31.7.15

Ruy Belo (Um dia não muito longe)





UM DIA NÃO MUITO LONGE NÃO MUITO PERTO



Às vezes sabes sinto-me farto
por tudo isto ser sempre assim
Um dia não muito longe não muito perto
um dia muito normal um dia quotidiano
um dia não é que eu pareça lá muito hirto
entrarás no quarto e chamarás por mim
e digo-te já que tenho pena de não responder
de não sair do meu ar vagamente absorto
farei um esforço parece mas nada a fazer
hás-de dizer que pareço morto
que disparate dizias tu que houve um surto
não sabes de quê não muito perto
e eu sem nada pra te dizer
um pouco farto não muito hirto e vagamente absorto
não muito perto desse tal surto
queres tu ver que hei-de estar morto?


Ruy Belo

[Antologia do esquecimento]

.



30.7.15

José María Parreño (Há momentos)





Hay momentos en que nos quedamos ausentes
a mitad de una caricia,
un paso,
en medio de una línea de lectura sosegada,
con la mente como un charco de agua que se escurre.
Es que alguien nos recuerda con tal fuerza
que nos arranca un poco la conciencia.

Tal vez el sueño y la muerte
sean recuerdos aún más fuertes
de Otro.


José María Parreño



Há momentos em que nos quedamos ausentes
a meio de uma carícia,
um passo,
no meio de uma linha de leitura sossegada,
com a mente como um charco de água corrente.
É alguém que nos recorda com tal força
que nos arranca um pouco a consciência.

O sono e a morte
talvez sejam recordações de Outro
mais fortes ainda.

(Trad. A.M.)

.

29.7.15

José Cardoso Pires (Ultramar)





Maria:

Fazes tu senão bem, disse-lhe.

Vais para a tua guerra, vais defender o que é teu, e então?

Tomaram muitas, fica sabendo.

Antes a batalha conjugal do que a caça aos pretos por conta de outrem.

A sério, pazinha.

A batalha conjugal, além de ser cristã, é muito peitoral e anima os engenhos.

Isto porque lá por aquelas bandas o clima parece que também ajuda, como referi.

Ou, por outra, como referem às baronesas do Movimento Nacional Feminino.

As baronesas do Feminino é que têm dado para lá aos movimentos como umas danadas, e com discursos heróicos pela entrecocha, vê só a dificuldade. (p.254)



JOSÉ CARDOSO PIRES
Alexandra Alpha
(1987)

.

Batania (Para não se rir de mim)





PARA QUE NO SE RÍA DE MI



En diecisiete años me dio tiempo
a dedicarle muchos poemas,
pero nunca le escribí ninguno
con la palabra “aurora”.
Ya me entendéis.
Para que no se riera de mí. Para
que no me tomara por un poeta.

Decidí ocultarle
mis ojos pequeños de frío, los grados celsius
de mi tindaya, hasta qué siempres
me había clavado a ella.

Me prohibí decirle “te amo” más de tres veces al día.
Me obligué a tratarla con dureza.
Y empecé a escribirle poemas
distintos a los que había escrito.
Poemas que no parecían poemas
para una mujer que no parecía
una mujer.

Ahora que se ha ido
y bebo despacio
del agua dudosa de mi garganta,
he vuelto a escribir poemas
que parecen poemas. Poemas
de auroras y ocasos y melancolías.
Pero no voy a publicarlos.

Ya me entendéis.
Para que no se ría de mí. Para
que no me desprecie.

Para que no me tome por un poeta.


Batania

[Fragments de vida]



Em dezassete anos deu-me tempo
para dedicar-lhe muitos poemas,
mas nunca meti em nenhum
a palavra 'aurora'.
Estais a ver,
para que não se risse de mim. Para
que não me tomasse por poeta.

Decidi ocultar-lhe
os meus olhos pequenos de frio, os graus celsius
da minha ‘tindaya’, até que sempres
me tinha cravado nela.

Proibi-me dizer-lhe 'te amo' mais de três vezes ao dia.
Obriguei-me a tratá-la com dureza.
E comecei a escrever-lhe poemas
diferentes dos que já tinha escrito.
Poemas que não pareciam poemas
para uma mulher que não parecia
uma mulher.

Agora que se foi embora
e eu bebo devagar
da água duvidosa da minha garganta,
voltei a escrever poemas. Poemas
que parecem poemas,
de auroras e ocasos e melancolias.
Mas não vou publicar.

Estais a ver,
para que não se ria de mim. Para
que não me despreze.

Para que não me tome por poeta.

(Trad. A.M.)

.

28.7.15

Gonçalo M. Tavares (O amor)





O AMOR



Se chovesse (sempre) trezentos e sessenta e cinco dias por ano,
e as nuvens no céu se repetissem na cor,
na forma, na velocidade, e na lentidão;
e se o sol permanecesse robusto e alto, constante
como o último andar de um edifício (bem construído),
de calor assim assim mas repetindo assim assim
de calor da véspera;
se o mau e o bom tempo fossem uma linha única,
paralela aos dias; se o verão e o inverno
em vez de dois fossem um,
como uma pedra é um, e uma árvore é um,
se, enfim, quem amas permanecesse amado por ti,
hoje exactamente como ontem,
e daqui a trinta anos exactamente como hoje;
então não existiria o tempo,
e os relógios de pulso seriam pulseiras ruidosas,
mecânicas de mais para estarem tão próximas da mão
capaz de tocar com leveza.
E se não há tempo
não podemos trair.


Gonçalo M. Tavares

[Troca de olhares]

.

27.7.15

José María Fonollosa (Bedford Street)





BEDFORD STREET



Ella me dio el cuchillo y dijo: «Clávalo
en el segundo espacio intercostal».

«¿Cuál es?», le pregunté. Se abrió la blusa
y señaló, risueña, un punto: «Aquí».

Algo debía de haber en aquel viaje
que lo hizo diferente. Más intenso.

Se veían más cosas. Ascendíamos
a inéditos sonidos y colores.

No había confusión. Hasta el detalle
más ínfimo nos era comprensible.

Sugerí: «¿Por qué no con barbitúricos?»
«Es lento», me objetó. «Ya lo he probado.

Y el lavado de estómago es horrible.
Como un trauma mental, pero en lo físico»

Sustituí su dedo por el mío
y apoyé allí el cuchillo suavemente.

