuanto vas a perder.
No es suficiente
que hayas amado mucho y hasta el fondo.
Antes de que la luz se apague, escribe.
Escribe, escribe,
simplemente escribe.


Josefa Parra




Que imensa tristeza a de um corpo que amaste,
que cruel abandono seu peso nos lençóis,
assinalando as ausências futuras,
a morte, o desamor, a doença, o tempo.
Perfeito em sua beleza de um instante. Intocável.
Não há meio
de retê-lo assim. Nem as palavras
poderiam suspender a sentença
da fugacidade, escreve e cala-te.
Que um verso o sustenha no vazio,
que milagrosamente se eternize
aquilo que vais perder.
Não basta
que tenhas amado muito e até ao fundo.
Antes de a luz se apagar, escreve.
Escreve, escreve,
simplesmente escreve.


(Trad. A.M.)

.

11.11.16

Luís Filipe Castro Mendes (Música calada)





                
MÚSICA CALADA



Dizias que nos sobram as palavras:
e era o lugar perfeito para as coisas
esse escuro vazio no teu olhar.

E demorava a dura paciência,
fruto do frio nas nossas mãos vazias
que mais coisas não tinham para dar.

Dizia então a dor o nosso gesto
e durava nas coisas mais antigas
a solidão sem rasto que há no mar.


LUÍS FILIPE CASTRO MENDES
Poesia Reunida (1985-1999)
Lisboa, Quetzal (1999)




10.11.16

Juan Gelman (Mulheres)





MULHERES



dizer que essa mulher era duas mulheres é muito pouco
devia haver nela para aí 12.397 mulheres
sendo difícil saber com quem se lidava no meio dessa multidão de mulheres
exemplo:

jazíamos num leito de amor
ela era uma aurora de algas fosforescentes
vou para abraçá-la e ela converte-se numa Singapura
cheia de cães a uivar

recordo quando apareceu envolta em rosas de agadir
parecia uma constelação na terra
parecia que o cruzeiro do sul tinha descido à terra
essa mulher brilhava como a lua de sua voz direita

como o sol a pôr-se na sua voz
estavam escritos nas rosas os nomes todos dessa mulher menos um
e quando ela se virou
a nuca dela era o plano económico
com milhares de números, além da balança de mortes a favor da ditadura militar
a gente nunca sabia onde essa mulher ia parar
e eu uma noite um pouco desconcertado
bati-lhe no ombro para ver quem era
e nos seus olhos desertos vi um camelo

às vezes
essa mulher era a banda de música da minha terra
tocava umas valsas até o trombone começar a desafinar
e os outros desafinavam com ele
essa mulher até a memória tinha desafinada

podia-se amá-la até ao delírio
fazer-lhe crescer dias do sexo tremente
fazê-la voar como passarinho de lençol
dia seguinte acordava a falar de malevich

a memória trabalhava-lhe como um relógio com raiva
às três da tarde lembrava-se da mula da infância
uma noite do ser melava muito essa mulher e
então devoraram-na os fantasmas nutridos pelos seus milhares de mulheres
passando uma banda desafinada
a raspar-se pelas sombras da pracita da minha terra

eu companheiros uma noite destas
em que a cara se nos empapa quase à beira de morrer
montei no camelito que me esperava nos seus olhos
e desandei das costas dessa mulher
calado como um menino perseguido por abutres
que tudo me comem menos o pensamento
de quando ela se dobrava como um ramo de doçura
e o arremessava à flor da tarde.


Juan Gelman


(Trad. A.M.)

.











9.11.16

João Guimarães Rosa (Sofrimento)





Vou reduzir o contar: o vão que os outros dias para mim foram, enquanto.
Desde que da rede levantei, com aquele peso anoitecido, amanhecido nos olhos.
Tempo de minha vazante.
A ver como veja: tem sofrimento legal padecido, e mordido e remordido sofrimento; assim do mesmo que tem roubo sucedido e roubo roubado.
Me entende? Dias que marquei: foram onze.
Certo que a guerra ia indo.
Demos um tiroteio mediano, uma escaramucinha e um meio-combate.


JOÃO GUIMARÃES ROSA
Grande Sertão: Veredas
(1956)

.

José María Cumbreño (Operações matemáticas)





OPERAÇÕES MATEMÁTICAS 




Um poema é o resultado de multiplicar o silêncio por si mesmo.


José María Cumbreño

 .

