31.12.14

INDICE DE AUTORES (2005-14)





A., Ruben
ABAD, Begoña
ABASS, Umar
ACQUARONI, Rosana
AGUIAR, Cristóvão
AGUIAR, Jorge
AGUIRRE, Francisca
AGUIRRE, María Belén
AGUIRRE, Raúl Gustavo
AGUSTINI, Delmira
ALBERT, Irene
ALBERTI, Rafael
ALCARAZ, José
ALEGRE, Manuel
ALEGRIA, Claribel
ALEIXANDRE, Vicente
ALEXANDRE, António Franco
ALIAGA, Cristian
ALIEBURI, Ibne Ayyas
ALISBUNI, Ibne Mucana
ALMEIDA, Fialho
ALMEIDA, José António
ALMUTÂMIDE, Mohâmede
ALMUZARA, Javier
ALONSO, Dámaso
ALVIM, Francisco
AMAR, Ibne
AMARAL, Ana Luísa
AMARO, Luís
AMPUERO, Jorge
ANDRADE, Carlos Drummond
ANDRADE, Eugénio
ANDRADE, Mário
ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner
ANDREU, Pedro
ANSELME, Jean l‘
ARIDJIS, Homero
ASSIS, Machado
ATWOOD, Margaret
AUB, Max
BANDEIRA, Manuel
BAPTISTA, Amadeu
BAPTISTA, José Agostinho
BARAHONA, António
BARRAL, Juanjo
BARRON, Néstor
BARROS, José Carlos
BARROS, Manoel
BARRUECO, José Ángel
BATANIA
BAUDELAIRE, Charles
BAUTISTA, Amalia
BEAUVOIR, Simone
BEJARANO, Julián
BELLI, Gioconda
BELO, Ruy
BENEDETTI, Mario
BENÍTEZ REYES, Felipe
BENTO, José
BERGAMÍN, José
BERTO, Al
BIGURI, Íker
BLANDIANA, Ana
BOCCANERA, Jorge
BOLAÑO, Roberto
BONIFAZ NUÑO, Rubén
BONILLA, Gsús
BONILLA, Juan
BONNETT, Piedad
BORGES, Jorge Luís
BOTAS, Victor
BOTELHO, Renata Correia
BOTTO, António
BRAGA, Jorge de Sousa
BRANCO, Camilo Castelo
BRANCO, Rosa Alice
BRANDÃO, Fiama Hasse Pais
BRANDÃO, Raul
BRASIL, Geraldino
BRECHT, Bertolt
BREZMES, Alfonso
BRINES, Francisco
BRITO, Casimiro
BROSSA, Joan
BUENDÍA, Rogelio
BUKOWSKI, Charles
BUXÁN, Alfredo
CABRAL, A.M.Pires
CABRAL, Rui Pires
CADILHE, Gonçalo
CALDERÓN, Teresa
CAMARNEIRO, Nuno
CAMÕES, Luís
CARNEIRO, Mário Sá
CARRIEGO, Evaristo
CARSON, Anne
CARVALHEIRA, Jorge
CARVALHO, Armando Silva
CARVALHO, José Rentes
CARVALHO, Mário
CARVALHO, Raul
CARVER, Raymond
CASARES, Pablo
CASARIEGO, Pedro
CASTELLANOS, Rosario
CASTILLA, Manuel J.
CASTILLO, Horacio
CASTRO, Rosalía
CATTANEO, Susana
CELAYA, Gabriel
CENTENO, Yvette
CERNUDA, Luis
CESARINY, Mário
CÉSPEDES, Alejandro
CHACÓN, Dulce
CHAR, René
CICERO, Antonio
CINATTI, Ruy
COHEN, Leonard
COLASANTI, Marina
CONTARDI, Marilyn
CORREDOR-MATHEOS, José
CORREIA, João Araújo
CORREIA, Natália
CORTÁZAR, Julio
COSTAFREDA, Alfonso
CRAWFORD, Robert
CRESPO, Ángel
CRESPO, Mariano
CRUZ, Sor Juana Inês
CUENCA, Luis Alberto
DALTON, Roque
DAS, Javier
DELMAR, Meira
DEUS, João
DIAS, Inês
DÍAS, Marcelo Daniel
DIAS, Saul
DÍAZ-GRANADOS, Federico
DIEGO, Eliseo
DIONÍSIO, Mário
DOCE, Jordi
DURRELL, Lawrence
EDSON, Russel
EIRAS, Pedro
ELOY BLANCO, Andrés
ELUARD, Paul
ENSENYAT, Paula
ERRASTI, Eduardo
ESPANCA, Florbela
ESPEJO, José Daniel
ESPINA, Jorge