Y lo empujé de súbito. No fuera
que cambiara de idea si iba lento.


José María Fonollosa



Ela deu-me o punhal, dizendo: “Espeta aí,
no segundo espaço intercostal”.

“Onde?”, perguntei. Abriu a blusa
e assinalou, risonha, um ponto: “Aqui”.

Algo devia haver nessa viagem
que a fez diferente. Mais intensa.

Viam-se mais coisas. Ascendíamos
a inéditos sons e cores.

Não havia engano. Até o detalhe
mais ínfimo nos era compreensível.

Sugeri: “Porque não com barbitúricos?”
“É lento”, objectou-me. “Já experimentei.

E é horrível a lavagem do estômago.
Como um trauma mental, mas no físico”.

Substituí o dedo dela pelo meu
e apoiei o punhal aí, suavemente.

E carreguei-lhe, de repente. Não fosse
ela mudar de ideia, entretanto.

(Trad. A.M.)

.

26.7.15

José Cardoso Pires (Opus Night-8)





'Vade retro, seu merdas', bradou-lhe a sábia inocente.

E qual avezinha temerosa voou solerte para o banheiro deixando o predador em atónita confusão.

(Estás a ver, a gaja agora já não era freira nem travesti nem coisa nenhuma, explicaria Sebastião Opus Night a um amigo de bar.

Desta vez vinha disfarçada de virgenzinha para me aplicar o castigo da nega, deixando-me de porra no ar e fugindo para o duche) donde regressou, enrolada num lençol de banho, com cara de enojadíssima.

Não o olhou, não disse palavra.

Vestiu-se e perfumou-se nas calmas, como se o Opus não existisse.

Viu as horas, viu a agenda, viu-se a ela com lentidão, e quando se foi embora disse-lhe adeus com as chaves do carro:

'Tenha paciência, mas o mano ao fazer desta tresmalhou. Passe bem.'

E fechou a porta.

Opus Night respondeu-lhe com um peido que abalou o prédio de alto a baixo.

Parece impossível!, berrou, num salto, o vizinho do andar de cima. (p.253)



JOSÉ CARDOSO PIRES
Alexandra Alpha
(1987)

.

Ángel Guinda (Passa a vida)

 




PASA LA VIDA



Suelo, al atardecer, salir de casa
a tomar unos vinos, económicos
como un paseo, en tabernas domésticas
donde se habla, con familiaridad,
de fútbol, de política,
del hijo mayor que no encuentra trabajo,
del pequeño que no quiere estudiar,
de unas cortas vacaciones en el pueblo,
de enfermedades, de las rarezas del abuelo,
de un cambio de neumáticos
o del último atentado terrorista.
Estéril, el tiempo sigue, indiferente, su camino,
mientras miro,
apostado en la barra, a través del cristal,
pasar la vida,
en medio de un laberinto
de coches mal aparcados
y luces de neón
– y yo paso también, sin darme cuenta.

Ángel Guinda



Costumo sair ao fim da tarde,
para beber uns copos, económicos
como um passeio, em tabernas caseiras
onde se fala, familiarmente,
de futebol, de política,
do filho mais velho que não encontra trabalho,
do outro que não quer estudar,
de umas férias curtas no campo,
de doenças, das esquisitices do avô,
de uma mudança de pneus
ou do último atentado terrorista.
Estéril, o tempo segue o seu caminho,
indiferente, enquanto eu olho pelo vidro,
encostado ao balcão,
a ver a vida passar,
pelo meio de um labirinto
de carros mal estacionados
e luzes de neón
- e eu passo também, sem dar conta.

(Trad. A.M.)

.

25.7.15

Ana Blandiana (Para além de mim)





PARA ALÉM DE MIM



Não existe para além de mim, a dor,
está encerrada nos confins do meu corpo,
um íman que a absorveu do mundo.
Privatizei a dor, dir-se-ia,
e agora, à minha volta, há um vazio luminoso,
uma como auréola impermeável
isolando o tumor
de que sei apenas que sou eu mesma.
Mas tão pouco sei nada sobre mim.


Ana Blandiana

(Trad. A.M.)

.

24.7.15

Juan Manuel Roca (Arte do tempo)





ARTE DO TEMPO



O tempo permanece
apanhado entre os livros.
Por este prodígio de apreensão,
Heráclito continua a banhar-se
no mesmo rio,
na mesma página.
Tu continuarás para sempre
nua no meu poema.


Juan Manuel Roca

(Trad. Nuno Júdice)


[Poema possivel]

.

23.7.15

José Cardoso Pires (Opus Night-7)





Pois é.

Alexandra e Opus Night os dois agora sozinhos diante dos copos.

A orquestra mecânica, um preto articulado a coçaram banjo na barriga.

'Pois é', repetiu ela.

'Já vi que o mano não é de bailar e eu por acaso nem por isso'.

Pois é. Pois era.

Ela e o marquês de olhar nocturno.

'E quanto a conversa?', perguntou, 'Aprecia ou faz jejum?'

Sebastião Opus Night sorria, manso.

'Não sei se sabe que vai por aí uma grande carestia', tornou Alexandra.

'Pois. É verdade.
'Uma grande carestia.
'Costuma-se a dizer que mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, compreende-me, não é assim?
'Claro, eu sei que me compreende.

'Olhe, mano, eu se não fosse assim tão deseducada tinha mas era ido para psicóloga, que hoje em dia é onde está o futuro.'

Opus Night: 'Se as mulheres tivessem alma, Deus aparecia sem barbas'.

Alexandra: 'Olá? Confesso que não percebi. Pelo que estou a ver o mano é de sabedorias'.

Opus Night: 'Muito. De mulheres e de bebida cada qual sua medida. Gostou?'

Alexandra: 'Imenso. O pior, sabe, é que elas não matam mas moem'. (p.248)



JOSÉ CARDOSO PIRES
Alexandra Alpha
(1987)

.

Ángel González (Esperança)





ESPERANZA



Esperanza,
araña negra del atardecer.
Te paras
no lejos de mi cuerpo
abandonado, andas
en torno a mí,
tejiendo, rápida,
inconsistentes hilos invisibles,
te acercas, obstinada,
y me acaricias casi con tu sombra
pesada
y leve a un tiempo.

Agazapada
bajo las piedras y las horas,
esperaste, paciente, la llegada
de esta tarde
en la que nada
es ya posible...
Mi corazón:
tu nido.
Muerde en él, esperanza.