8.11.16

Luís de Camões (Tanto de meu estado)





Tanto de meu estado me acho incerto,
Que em vivo ardor tremendo estou de frio;
Sem causa, juntamente choro e rio;
O mundo todo abarco e nada aperto.

É tudo quanto sinto um desconcerto;
Da alma um fogo me sai, da vista um rio;
Agora espero, agora desconfio,
Agora desvario, agora acerto.

Estando em terra, chego ao Céu voando;
Nu~a hora acho mil anos, e é de jeito
Que em mil anos não posso achar u~a hora.

Se me pergunta alguém porque assim ando,
Respondo que não sei; porém suspeito
Que só porque vos vi, minha Senhora.


Luís de Camões

.


7.11.16

José Luis García Martín (Quão pouco)





Qué poco necesita el hombre
que no quiere nada más que vivir.
Y ese poco sobra esta mañana
en que tras la tormenta
brilla el sol sobre la nieve
y es tan hermoso el mundo
que morir y vivir
no parecen cosas diferentes.


JOSÉ LUIS GARCÍA MARTÍN
Presente continuo
Impronta, Gijón (2015)






Quão pouco precisa um homem
que não quer nada mais que viver.
E esse pouco sobra nesta manhã
em que após a tormenta
o sol brilha sobre a neve
e o mundo é tão lindo
que morrer e viver
não parecem coisas diferentes.


(Trad. A.M.)

.

6.11.16

João Guimarães Rosa (Coraçãoados)




Ou se fosse que algum perigo se produzia por ali, e eu colhia o aviso?
Não é que, com muitos, dose disso sucedesse?
Eu sabia, tinha ouvido falar: jagunços que pegam esse condão, adivinham o invento de qualquer sobrevir, por isso em boa hora escapam.
O Hermógenes. João Goanhá, mais do que todos, era atreito a esses palpites de fino ar, coraçãoados.
 Atual isso comigo?


JOÃO GUIMARÃES ROSA
Grande Sertão: Veredas
(1956)

.

José Emilio Pacheco (Vidas dos poetas)





VIDAS DE LOS POETAS



En la poesía no hay final feliz.
Los poetas acaban
viviendo su locura.
Y son descuartizados como reses
(sucedió con Darío).
O bien los apedrean y terminan
arrojándose al mar o con cristales
de cianuro en la boca.
O muertos de alcoholismo, drogadicción, miseria.
O lo que es peor: poetas oficiales,
amargos pobladores de un sarcófago
llamado Obras Completas.


José Emilio Pacheco

[Apología de la luz]




Na poesia não há final feliz.
Os poetas acabam
a viver a sua loucura.
E são esquartejados como reses
(aconteceu a Darío).
Ou então apedrejam-nos e terminam
a jogar-se ao mar ou com vidros
de cianeto na boca.
Ou mortos pelo álcool, droga ou miséria.
Ou pior ainda, poetas oficiais,
amargos moradores de um sarcófago
chamado Obras Completas.

(Trad. A.M.)

.

5.11.16

Louise Warren (Às vezes o presente)





Às vezes o presente tem presença a mais,
presente de mais.
Sente-se a luz a passar nos dedos,
as casas a encolher.
É preciso então orientar o tempo,
traçar um caminho,
azangar um fosso,
seguir uma formiga,
caminhar só.


Louise Warren

(Trad. A.M.)

.

4.11.16

José Ángel Valente (Não inutilmente)





NO INÚTILMENTE




Contemplo yo a mi vez la diferencia
entre el hombre y su sueño de más vida,
la solidez gremial de la injusticia,
la candidez azul de las palabras.

No hemos llegado lejos, pues con razón me dices
que no son suficientes las palabras
para hacernos más libres.

Te respondo
que todavía no sabemos
hasta cuándo o hasta dónde
puede llegar una palabra.
Quién la recogerá ni de qué boca
con suficiente fe
para darle su forma verdadera.

Haber llevado el fuego un solo instante
razón nos da de la esperanza.

Pues más allá de nuestro sueño
las palabras, que no nos pertenecen,
se asocian como nubes
que un día el viento precipita
sobre la tierra
para cambiar, no inútilmente, el mundo.


José Ángel Valente

[El alma disponible]




Contemplo, agora eu, a diferença que há
entre o homem e seu sonho de mais vida,
a solidez comum da injustiça,
a candura azul das palavras.

Não fomos longe, pois com razão me dizes
que não bastam as palavras
para nos fazerem mais livres.