FAFE, José Fernandes
FARIA, Daniel
FELIPE, León
FERNÁNDEZ MORENO, Baldomero
FERNÁNDEZ MORENO, César
FERNÁNDEZ SÁNCHEZ, José António
FERREIRA, David Mourão
FERREIRA, José Gomes
FERREIRO, Celso Emilio
FERRUZ, Raul
FIGUEIREDO, Tomaz
FONOLLOSA, José María
FONSECA, Manuel
FONTE, Ramiro
FORTE, António José
FRAGUI, Gonzalo
FREITAS, Manuel
FUERTES, Gloria
GALARZA, Javier
GALEANO, Eduardo
GALLEGO, Vicente
GAMONEDA, Antonio
GARCÍA CALVO, Agustín
GARCÍA CASADO, Pablo
GARCÍA LORCA, Federico
GARCÍA-MÁIQUEZ, Enrique
GARCÍA MARTÍN, José Luis
GARCÍA MONTERO, Luis
GARRETT, Almeida
GELMAN, Juan
GIANNUZI, Joaquín
GIDE, André
GIL DE BIEDMA, Jaime
GIOIA, Dana
GIRONDO, Oliverio
GOMES, Paulo Varela
GÓMEZ JATTÍN, Raúl
GONZÁLEZ, Angel
GONZÁLEZ, David
GONZÁLEZ, Jonio
GONZÁLEZ, Ulalume
GONZÁLEZ ANSORENA, Luis
GONZÁLEZ IGLESIAS, Juan Antonio
GONZÁLEZ MORENO, Pedro A.
GOROSTIZA, José
GOYTISOLO, José Agustín
GRANDE, Félix
GREGÓRIO, António
GUEDEA, Rogelio
GUINDA, Ángel
GULLAR, Ferreira
GUTIÉRREZ VEGA, Hugo
HAHN, Óscar
HATHERLY, Ana
HELDER, Herberto
HERCULANO, Alexandre
HERNÁNDEZ, Francisco
HERNÁNDEZ, Miguel
HERNÁNDEZ, Paz
HIDALGO, José Luis
HILST, Hilda
HORTA, Maria Teresa
HUIDOBRO, Vicente
IGLESIAS, Jacob
INÁCIO, Ana Paula
IRIBARREN, Karmelo C.
JEANSON, Henri
JONAS, Daniel
JORGE, João Miguel Fernandes
JORGE, Luiza Neto
JUARISTI, Jon
JUARROZ, Roberto
JÚDICE, Nuno
JUNQUEIRO, Guerra
KAVAFIS, Konstandinos
KNOPFLI, Rui
LACERDA, Alberto
LAINE, Jarkko
LANSEROS, Raquel
LASHERAS, Javier
LEIRIA, Mário-Henrique
LEMINSKI, Paulo
LEVI, Jan Heller
LIMA, Ângelo
LINAJE, Iñigo
LISPECTOR, Clarice
LIZALDE, Eduardo
LIZANO, Jesús
LLANOS, Eduardo
LOBO, Francisco Rodrigues
LOPES, Adília
LOPES, Fernão
LÓPEZ CORTÉS, Pura
LÓPEZ PACHECO, Jesus
LUHRMANN, Baz
MACEDO, Helder
MACHADO, Antonio
MADARIAGA. Francisco
MÃE, Valter Hugo
MAILLARD, Chantal
MARCH, Susana
MARGARIT, Joan
MARTÍNEZ FERRER, América
MARTINS, Albano
MARTINS, Miguel
MARZAL, Carlos
MATTOS, António Almeida
MEDINA, Dante
MEIRELES, Cecília
MENDES, Luís Filipe Castro
MENDES, Murilo
MENDONÇA, José Tolentino
MERINI, Alda
MERINO, Ana
MESTRE, Juan Carlos
MEXIA, Pedro
MEZQUITA, Nuria
MIGUÉIS, José Rodrigues
M ILÁN, Eduardo
MIRANDA, Francisco Sá
MITRE, Eduardo
MOLINERO, Jorge M.
MONETTE, Hélène
MONTEIRO, Adolfo Casais
MONTEJO, Eugenio
MONTOJO MICÓ, Ana
MORAES, Vinicius
MORAL, Paco
MORIN, E.
MOURA, Gabriela
MOYA, Manuel
MUJICA, Hugo
MUÑOZ, Cysko
MUÑOZ, Rosabetty
MUÑOZ LAGOS, Marino
MUÑOZ ROJAS, José Antonio
MUTIS, Álvaro
NAMORA, Fernando
NAMORADO, Joaquim
NAVA, Luís Miguel
NEGREIROS, Almada
NEJAR, Carlos
NEMÉSIO, Vitorino
NERUDA, Pablo
NESSI, Alberto
NETO, João Cabral de Melo
NEUMAN, Andrés