Ángel González

[Apología de la luz]



Esperança,
aranha negra do entardecer.
Paras
não longe de meu corpo
abandonado andas
à minha volta
tecendo rápida
inconsistentes fios invisíveis,
acercas-te, obstinada,
e quase me acaricias com tua sombra
pesada
e leve a um tempo.

Acaçapada
debaixo das pedras e das horas,
esperaste paciente a vinda
desta tarde
em que nada
é já possível...
Meu coração,
teu ninho.
Ferra aí, esperança.

(Trad. A.M.)

.

22.7.15

Raul de Carvalho (Todas as horas)





TODAS AS HORAS



Todas as horas, todos os minutos,
são para mim a véspera da partida.

Preparo-me para a morte, como quem
se prepara para a vida.

Em qualquer parte eu disse que a Beleza
não nasce só mas sim acompanhada.

Não são palavras minhas as que eu digo.
A minha boca pertence aos que me amam.

Mudos e sós.
À nossa volta todos os amantes
sentir-se-ão tranquilos.
Um coração puro
é como o Sol:
Brilha todos os dias.


Raul de Carvalho

.

21.7.15

Ana Pérez Cañamares (Como ganhar uma guerra perdida)





CÓMO GANAR UNA GUERRA PERDIDA



Uno. Excavar trincheras
con palas, lápices y saxofones.
De las grietas, hacer cicatrices hondas.

Dos. No llevar uniformes.
Cada cual adoptará el disfraz
que menos le ofenda.

Tres. No distinguir noche y día.
Permitir la soledad a quien la elija.
Adoptar perros y recién llegados.

Cuatro. Celebrar una fiesta
por cada trinchera. Llegará el enemigo
y no entenderá nuestro lenguaje.

Les será imposible la conquista:
ellos no aman a los perros mestizos
ni arrancan orgasmos a las palabras.
Perderemos la guerra de las mayúsculas
pero la vida está de nuestra parte:
lloramos y celebramos la brizna.


Ana Pérez Cañamares

[Voces del extremo]




Um. Cavar trincheiras
com pás, lápis e saxofones.
Das fendas, fazer cicatrizes profundas.

Dois. Não usar uniformes.
Cada um adoptará o disfarce
que menos o ofender.

Três. Não distinguir noite e dia.
Permitir a solidão a quem a escolher.
Adoptar os cães e os recém-chegados.

Quatro. Fazer uma festa
por cada trincheira. O inimigo virá
e não entenderá a nossa linguagem.

A conquista vai-lhes ser impossível,
já que não amam os cães rafeiros
nem arrancam orgasmos às palavras.
Perderemos a guerra com maiúsculas
mas a vida está do nosso lado:
choramos e celebramos a brisa.

(Trad. A.M.)

.

20.7.15

José Cardoso Pires (Opus Night-6)





'Uma noite estuporada, aquela', confessou Alexandra no dia seguinte, ao gravador. 'Eu, para dizer a verdade, só faltou que me aparecesse o Afonsinho.

Palavra.

E daí, mil vezes o Afonsinho do que aquele selvagem das ressacas que me ensaboou toda a noite com anexins, o realíssimo camelo.

Com o Afonsinho ainda enfim.

Com o Afonsinho a falar da Madame Toussaud e das Bonecas Autómatas de Barcelona ainda vá que não vá.

Agora aquele visigodo que o Nuno trouxe pela trela, puta que o pariu.

Coirão do gajinho armado em divino marquês, não queriam lá ver? (p.244)



JOSÉ CARDOSO PIRES
Alexandra Alpha
(1987)

.

Amalia Bautista (Outra porta giratória)





OTRA PUERTA GIRATORIA



Resulta que la vida no era solo empujar,
ni un juego de dudosos espejismos.
No había que perderse dando vueltas
en una puerta giratoria,
ni desconfiar de todos los reflejos,
ni creer cualquier cosa sólo porque
la imagen parecía verdadera.
Había que encontrar el punto justo
donde azar y destino son lo mismo,
el exacto momento en que la puerta
giratoria te ofrece una salida.

Amalia Bautista



Temos que a vida não era só empurrar,
nem um jogo de miragens duvidosas.
Não era perder-nos, às voltas
numa porta giratória,
nem desconfiar de todos os reflexos,
nem crer qualquer coisa só porque
a imagem parecia verdadeira.
Havia que encontrar o ponto justo
onde acaso e destino são o mesmo,
o momento exacto em que a porta
giratória nos oferece uma saída.

(Trad. A.M.)

.

19.7.15

Jorge de Sena (Tentações do Apocalipse)





TENTAÇÕES DO APOCALIPSE



Não é de poesia que precisa o mundo.
Aliás, nunca precisou. Foi sempre
uma excrescência escandalosa que
se lhe dissesse como é infame a vida
que não vivamos para outrem nele.
E nunca, só de ser, disse a poesia
uma outra coisa, ainda quando finge
que de sobreviver se faz a vida.
O mundo precisa de morte. Não da morte
com que assassina diariamente quantos teimam
em dizer-lhe da grandeza de estar vivo.
Nem da morte que o mata pouco a pouco,
e de que todos se livram no enterro dos outros.
Mas sim da morte que o mate como um percevejo,
uma pulga, um piolho, uma barata, um rato.
Ou que a bomba venha para estas culpas,
se foi para isso que fizemos filhos.
Há que fazer voltar à massa primitiva
esta imundície. E que, na torpitude
de existir-se, ao menos possa haver
as alegrias ingénuas de todo o recomeço.
Que os sóis desabem. Que as estrelas morram.
Que tudo recomece desde quando a luz
não fora ainda separada às trevas
do espaço sem matéria. Nem havia um espírito
flanando ocioso sobre as águas quietas,
que pudesse mentir-se olhando a criação.
(O mais seguro, porém, é não recomeçar.)


Jorge de Sena

[Canal de poesia]

.