Respondo-te
que não sabemos ainda
até onde e quando
pode chegar a palavra.
Quem a tomará e de que boca
com fé bastante para lhe dar
a sua forma verdadeira.

Manter o fogo um só instante
dá-nos razão da esperança.

Pois para lá do nosso sonho
as palavras, que não nos pertencem,
ajuntam-se como nuvens
que o vento um dia precipita
sobre a terra
para mudar, não inutilmente, o mundo.


(Trad. A.M.)

.

3.11.16

João Guimarães Rosa (Em pardo)





Digo ao senhor: nem em Diadorim mesmo eu não firmava o pensar.
Naqueles dias, então, eu não gostava dele?
Em pardo. Gostava e não gostava.
 Sei, sei que, no meu, eu gostava, permanecente.
 Mas a natureza da gente é muito segundas-e-sábados.
Tem dia e tem noite, versáveis, em amizade de amor.


JOÃO GUIMARÃES ROSA
Grande Sertão: Veredas
(1956)

.

José Alcaraz (Volta a casa)





VUELTA A CASA



Atraviesa las calles
ensimismado en ecos de la gente,
distante incluso de sus pensamientos.
No llueve, no despliega su paraguas,
pero a él, como siempre, se le mojan
no solo los zapatos
sino también la vida porque a veces
no recuerda que el mundo lo reclama.
Camina como quien no sabe adónde,
a cada paso cree que está solo
y más lejos del resto de personas,
así que llega tarde a sus palabras
y cuando las pronuncia ya no hay nadie
esperando. Después
nuevamente el camino de regreso,
las calles, la tristeza. Y nada más,
salvo su casa, y él,
delante de un espejo,
mirándome a los ojos.


José Alcaraz




Atravessa as ruas
mergulhado nos ecos da gente,
distante até de seus pensamentos.
Não chove, não abre o chapéu,
mas, como sempre, molha
não só os sapatos
como a vida também, porque às vezes
nem lembra que o mundo o reclama.
Caminha sem saber para onde,
a cada passo julga estar só
e mais longe das outras pessoas,
por isso demora a chegar às palavras,
quando as pronuncia não há já ninguém
à espera. Depois
novamente o caminho de volta,
as ruas, a tristeza. E nada mais,
salvo a casa, e ele,
diante do espelho,
a olhar-me nos olhos.

(Trad. A.M.)

.

2.11.16

Louise Glück (Neve primaveril)





SPRING SNOW



Look at the night sky:
I have two selves, two kinds of power.

I am here with you, at the window,
watching you react. Yesterday
the moon rose over moist earth in the lower garden.
Now the earth glitters like the moon,
like dead matter crusted with light.

You can close your eyes now.
I have heard your cries, and cries before yours,
and the demand behind them.
I have shown you what you want:
not belief, but capitulation
to authority, which depends on violence.


Louise Glück




Olha para o céu,
eu tenho dois eus em mim, duas espécies de energia.

Estou aqui contigo, à janela,
a ver como reages. Ontem,
a lua ergueu-se sobre a terra molhada do jardim.
Hoje a terra brilha tal como a lua,
matéria morta cosida com luz.

Podes fechar os olhos agora,
que eu ouvi o teu pranto, e o outro anterior,
e a prece por trás de ambos.
Mostrei-te aquilo que pretendias,
não a crença, mas a submissão
à autoridade, que assenta na violência.


(Trad. A.M.)

.

1.11.16

Jorge M. Molinero (Palavras para Julieta-III)





PALABRAS PARA JULIETA (III)



tropieza
con un hipopótamo de plástico
tropieza
con jirafas, pelotas, peluches,
puzzles, pianos, xilofones, tambores

tropieza y se cae y se levanta y
tropieza
con legos, marionetas, cajas, caballos

no está mal
que aprenda tan pronto
a dejar las excusas a un lado
a no echar la culpa al mundo

saber que siempre
son las cosas que no dejamos
en su sitio
las que nos hacen tropezar


Jorge M. Molinero

[Electricidad con ictericia]




tropeça
com um hipopótamo de plástico
tropeça
com girafas, bolas, peluches,
puzzles, pianos, xilofones, tambores

tropeça e cai e levanta-se
tropeça
com legos, marionetas, caixas, cavalos

não está mal
que aprenda tão depressa
a pôr as desculpas de lado
a não deitar a culpa ao mundo

saber que são
sempre as coisas que não deixamos
no lugar
aquelas que nos fazem tropeçar


(Trad. A.M.)