NIETZSCHE, Friedrich
NIEVA, Silvia
NOVELLI, Aldo Luis
NÚÑEZ, Aníbal
OCAMPO, Silvina
OLIVEIRA, Carlos
OLIVEIRA, Carlos Mota
OLIVEIRA, José Alberto
OLIVEIRA, Mário Rui
O’NEILL, Alexandre
ORIHUELA, Antonio
OROZCO, Olga
ORS, Miguel d’
ORTIZ, Fernando
ORY, Carlos Edmundo
OSÓRIO, António
OTERO, Blas
PACHECO, Fernando Assis
PACHECO, José Emilio
PADURA, Leonardo
PALAU, Josep
PANERO, Juan Luis
PANERO, Leopoldo María
PARISO, Valeria
PARRA, Josefa
PARRA, Nicanor
PARRADO, Luís Filipe
PARREÑO, José María
PAVESE, Cesare
PAZ, Octavio
PEDREIRA, Maria do Rosário
PEDRONI, José
PEIXOTO, José Luís
PEREIRA, Helder Moura
PÉREZ CABAÑA, Rosario
PÉREZ CAÑAMARES, Ana
PÉREZ MONTALBÁN, Isabel
PÉREZ MORTE, Antonio
PÉREZ-SAUQUILLO, Vanesa
PÉREZ VALLEJO, Ernesto
PERI ROSSI, Cristina
PESSANHA, Camilo
PESSOA, Fernando
PESSOA, Fernando (A.Caeiro)
PESSOA, Fernando (A.Campos)
PESSOA, Fernando (R.Reis)
PETISME, Ángel
PICÓN, Francisco J.
PIMENTA, Alberto
PINA, Manuel António
PIÑÁN, Berta
PIQUERO, José Luis
PIRES, Graça
PITTA, Eduardo
PIZARNIK, Alejandra
PLATH, Sylvia
PONCE, Laura
PRADO, Adélia
PRÉVERT, Jacques
QUART, Pere
QUINTAIS, Luís
QUINTANA, Mario
RAMOS, Manuel Silva
RAMOS, Pepe
RAMOS SIGNES, Rogelio
RANGEL, Violeta C.
RASCÓN, Patricio
RÉGIO, José
REIS, António
REYES, Miriam
RIBEIRO, Aquilino
RIBEIRO, Bernardim
RICARDO, Cassiano
RIECHMANN, Jorge
RITSOS, Yannis
RODRÍGUEZ, Claudio
RODRÍGUEZ, Josep M.
RODRÍGUEZ, Lucas
ROJAS, Gonzalo
ROJAS HERAZO, Héctor
ROMERO, Kutxi
ROSA, António Ramos
ROSA, João Guimarães
ROSENBERG, Mirta
ROSSETTI, Ana
RUSHIN, Kate
SABINES, Jaime
SAFO
SALEM, Carlos
SALINAS, Pedro
SALVAGO, Javier
SAMPAIO, Jaime Salazar
SÁNCHEZ, Raúl
SÁNCHEZ CARRÓN, Irene
SÁNCHEZ ROSILLO, Eloy
SANT’ANNA, Affonso Romano
SANTOS, José Carlos Ary
SANZ, María
SARA, Ibne
SARACENI, Gina
SENA, Jorge
SERPA, Alberto
SEXTON, Anne
SEVILLA, Pedro
SICILIA, Javier
SILVA, Elder
SILVA, José Mário
SILVA, José Miguel
SILVEIRA, Pedro
SILVESTRIN, Ricardo
SIMÓN, César
SIMONOV, Konstantin
SINMÁS, Juana
SISCAR, Marcos
STABILE, Uberto
STRAND, Mark
SZPUNBERG, Alberto
TAGORE, Rabindranath
TALENS, Jenaro
TAMEN, Pedro
TAVARES, Gonçalo M.
TEILLIER, Jorge
THEOBALDY, Jürgen
TORGA, Miguel
TRAMÓN, Marcos
TRAPIELLO, Andrés
UÁZIR, Abdalá Ibne
UGIDOS, Silvia
URONDO, Francisco
VALDÉS, Zoé
VALENTE, José Ángel
VALÉRY, Paul
VALLEJO, César
VALLVEY, Ángela
VALVERDE, Álvaro
VARELA, Blanca
VAZ, Eva
VEGA, Alberto
VERDE, Cesário
VICENTE, Gil
VILA-MATAS, Enrique
VILARIÑO, Idea
VILLENA, Luis Antonio
VITALE, Ida
WANG, Berna
WILLIAMS, W. C.
WITTNER, Laura
WOLFE, Roger
YEATS, W.B.
YOURCENAR, Marguerite
ZAÍD, Gabriel
ZINK, Rui
ZONTA, José María
ZUÑIGA, José Luis