18.7.15

Alfredo Buxán (As palavras)

 




AS PALAVRAS-CHAVE



Não sei já que dizer das palavras
senão que entristecem quando o sangue
irrompe na garganta ou o ódio
impõe sua desmesura e tudo destrói,
que seu pranto me dói quando a chuva insiste,
que não servem muitas vezes,
que quase todas guardam um segredo
ou uma gota de mel
na cela inacessível das consoantes.
Entre todas uma me deixa perplexo:
a palavra silêncio,
aquela que às vezes não passa de um gesto,
um verso à deriva, uma canção
dormente.
Ando com um candil
pelo bosque infinito de palavras,
apoiado no meu bastão de incerteza,
quase sempre desperto e sem perder o rasto
que me assinalam as vogais, quais estrelas fugazes
a meio da noite, ansioso por encontrar
minha voz na penumbra, a sílaba perdida
que persigo no sonho.


ALFREDO BUXÁN
Las Palabras Perdidas
(Poesía 1989-2008)
Bartleby Editores (2011)

(Trad. A.M.)


.

17.7.15

José Cardoso Pires (Opus Night-5)





A vez em que Alexandra conheceu Opus Night foi num whisky à noitinha e chovia que não era brincadeira.

Apanhado pelo aguaceiro e, para mais, em maré de ressaca, Sebastião Manuel Opus Night perdeu as referências e veio encalhar no bar Crocodilo, várias milhas a leste dos abrigos que lhe eram habituais.

Parece, não teve bem a certeza, que pelo caminho viu passar o corpo do padre Miguel a boiar na enxurrada.

As condições de visibilidade não eram as melhores porque o Opus Night ainda vinha estremunhado dos lençóis da véspera, apesar da hora tardia.

No bar meteu bebida fresca ao balcão, e depois esperou.

Procurava reconhecer aquela nau pela figura de proa que estava à vista, um crocodilo em prata fosca, ia jurar; ou de aço, ou nem uma coisa nem outra, se calhar não passava de um pedaço de lata polida a fazer de demónio tutelar.

Estava nisto, quando entrou o Nuno que de certo modo era da casa e vinha ali, disse ele, para se encontrar com duas amigas.

Fazes bem, felicitou-o o Opus, a chuva e orvalho amansam a andorinha e arrebitam o mangalho. (p.241)



JOSÉ CARDOSO PIRES
Alexandra Alpha
(1987)

.

Alfonso Brezmes (Ida e volta)





IDA Y VUELTA



En todo abismo hay una herida,
igual que en toda herida
hay un abismo muy antiguo,
porque en el abismo habita
la incertidumbre de lo abierto,
y en la herida asoma incierta
la tentación del no volver.

Sangrar entonces
es la medida del abismo.

Alimentar la herida para averiguar
lo que mira desde dentro;
escribir para vislumbrar el abismo
que sangra fuera de ti.

Alfonso Brezmes



Em todo o abismo há uma ferida,
tal como em toda a ferida
há um abismo antigo,
pois nesse abismo mora
a incerteza do aberto,
e na ferida assoma incerta
a tentação do não retorno.

Sangrar então
é a medida do abismo.

Alimentar a ferida para averiguar
o que te olha de lá de dentro;
escrever para vislumbrar o abismo
que sangra fora de ti.

(Trad. A.M.)

.

16.7.15

Gil Vicente (Muy graciosa es la doncella)





Muy graciosa es la doncella,
¡cómo es bella y hermosa!

Digas tú, el marinero
que en las naves vivías,
si la nave o la vela o la estrella
es tan bella.

Digas tú, el caballero
que las armas vestías,
si el caballo o las armas o la guerra
es tan bella.

Digas tú, el pastorcico
que el ganadico guardas,
si el ganado o los valles o la sierra
es tan bella.


Gil Vicente

[Un poema cada dia]

.

15.7.15

Laura Casielles (Oferenda)





OFRENDA



Toma, este es mi cuerpo.
Ha vivido tempestades y lleva dentro animales pequeños
que por su nombre podrían ser dinosaurios.
Toma, este es mi cuerpo,
te estaba esperando,
cada mañana lo perfumo y a menudo
no me deja dormir,
si te fijas bien verás que en los recodos
tiene la forma de tus manos.

Toma, este es mi brazo, tuyo,
este es mi labio,
tuyo,
este es mi cuerpo y enseguida
piel,
entrañas,
tuyo,
se va a poner a llorar de amor,
naranjas, viento,

toma,
este es mi cuerpo,
te estaba esperando,

a veces no estás y no es nada,

a veces cuerpo,

a veces voz.


LAURA CASIELLES
Los idiomas comunes
(2010)

[Un poema cada dia]




Toma, este é o meu corpo,
viveu tempestades e tem por dentro bichos pequenos
que pelo nome podiam ser dinossauros.
Toma, este é o meu corpo,
estava-te esperando,
cada manhã o perfumo e amiúde
nem me deixa dormir,
se reparares verás que nas curvas
tem a forma das tuas mãos.

Toma, este o meu braço, teu,
este o meu lábio,
teu,
este é o meu corpo e depois
pele,
entranhas,
teu,
vai pôr-se a chorar de amor,
laranjas, vento,

toma,
este é o meu corpo,
estava-te esperando,

às vezes não estás e não é nada,

às vezes corpo,

às vezes voz.


(Trad. A.M.)

.

14.7.15

José Cardoso Pires (Doutorzinho-2)





Compraram sanduíches e vinho num supermercado, sugestão de Alexandra, e seguiram, rumo ao norte, adeus Algarve, que em campos me quero ver.

Campos largos, solidões.

Já no coração do Alentejo, passaram por uma torre de relógio encimada por uma cegonha de sentinela ao ninho.

Um relógio coxo, sem um ponteiro, e um ninho enorme mas vazio; o tempo ali tinha parado de repente e a cegonha era uma retardatária enganada.

Enfrentava a planície, muito só e muito solene, e o dia declinava à volta dela.

Pouco depois, quando o austin-mini de Alexandra chegou a uma certa pousada à beira de uma barragem, era sol-posto e as águas estavam cobertas de murmúrios de aves. (p.232)



JOSÉ CARDOSO PIRES
Alexandra Alpha
(1987)

.

Martha Asunción Alonso (Excusatio non petita)





EXCUSATIO NON PETITA...



Dicen que la distancia hace el olvido.
Yo te digo: perdón.
Por llenarte la cama de papeles,
no saber combatirme de otra forma.
Por todos los kilómetros sin música,
de morros, los pies fríos, invierno sin planchar.
Perdóname también por las lentejas,
esta fobia a la sangre y las arañas y
la lejía y los ambulatorios.
Porque solté tu mano al desmayarme.
Nunca quise: perdón.
Perdón por espiarte los mensajes del móvil,
fisgar en tus bolsillos y cajones;
porque rompí una foto de tu exnovia.
Por los escaparates y las cursiladas y
el VIPS y los portazos. Perdóname.
Y perdona, también, a mi dentista: en el fondo,
es su culpa. Perdónanos si no supe morder bien.

Martha Asunción Alonso




Dizem que a distância traz o esquecimento.
Eu quero é pedir-te perdão.
Por te encher a cama de papéis,
por não saber lutar de outra forma,
por todos os quilómetros sem música,
de trombas, os pés frios,
o inverno sem passar a ferro.
Perdoa-me também as lentilhas,
esta fobia do sangue e das aranhas,
da distância e também de hospitais.
Porque te larguei a mão ao desmaiar.
Perdão, foi sem querer,
perdão por te espiar as mensagens do telefone,
por te remexer nos bolsos e gavetões,
por te rasgar a foto da ex-noiva.
Pelos armários, pelas pretensões e mau gosto,
pelas portas arremessadas. Perdoa-me.
E perdoa também ao meu dentista, no fundo
a culpa é dele. Perdoa-nos a ambos
se eu não te soube morder bem.

(Trad. A.M.)

.

13.7.15

Mario Quintana (A carta)





A CARTA



Hoje encontrei dentro de um livro uma velha carta amarelecida,
Rasguei-a sem procurar ao menos saber de quem seria…
Eu tenho um medo
Horrível
A essas marés montantes do passado,
Com suas quilhas afundadas, com
Meus sucessivos cadáveres amarrados aos mastros e gáveas…
Ai de mim,
Ai de ti, ó velho mar profundo,
Eu venho sempre à tona de todos os naufrágios!


Mario Quintana

.

12.7.15

José Luis Zuñiga (Vida de herói)





VIDA DE UN HÉROE



Tengo sesenta años bien cumplidos
y estoy lleno de nada pero vivo
y por vivir estoy lleno de todo,
de penas lleno,
de alegrías, de vértebras cosidas,
de guerras asesinos piratas malnacidos
cenicientos andrógenos endógenos
profetas.

Tengo sesenta años
y no sé cuánto falta para escribir mi esquela,
para escribir mi infancia,
para escribirme todos los silencios,
para decirme en ella con voz estropajosa,
para decirme en ellos con vosotros.

Tengo sesenta años
y ahora quiero dormir entre caricias
que se fueron perdiendo,
y ahora quiero decir que no tuve la culpa
de lo que está pasando,
que no tengo la culpa de lo que está pasando,
que mi fracaso es mío y no tengo la culpa,
ni pajolera idea de por qué está pasando
lo que pasa y me siento culpable.

Tengo sesenta años,
me llamo no sé cómo y estoy lleno de todo,
tan vacío. Pero me siento heroico:
mi vida se ha cumplido,
me la vivieron otros a destiempo
y me la muero yo. Vida de un héroe.


José Luis Zúñiga

[Escrito en el viento]




Tenho sessenta anos bem cumpridos
e estou cheio de nada mas vivo
e por viver estou cheio de tudo,
de penas cheio,
de alegrias, de vértebras cosidas,
de guerras assassinos piratas mal nascidos
cinzentos andróginos endógenos profetas.

Tenho sessenta anos
e não sei quanto falta para escrever a minha morte,
para escrever minha infância
e todos os silêncios,
para dizer-me nela com voz andrajosa
e neles me dizer perante vós.

Tenho sessenta anos
e agora quero dormir entre carícias
que se foram perdendo,
e dizer que não tive a culpa
do que está a acontecer,
nem tenho a culpa do que está a acontecer,
que o meu fracasso é meu e não tenho a culpa,
nem ideia sequer de por que é que acontece
o que está a acontecer,
nem me sinto culpado.

Tenho sessenta anos,
chamo-me não sei como e estou cheio de tudo,
tão vazio. Mas sinto-me heróico,
minha vida cumpriu-se,
viveram-na outros a destempo
e morro-a eu. Vida de herói.


(Trad. A.M.)

.

11.7.15

José Cardoso Pires (Vacanças)





A dois passos dela, na mesa em festa, os vacanças cresciam de espuma e de tom.

Carregavam as canecas e discutiam casos de trabalho e do fazer pela vida.

Um deles declarou que estava há sete meses na retrete.

Na retrete?

Reforma, queria ele dizer.

Há sete meses na reforma com todos os abonamentos que manda a lei, c’était pas mal quand même, mas para chegar aí o homem tinha dois dedos decepados e mostrava-os como um troféu.

Alexandra fazia os possíveis para não olhar, mas não resistia, La retraite est l’opium du bureaucrate era o que lhe apetecia dizer no meio daquela confraternização de cerveja.

‘Trabalhei batimentos onze anos, ah, bom, é preciso ver, e a patroa ainda continua a fazer ménages e birôs’, proclamava o emigrante dos dedos mutilados. (p.214)



JOSÉ CARDOSO PIRES
Alexandra Alpha
(1987)

.

José Luis Hidalgo (A sombra desnuda)





LA SOMBRA DESNUDA



Estás aquí tan desnuda
que no te conoce nadie.
Hoy, no.
Ahora no te pregunto nada.
Tu cuerpo es larga respuesta
a quien quiera preguntarte.
Te has puesto un disfraz de acero
quitándote los vestidos.
Has creado mil murallas
alrededor de tu sangre.
Pero no.
Hoy no te pregunto nada.


José Luis Hidalgo




Estás aqui tão desnuda
que ninguém sequer te conhece.
Hoje, não.
Não te pergunto nada agora.
Teu corpo é longa resposta
para quem te interrogar.
Puseste uma máscara de aço
depois de tirar os vestidos.
Ergueste mil muralhas
em volta de teu sangue.
Mas não.
Hoje não te pergunto nada.

(Trad. A.M.)

.