.

30.12.14

Gonzalo Rojas (Enigma da desejosa)





ENIGMA DE LA DESEOSA



Muchacha imperfecta busca hombre imperfecto
de 32, exige lectura
de Ovidio, ofrece: a) dos pechos de paloma,
b) toda su piel liviana
para los besos, c) mirada
verde para desafiar el infortunio
de las tormentas;
no va a las casas
ni tiene teléfono, acepta
imantación por pensamiento. No es Venus;
tiene la voracidad de Venus.


Gonzalo Rojas



Rapariga imperfeita procura homem
imperfeito de 32, exige conhecimento
de Ovídio, oferecendo: a) dois seios de pomba,
b) a pele mimosa toda
para beijos, c) olhar
verde para desafiar o infortúnio
das tormentas;
não faz domicílios
nem tem telefone, aceita
comunicação telepática. Não é Vénus;
tem a voracidade de Vénus.


(Trad. A.M.)

.

29.12.14

Miguel Martins (Ponho palavras)





ponho palavras onde vou morrer
e estremeço porque a vida se dissipa
como água derramada no soalho

entre muitas outras coisas escrever
é procurar nos confins

além tempo e sucessão de espaços
a demorada nomenclatura do efémero


Miguel Martins

[Luz & sombra]

.

28.12.14

Rogelio Buendía (Solidão)





SOLEDAD



Uno.
Por todas partes que miro sólo veo
el número uno.
El número uno fatídico:
I árbol
I pájaro
I hombre
El sol, solo en su soledad,
la luna, una en su unidad,
y yo, como un miembro amputado
me desangro sobre la mesa del café
como en un quirófano.
Y mis ojos llenos de luz lejana,
y mis manos extendidas
miran instintivamente hacia el Sur.
-¡Oh, aquella canción!,
I árbol
I pájaro,
I flor
Pero entre los ojos vivos de los dos
dos.

Rogelio Buendía



Um.
Para onde quer que me vire
vejo só o número um,
um homem
um pássaro
uma árvore.
O sol, só em sua solidão,
a lua, uma em sua unidade,
e eu, como um membro amputado
esvaio-me em sangue à mesa do café
como na mesa de operações.
E meus olhos rasos de uma luz distante,
de mãos estendidas,
olhando o Sul instintivamente.
- Oh, aquela canção,
uma árvore
um pássaro
uma flor
Mas entre os olhos vivos dos dois
dois.


(Trad. A.M.)

.

27.12.14

Mark Strand (Comer poesia)





EATING POETRY



Ink runs from the corners of my mouth.
There is no happiness like mine.
I have been eating poetry.
The librarian does not believe what she sees.
Her eyes are sad
and she walks with her hands in her dress.
The poems are gone.
The light is dim.
The dogs are on the basement stairs and coming up.
Their eyeballs roll,
their blond legs burn like brush.
The poor librarian begins to stamp her feet and weep.
She does not understand.
When I get on my knees and lick her hand,
she screams.
I am a new man,
I snarl at her and bark,
I romp with joy in the bookish dark.

Mark Strand



A tinta escorre-me dos cantos da boca,
isto é que é bom,
comer poesia.
Nem acredita no que vê, a bibliotecária,
tem os olhos tristes
e caminha com as mãos na véstia.
Os poemas foram-se
e a luz está fraca.
Os cães vêm da cave pelas escadas acima,
a rebolar os olhos
e com as pernas a fazer faísca.
A coitada da bibliotecária começa a bater os pés e a chorar,
sem compreender nada,
e grita quando eu me ponho de joelhos
e lhe lambo a mão.
Sou um novo homem,
rosno-lhe e ladro,
mergulhando alegre no escuro dos livros.

(Trad. A.M.)

.

26.12.14

Gonzalo Fragui (As mulheres e o amor)





LAS MUJERES Y EL AMOR



El amor
es una carrera indetenible
entre dos
(o más)
El primero en llegar
pierde.

Gonzalo Fragui


[Emma Gunst]



O amor
é uma corrida imparável
entre dois
(ou mais)
O primeiro a chegar
perde.

(Trad. A.M.)

.

25.12.14

Mário Cesariny (Poema)





POEMA



Os pássaros de Londres
cantam todo o inverno
como se o frio fosse
o maior aconchego
nos parques arrancados
ao trânsito automóvel
nas ruas da neve negra
sob um céu sempre duro
os pássaros de Londres
falam de esplendor
com que se ergue o estio
e a lua se derrama
por praças tão sem cor
que parecem de pano
em jardins germinando
sob mantos de gelo
como se gelo fora
o linho mais bordado
ou em casas como aquela
onde Rimbaud comeu
e dormiu e estendeu
a vida desesperada
estreita faixa amarela
espécie de paralela
entre o tudo e o nada
os pássaros de Londres
quando termina o dia
e o sol consegue um pouco
abraçar a cidade
à luz razante e forte
que dura dois minutos
nas árvores que surgem
subitamente imensas
no ouro verde e negro
que é sua densidade
ou nos muros sem fim
dos bairros deserdados
onde não sabes não
se vida rogo amor
algum dia erguerão
do pavimento cínzeo
algum claro limite
os pássaros de Londres
cumprem o seu dever
de cidadãos britânicos
que nunca nunca viram
os céus mediterrânicos

Mário Cesariny

[Arquivo de cabeceira]

.

24.12.14

Gloria Fuertes (À beira)





AL BORDE



Soy alta;
en la guerra
llegué a pesar cuarenta kilos.
He estado al borde de la tuberculosis,
al borde de la cárcel,
al borde de la amistad,
al borde del arte,
al borde del suicidio,
al borde de la misericordia,
al borde de la envidia,
al borde de la fama,
al borde del amor,
al borde de la playa,
y, poco a poco, me fue dando sueño,
y aquí estoy durmiendo al borde,
al borde de despertar.

Gloria Fuertes



Sou alta,
na guerra
cheguei a pesar quarenta quilos.
Estive à beira da tuberculose,
à beira da prisão,
à beira da amizade,
à beira da arte,
à beira do suicídio,
à beira da misericórdia,
à beira da inveja,
à beira da fama,
à beira do amor,
à beira da praia,
e pouco a pouco foi-me dando sono,
e aqui estou à beira dormindo,
à beira de despertar.

(Trad. A.M.)

.

23.12.14

Marina Colasanti (Tua mão em mim)





TUA MÃO EM MIM



Você me acorda no meio da noite
e eu que navegava tão distante
cravada a proa em espumas
desfraldados os sonhos
afloro de repente entre as paradas ondas dos lençóis
a boca ainda salgada mas já amarga
molhada a crina
encharcados os pêlos
na maresia que do meu corpo escorre.
Cravam-se ao fundo os dedos do desejo.
A correnteza arrasta.
Só quando o primeiro sopro escapar
entre os lábios da manhã
levantarei âncora.
Mas será tarde demais.
O sol nascente terá trancado o porto
e estarei prisioneira da vigília.


Marina Colasanti

.