10.7.15

Dinis Moura (Atestado médico)





ATESTADO MÉDICO



Cursei medicina, aprofundei a anatomia,
especializei-me em fisiologia.
Depois, meu adorado organismo
composto de devaneios de primavera, conheci-te.
Deslumbrou-se o meu encéfalo,
o meu sistema endócrino desregulou-se de todo.
Resultado: tu bem sabes:
apaixonei-me por ti, desmedidamente,
O que mostra perfeitamente a medida
daquilo que me é impossível medir.
Só para teres uma ideia, a admirável pigmentação
das tuas íris de tal modo contaminou as minhas,
que durante cinco dias tudo, tudo em meu redor
ganhou tons de pôr de sol outonal.
Um daltonismo esplêndido.
Entretanto o meu coração, órgão vital
com as suas duas válvulas, os seus dois ventrículos
e as suas duas aurículas,
passou a contrair e a distender os seus compartimentos
de maneira mirífica, mais intensa, mais exaltada.
Nunca este músculo me tangeu assim tão irrequieto.
Perplexo, decidi analisar o inesperado fenómeno.
Não muito tempo depois, esbarrei,
espanto de fogueira, com uma estranheza anatómica:
Ao contrário do que a medicina me ensinou,
revelaram-me as minhas examinações, pasmei,
que um órgão vital possuo a mais. Não quis crer.
Decidi reexaminar. Tal-qualmente o mesmo resultado:
No interior da minha cavidade torácica,
os meus mestres não iriam acreditar,
com um outro coração me deparei : o teu.
O teu, o teu colorido coração, meu adorado
organismo composto de devaneios de primavera.
Nas minhas artérias e nas minhas veias
circula também o teu sangue,
líquido vermelho e viscoso que nutre
esse extraordinário órgão
segregante de espantosas e eufóricas auroras,
tão vital para mim quanto
os demais órgãos do corpo humano.
Falo obviamente do amor,
um órgão totalmente alheio à medicina.
de acordo com o mencionado,
mais o quadro clínico apresentado,
atesto que sou portador
de uma prodigiosa síndrome,
vendaval vivificante, confluência de encantamentos,
o que me confere uma capacidade permanecente
de manobrar o leme da burocracia das estrelas,
as rédeas do canto das aves,
a alavanca das ambições das flores.

Dinis Moura



>>  Dinis Moura (sítio) / Dinis Moura (blogue poesia) / Indignado (blogue) / Facebook

.

9.7.15

José Luis García Martín (Dido e Eneias)





DIDO Y ENEAS



Me preguntas qué ha sido de mi vida
es estos años últimos. Tú llegas con un brillo
exótico en los ojos que tanto amé, sonríes
de mágica manera como entonces
y conocen tus pasos el polvo
de todos los caminos. Qué ha sido de tu vida.
Fracasar es un arte que tú ignoras.
Se aprende lentamente, en largas tardes
y rincones oscuros, se aprende entre los brazos
que fingen un calor que no perdura.
Cuántas veces anduve por las mismas
calles, ya sin ti y con incierta lluvia,
cuántas veces me senté en lugares
que conocieron la precaria dicha
de aquel adolescente tan irreal y puro.
No todos saben encontrar la puerta
que lleva lejos, con amor y riesgo,
a las islas azules y a ciudades con sol.
Dijiste que la vida es un licor
que hay que apurar de un trago, y yo te vi partir,
te veo todavía partir a prima noche,
partir hacia otro mundo en donde yo no existo.
Con lástima me miras porque ignoras
que hay un placer mayor, decir que no
a la vida, andar por un atajo incierto,
desdeñar el amor, sonreír en la ausencia,
abrazar el vacío y seguir adelante
hasta ese punto último que aúna
la tiniebla y la luz.

José Luis García Martín




Perguntas-me o que tem sido da minha vida
nestes últimos anos. Chegas com um brilho
exótico nos olhos que tanto amei, sorris
de mágica maneira como então,
conhecendo teus passos o pó
de todos os caminhos. Que foi feito da tua vida.
Fracassar é uma arte que tu desconheces.
Aprende-se lentamente, em longas tardes
e cantos escuros, aprende-se entre braços
que fingem um calor que não perdura.
Quantas vezes andei pelas mesmas
ruas, já sem ti e com incerta chuva,
quantas me sentei em lugares
que a sorte precária conheceram
desse adolescente tão irreal e tão puro.
Nem todos sabem achar a porta
que leva ao longe, com amor e risco,
às ilhas azuis e cidades sob o sol.
Disseste que a vida é um licor
para engolir de um trago, e eu vi-te partir,
vejo-te ainda partir caída a noite,
para um outro mundo onde eu não existo.
Olhas-me com pena pois ignoras
que há um prazer maior, dizer que não
à vida, andar por incerto atalho,
desdenhar do amor, sorrir na ausência,
abraçar o vazio e seguir adiante
até esse ponto último que junta
a treva e a luz.

(Trad. A.M.)

.

8.7.15

José Cardoso Pires (Désanti-3)





Custava a crer, o Bernardo que desculpasse.

Que referência ou que indicação, bem, aí já Diogo Senna não podia adiantar.

O Bernardo, sim.

O Bernardo é que talvez pudesse contribuir, dada a intimidade que tinha com o François, então não tinha?

Não fora ele, Bernardo, quem lho apresentara?

Antes disso o nome de François não dizia absolutamente nada a ninguém – cá no burgo, pelo menos.

A ninguém, nem lido nem ouvido.

E quanto a talento, o talento agora estava fora de questão.

Off record, Bernardo.

Bem, era desagradável, ele não queria entrar de todo em todo nesse capítulo, mas lembrava que o Bernardo tinha escrito, tinha entrevistado.

Conferências sobre o indivíduo, televisão, tudo o resto, o Bernardo que desculpasse. (p.210)


JOSÉ CARDOSO PIRES
Alexandra Alpha
(1987)

.

José Hierro (Assim era)





ASÍ ERA



Canta, me dices. Y yo canto.
¿Cómo callar? Mi boca es tuya.
Rompo contento mis amarras,
dejo que el mundo se me funda.
Sueña, me dices. Y yo sueño.
¡Ojalá no soñara nunca!
No recordarte, no mirarte,
no nadar por aguas profundas,
no saltar los puentes del tiempo
hacia un pasado que me abruma,
no desgarrar ya más mi carne
por los zarzales, en tu busca.

Canta, me dices. Yo te canto
a ti, dormida, fresca y única,
con tus ciudades en racimos,
como palomas sucias,
como gaviotas perezosas
que hacen sus nidos en la lluvia,
con nuestros cuerpos que a ti vuelven
como a una madre verde y húmeda.

Eras de vientos y de otoños,
eras de agrio sabor a frutas,
eras de playas y de nieblas,
de mar reposando en la bruma,
de campos y albas ciudades,
con un gran corazón de música.