22.12.14

Gioconda Belli (Desejos simples)





SENCILLOS DESEOS



Hoy quisiera tus dedos escribiéndome historias en el pelo
y quisiera besos en la espalda
acurrucos
que me dijeras las más grandes verdades
o las más grandes mentiras
que me dijeras por ejemplo
que soy la mujer más linda del mundo
que me querés mucho
cosas así
tan sencillas
tan repetidas,
que me delinearas el rostro
y me quedaras viendo a los ojos
como si tu vida entera dependiera de que los míos sonrieran
alborotando todas las gaviotas en la espuma.
Cosas quiero como que andes mi cuerpo
camino arbolado y oloroso,
que seas la primera lluvia del invierno
dejándote caer despacio
y luego en aguacero.
Cosas quiero como una gran ola de ternura
deshaciéndome
un ruido de caracol
un cardumen de peces en la boca
algo de eso
frágil y desnudo
como una flor a punto de entregarse a la primera luz de la
mañana
o simplemente una semilla, un árbol
un poco de hierba
una caricia que me haga olvidar
el paso del tiempo
la guerra
los peligros de la muerte.

Gioconda Belli



Hoje queria os teus dedos a escrever-me histórias no cabelo
e queria beijos nas costas
meiguices
que me dissesses as maiores verdades
ou então as maiores mentiras
que me dissesses por exemplo
que eu sou a mulher mais linda do mundo
que me amas muito
coisas assim
tão simples
tão repetidas,
que me delineasses o rosto
e ficasses a olhar-me nos olhos
como se a tua vida toda dependesse do meu sorriso
alvoroçando as gaivotas na espuma da beira-mar.
Coisas, como andares por meu corpo,
caminho frondoso e perfumado,
ou seres a primeira chuva do Outono
deixando-te cair devagar
e depois em aguaceiro.
Coisas, como uma grande onda de ternura
a desfazer-me,
um ruído de caracol
um cardume de peixes na boca
algo assim
desnudo e frágil
como uma flor a ponto de se entregar
à primeira luz da manhã,
ou simplesmente uma semente, uma árvore
um pouco de erva
uma carícia que me faça esquecer
a passagem do tempo
a guerra
os perigos da morte.

(Trad. A.M.)

.

21.12.14

Maria do Rosário Pedreira (Esta noite o vento)





Esta noite o vento ceifa os bosques e
uma raiva sacode a terra. Se a voz
do mar chamasse pelas velas, os estreitos
aguardariam um naufrágio. E se dissesses
o meu nome eu morreria de amor.
Devo, por isso, afastar-me de ti – não
por ter medo de morrer (que é de já não
o ter que tenho medo), mas porque a chuva
que devora as esquinas é a única canção
que se ouve esta noite sobre o teu silêncio.


MARIA DO ROSÁRIO PEDREIRA
Canto do Vento nos Ciprestes
(2001)

.

20.12.14

Gina Saraceni (As casas morrem)





Las casas mueren cuando se vuelven árboles,
cuando una mancha vegetal las recubre
y convierte en jardines verticales.

De sus ventanas brotan raíces
que rozan el filo de las nubes.

La casa muere con el verano en la garganta.

Hubo luz, un tiempo, en esa casa.
Hubo vidrios limpios que acogían una
mano temerosa de que el viento los quebrara.
Hubo niños oliendo a pinos y olivares
y una puerta grande donde entraba
todo el pasado y su memoria.

Los muertos regresan a la casa,
hablan una lengua incomprensible y
levantan el polvo acumulado de los años.

Puede que aquí el tiempo se detenga
y sólo exista el instante en que la casa
se torna un paisaje fugitivo.

Todo se mueve en su cuerpo de piedra,
hasta la hoja más pequeña que se asoma
a la intemperie y se abandona.

No hay dónde agarrarse
para seguir de pie ante la casa;
para no caer delante de sus ruinas
y volverse una planta más que la recorre.

No se puede mirar tanto pasado
sin perder la lengua
en el hueco vertical de sus paredes.

No se puede mirar en ese quiebre
sin pensar que alguna vez
alguien fue feliz en esta casa,
alguien aferrado al canto de los grillos.

Gina Saraceni




As casas morrem quando se tornam árvores,
quando as cobre uma mancha vegetal
e as converte em jardins verticais.

Das janelas brotam raízes
que roçam o fio das nuvens.

A casa morre com o Verão na garganta.