JOSÉ HIERRO
Alegría
(1947)




Canta, dizes-me, e eu canto.
Como não cantar? Minha boca é tua.
Quebro as amarras contente,
deixo-me fundir com o mundo.
Sonha, dizes-me, e eu sonho.
Antes não sonhasse nunca!
Não te lembrasse, nem olhasse,
não nadasse em águas profundas,
não saltasse as pontes do tempo
para um passado que me pesa,
não rasgasse mais minha carne
pelos silvados, na tua busca.

Canta, dizes-me. Canto, sim,
canto-te a ti, dormindo, fresca e única,
com tuas cidades em cachos, como
sujas pombas, gaivotas preguiçosas
que fazem seus ninhos à chuva,
com nossos corpos a ti volvendo
como a matriz húmida e verde.

Eras de ventos e outonos,
de sabor acre de frutos,
eras de praias, de névoas,
de mar em repouso na bruma,
de campos, de brancas cidades,
com um imenso coração
de música.

(Trad. A.M.)

.

7.7.15

Manuel Alegre (Discurso de Péricles)





DISCURSO DE PÉRICLES AOS ATENIENSES



Deixai-os em treino permanente
Como se a vida fosse apenas exercício
Atenas ama o vinho e a poesia
E Esparta o sacrifício

Que nos acusem de vida fácil e leviandade
Que digam que não sabemos guardar segredo
Nem combater
Em Atenas reina a liberdade
E em Esparta o medo

A nossa força é a diferença

Não são precisas provações nem disciplina
Atenas vive como quer e como gosta
Porque a nossa coragem não se aprende não se ensina
A nossa é de nascença
E não imposta

Deixai-os pois dizer que vão vencer
Eles fogem da vida por temor da morte
Nós vamos para a morte por amor da vida
E enquanto Esparta só combate por dever
Nós iremos lutar com alegria

Por isso Atenas não será vencida


MANUEL ALEGRE
Chegar Aqui
(1984)


.

6.7.15

José Gorostiza (Esboços de um porto)





DIBUJOS SOBRE UN PUERTO


1. El alba

El paisaje marino
en pesados colores se dibuja.
Duermen las cosas. Al salir, el alba
parece sobre el mar una burbuja.
Y la vida es apenas
un milagroso reposar de barcas
en la blanda quietud de las arenas.


2. La tarde

Ruedan las olas frágiles
de los atardeceres
como limpias canciones de mujeres.


3. Nocturno

El silencio por nadie se quebranta,
y nadie lo deplora.
Sólo se canta
a la puesta del sol, desde la aurora.
Mas la luna, con ser
de luz a nuestro simple parecer,
nos parece sonora
cuando derraman sus manos ligeras
las ágiles sombras de las palmeras.


4. Elegía

A veces me dan ganas de llorar,
pero las suple el mar.


5. Cantarcillo

Salen las barcas al amanecer.
No se dejan amar
pues suelen no volver
o sólo regresan a descansar.


6. El faro

Rubio pastor de barcas pescadoras.


7. Oración

La barca morena de un pescador
cansada de bogar
sobre la playa se puso a rezar:
Hazme, Señor, un puerto
en las orillas de este mar!


JOSÉ GOROSTIZA
Canciones para cantar en las barcas
(1925)




1. A alba

A paisagem marinha
desenha-se em cores pesadas.
Dormem as coisas. A alba, ao surgir,
parece uma bolha no mar.
E a vida é apenas
um milagre de barcas repousando
na quietude suave das areias.


2. A tarde

Rolam as ondas frágeis
do crepúsculo
como limpas canções de mulheres.


3. Nocturno

Ninguém perturba o silêncio,
ninguém o lamenta.
O que se canta
é o pôr-do-sol, desde a aurora.
Mas a lua, com ser de luz,
dir-se-ia sonora
ao derramar com suas mãos ligeiras
as sombras ágeis das palmeiras.


4. Elegia

Apetece-me às vezes chorar,
mas depois tenho o mar.


5. Canção

Saem os barcos com a manhã.
Não se deixam amar
pois costumam não voltar
ou voltam só a descansar.


6. O farol

Loiro pastor de barcos de pesca.


7. Oração

O barco moreno de um pescador
cansado de navegar
na praia se pôs a rezar:
Dá-me, Senhor, um porto
na costa deste mar.


(Trad. A.M.)


.

5.7.15

José Cardoso Pires (Désanti-2)





Com toda a sinceridade, Alexandra tinha muita pena, mas, pela parte que lhe tocava, não podia adiantar nada, nenhuma razão contra o gaulês.

Ouvira uns zunzuns na Alpha Linn por causa de umas publicidades que ele pretendeu meter no filme a ver se pegava, mas nada de grave, era o avião dos TAP focado como quem não quer a coisa, a marca da cerveja na mãozinha do bonitão, essas manigâncias do costume.

Manigâncias que também não aqueciam nem arrefeciam lá muito, pois nas artes do celulóide havia sempre quem escorresse uns dinheiros por fora.

Só que com a Alpha Linn não era fácil.

Para bom esclarecimento do mano Diogo e dos possíveis interessados, Alexandra informou que a Alpha Linn nunca ia em bandas sonoras nem em promessas de boca e que todos os pagamentos eram feitos contra o produto acabado e à vista do happy end.

Em face de tantas esquisitices o bom do François deve ter desanimado e muito provavelmente foi estender o tapete a outra porta.

Foi? Alexandra ignorava. (p. 203)


JOSÉ CARDOSO PIRES
Alexandra Alpha
(1987)

.

José Emilio Pacheco (Oração da manhã)





LA PLEGARIA DEL ALBA



Hace milagros este amanecer.
Inscribe su página de luz
en el cuaderno oscuro de la noche.
Anula nuestra desesperanza,
nos absuelve de nuestra locura,
comprueba que el mundo
no se disolvió en las tinieblas,
como hemos temido
a partir de aquella tarde en que,
desde la caverna de la prehistoria,
observamos por vez primera el crepúsculo.
Ayer no resucita.
Lo que hay atrás no cuenta.
Lo que vivimos ya no está.
El amanecer nos entrega la primera hora
y el primer ahora de otra vida.
Lo único de verdad nuestro
es el día que comienza.