Já houve luz, em tempos, nessa casa.
Vidros limpos acolhendo
uma mão receosa de que o vento os partisse.
Crianças cheirando a pinhais e olivais
e uma porta grande por onde entrava
o passado e a sua lembrança.

Os mortos regressam à casa,
falam uma língua imperceptível e
levantam o pó acumulado dos anos.

Pode ser que o tempo se detenha aqui
e não exista senão o instante em que a casa
se torna paisagem fugitiva.

Tudo se move em seu corpo de pedra,
até a folha mais pequena que assoma
na tormenta e se abandona.

Não há onde se agarrar
para ficar de pé frente à casa;
para não tombar ante as ruínas
e virar planta que a cubra.

Não se pode olhar tanto passado
sem perder a língua
no vão das paredes.

Não se pode olhar a ruína
sem pensar que um dia
alguém foi feliz nesta casa,
alguém agarrado ao canto dos grilos.

(Trad. A.M.)

.

19.12.14

Marcos Siscar (Psicanálise caseira)





PSICANÁLISE CASEIRA



há coisas de sobra que não se dizem
há coisas que sobram no que se diz
nossa miséria é uma alegria de palavras?


Marcos Siscar

.


18.12.14

Ana Rossetti (Imagina)





IMAGINA



Imagina la oscuridad.
El horror dispara sus minutos a la velocidad de la metralla.
Las sirenas crecen como aullidos de chacales,
los gemidos retumban entre los escombros, clavan sus esquirlas.
Imagina tus lágrimas como bayonetas,
desahuciadas de todo consuelo, de toda piedad.
Refugios rebosando de miedo, temblando de miedo
mientras los cadáveres elevan sus montañas,
mientras los bombarderos gotean constelaciones en las aceras.
Imagina el aire entrándote, invadiéndote de muerte.
Se pulverizan árboles y bibliotecas;
se desgarran cuerpos y muros,
se mutilan recuerdos y palabras;
se siembran minas, terrores y esqueletos de pájaros.
Imagina la orfandad de las cosas. El llanto de las cosas.
Imagina cómo los héroes se envuelven en capas escarlatas.
Cómo los verdugos despliegan alfombras escarlatas.
Cómo las víctimas se ahogan en manantiales escarlatas.
Y cómo el espanto, la venganza y el odio
ganan batallas en tu corazón sobrecogido.
Estás en medio del recinto inexpugnable del pánico.
Y eres tú quien orquesta los crímenes.
Porque has sido tú.
Tú, que eres capaz de imaginar,
de sentir todo lo que imaginas,
de fabricar todo lo que sientes,
de construir realidades con los sueños
quién ha dado vida al horror.
Por eso, atrévete a cambiar la estructura
del mundo
y donde dices temor di esperanza
porque las lágrimas también son de alegría.
Porque la sangre también es nacimiento.
Porque la belleza también es sobrecogedora
y el amor un potente estallido.
Por eso, atrévete.
Apacigua tu mente,
ilumina tus ojos,
imagina justicia.
Imagina consuelo.
Imagina bondad.

Ana Rossetti



Imagina o escuro.
O horror dispara os minutos à velocidade da metralha.
As sirenes crescem como uivos de chacais,
os gemidos ressoam pelos escombros, espetando suas lascas.
Imagina as lágrimas como baionetas,
despejadas de consolo, de piedade.
Refúgios a transbordar de medo, tremendo com medo
enquanto os cadáveres fazem montanha
e os bombardeiros despejam constelações nos passeios.
Imagina o vento a entrar por ti adentro,
a invadir-te de morte.
Fazem-se em pó árvores e bibliotecas,
rasgam-se corpos e muros,
recordações e palavras;
semeiam-se minas, terrores e esqueletos de pássaros.
Imagina a orfandade das coisas. O pranto das coisas.
Imagina como os heróis se metem em capas escarlates.
Como os verdugos estendem carpetes escarlates.
Como as vítimas se afogam em ribeiros escarlates.
E como espanto, vingança e ódio
ganham batalhas em teu coração.
Tu estás no meio do recinto inexpugnável do pânico,
e és tu quem orquestra os crimes.
Porque foste tu,
tu, que és capaz de imaginar,
de sentir tudo o que imaginas,
de fabricar tudo o que sentes,
de fazer realidade do sonho,
tu é que deste vida ao horror.
Por isso atreve-te a trocar a estrutura do mundo
e onde dizes temor diz antes esperança
porque as lágrimas são também de alegria.
Porque o sangue é também nascimento,
porque a beleza é também conforto
e o amor uma potente explosão.
Por isso, atreve-te.
Sossega o espírito,
põe luz nos teus olhos,
imagina justiça.
Imagina consolo.
Imagina bondade.