José Emilio Pacheco

[Sureando]



Este amanhecer faz milagres.
Inscreve sua página de luz
no caderno escuro da noite.
Anula a desesperança,
absolve-nos da loucura,
prova que o mundo
não se dissolveu nas trevas,
como tememos
desde essa tarde em que,
da caverna da pré-história,
observamos o crepúsculo pela vez primeira.
O ontem não ressuscita.
O que ficou para trás não conta.
O que vivemos é passado.
O amanhecer entrega-nos a primeira hora
e o primeiro agora de outra vida.
A única coisa realmente nossa
é o dia que começa.

(Trad. A.M.)

.

4.7.15

Dana Gioia (Domingo à noite)





SUNDAY NIGHT IN SANTA ROSA



The carnival is over. The high tents,
the palaces of light, are folded flat
and trucked away. A three-time loser yanks
the Wheel of Fortune off the wall. Mice
pick through the garbage by the popcorn stand.
A drunken giant falls asleep beside
the juggler, and the Dog-Faced Boy sneaks off
to join the Serpent Lady for the night.
Wind sweeps ticket stubs along the walk.
The Dead Man loads his coffin on a truck.
Off in a trailer by the parking lot
the radio predicts tomorrow's weather
while a clown stares in a dressing mirror,
takes out a box, and peels away his face.

Dana Gioia



O carnaval terminou, as tendas enormes,
palácios de luz, são desmontadas e levadas
em camiões. Um pobre diabo arranca
da parede a Roda da Fortuna. Os ratos
esgravatam no lixo ao pé da barraca das pipocas.
Um calmeirão bêbedo adormece ao lado
da malabarista, enquanto o moço Cara-de-Cão
pisga-se para passar a noite com a Mulher Serpente.
O vento varre pelos passeios os bilhetes de entrada.
O morto carrega o seu caixão no camião.
Adiante, num reboque do parque
a rádio dá a previsão do tempo,
enquanto um palhaço se mira ao espelho,
pega numa caixa e arranca a própria cabeça.

(Trad. A.M.)

.

3.7.15

José Daniel Espejo (Um pouco mais de modéstia)





Ten más modestia, Muerte, aunque se te haya
erróneamente dicho poderosa
y temible; pues ésos que has borrado
no mueren, pobre Muerte, incapaz hasta
de aniquilarme a mí. Si el reposo
y el sueño son tan gratos, cuánto más
no debes serlo tú: así se explica
que los mejores antes den contigo
libertad a sus almas y a sus huesos
descanso. Azar, reyes, suicidas,
son tus amos, habitante de pócimas,
enfermedad y guerras. Y más diestros
que tú son los hechizos. Menos humos,
que veremos tu fin; tu muerte, Muerte.


José Daniel Espejo

[La galla ciencia]




Tem um pouco mais de modéstia, Morte,
embora te digam, erradamente, poderosa
e temível; pois esses que apagaste
não morrem, pobre Morte, incapaz até
de me aniquilar a mim. Se são tão gratos
o sono e o repouso, quão mais
o não serás tu: assim se explica
que os melhores prefiram dar contigo
liberdade às almas e descanso
aos ossoos. Acaso, reis, suicidas,
teus amos são, mercadora de poções,
de doenças e de guerras. E mais destros
do que tu são os feitiços. Menos fumaças,
que ainda havemos de ver teu fim, Morte,
a tua morte.

(Trad. A.M.)

.

2.7.15

José Cardoso Pires (Désanti-1)





Estavam as pessoas no melhor dos entendimentos quando Diogo Senna descobriu que François Désanti tinha desandado para parte incerta, deixando cá por Lisboa um passivo de donzelas e de cornos de salão, além de outros abusos de confiança em género e em espécie. (p.202)


JOSÉ CARDOSO PIRES
Alexandra Alpha
(1987

.

José Corredor-Matheos (Ante o quadro de Hopper)





(Ante el cuadro de Edward Hopper, 'Habitación de hotel')

¿Qué soledad aflige
a la mujer del cuadro?
Tiene aún las maletas
por abrir,
como las tengo yo.
No acaba de volver
de sitio alguno,
y no parece estar
a punto de marcharse.
Como está estamos todos:
ignorantes,
colgados en un tiempo
y un espacio
que no pueden ser nuestros.
No hay soledad que pueda
compartirse,
y esto es lo que la aflige
y nos aflige.
Saber que estamos solos,
y que no estamos solos,
y es más profunda así
la soledad.

José Corredor-Matheos

[Poesia-pintura]



Que solidão aflige
a mulher do quadro?
Ainda não abriu as malas,
tal como eu.
Não está a voltar
de lugar nenhum,
e também não parece
estar para partir.
Como ela está estamos todos,
ignorantes,
suspensos num tempo
e num espaço
que não nos pertencem.
Não há solidão que possa
partilhar-se,
e é isso que a aflige
e que nos aflige.
Saber que estamos sós,
e que não estamos sós,
e é mais profunda assim
a solidão.

(Trad. A.M.)


>  Outro: Josefa Parra (Hotel room,1931)
    Mais outro: Anne Carson (Western motel)


.

1.7.15

Charles Bukowski (Puxas um fio)




PULL A STRING, A PUPPET MOVES


each man must realize
that it can all disappear very
quickly:
the cat, the woman, the job,
the front tire,
the bed, the walls, the
room; all our necessities
including love,
rest on foundations of sand -
and any given cause,
no matter how unrelated:
the death of a boy in Hong Kong
or a blizzard in Omaha ...
can serve as your undoing.
all your chinaware crashing to the
kitchen floor, your girl will enter
and you'll be standing, drunk,
in the center of it and she'll ask:
my god, what's the matter?
and you'll answer: I don't know,
I don't know ...

Charles Bukowski



Um homem tem de admitir
que de repente tudo pode desaparecer,
o gato, a mulher, o emprego,
o pneu da frente, a cama, as paredes, o
quarto; tudo aquilo que precisamos,
inclusive o amor,
assenta em fundações de areia
- e qualquer coisa,
por mais distante que seja:
a morte dum rapaz em Hong Kong
ou uma brisa em Omaha,
pode desencadear a tua ruína.
Aí estás tu, bêbedo,
com a louça toda partida no chão,
a tua miúda aparece e pergunta,
meu deus, o que é que se passa,
e tu dizes, não sei, não sei...

(Trad. A.M.)

.