(Trad. A.M.)

.

17.12.14

José Carlos Barros (O crítico literário)





O CRÍTICO LITERÁRIO VAI DE FÉRIAS À PROVÍNCIA



Da varanda do quarto
viam-se
em vez das aliterações
o vale

e os pinheiros bravos
a subir
o monte. Acordava-se assim
a ver as coisas

concretas. Como se
afinal
além da literatura houvesse

mundo: casas;
pessoas; pássaros que
voavam mesmo.


José Carlos Barros

[O melhor amigo]

.

16.12.14

Rogelio Buendía (Interlúdio)





INTERMEDIO



Por el cristal, la vida. Bajo mis pies, la tierra.
No hay nadie en la planicie erizada de lenguas
que forman las ardientes llamas de fuego.
Los árboles tundidos por los vendavales,
por los solazos y por las orugas serradoras.
La casa abierta a los planos verdes
y a los volúmenes de las casas y de las yerbas,
es un prisma irisado.
En cada muro blanco, toda clase de aves
y todas las flores del campo y del jardín,
que se entran por la puerta abierta,
por los limpios cristales que avanzan
como lentes para estudiar belleza.
Detrás de los cristales, abiertos ojos de cristal,
abiertas lentes,
penetradas por la primavera,
y cerradas, a medio abrir la persiana,
en estío, gritan los colores:
el azul del cielo que parece que se va a romper
como un búcaro gigante y frágil,
búcaro de cristal y de cansancio.
Flores a miles. Y en verde acuático, la estancia.
Y yo, siempre yo en soledad, solo.
El pie sale, el corazón se queda,
como el caracol de goma,
no se separa de su estancia.
¡Buenos días, mañana!

Rogelio Buendía




Para lá dos vidros, a vida. Debaixo dos pés, a terra.
Não há ninguém no plaino eriçado de línguas
semeadas pelas chamas ardentes do fogo.
As árvores castigadas pelo temporal,
pela solina e pelas lagartas.
A casa aberta aos planos verdes
e aos volumes de casas e ervas
é um prisma irisado.
Em cada muro branco, toda a espécie de aves
e de flores campestres e outras,
entrando pelo traço da porta
e pelos vidros das janelas que se chegam à frente
como lentes para estudar a beleza.
Por detrás dos vidros, abertos olhos de vidro,
abertas lentes,
penetradas pela Primavera,
e cerradas no Verão, de persianas corridas,
gritam as cores, o azul do céu
que parece que vai partir-se
como um vaso enorme e frágil,
vaso de vidro e de fadiga.
Flores aos milhares. E a sala, em verde água.
E eu, sempre eu na solidão, sozinho.
O pé sai, mas o coração fica,
como um caracol,
não se aparta da casa.
Bom dia, manhã!


(Trad. A.M.)



>>  Poeticas.es (7p) / Poetas andaluces (7p) / Wikipedia

.

15.12.14

Manuel de Freitas (III-Grande Hotel de Paris)





III (GRANDE HOTEL DE PARIS)



A morte, claro. Existem porém
dias grandes, irredutíveis a versos,
em que a indecisão da luz
nos açoita de felicidade.

São dias raros, futuras
imagens do nada, o suficiente
para que a palavra amor substitua
o primeiro cigarro da manhã.

Chegámos tarde. O quarto 203
trazia-me de novo o teu corpo.
E até a música dos sinos
vinha deitar-se connosco.


Manuel de Freitas

[As folhas ardem]

.

14.12.14

Francisco Madariaga (Carlos Latorre)





CARLOS LATORRE (*)



Él sabía que es absolutamente cierto esto que dijo Baudelaire:
“La poesía es la negación de la Iniquidad”.
Sostuvo, con una insumisión extremadamente lúcida, una lucha
permanente contra todo aquello que le parecía deformado y
envilecido por la iniquidad.
Con su visión desesperada y purísima del mundo, fue valiente
en su tentativa de libertad, de sueño, de contrafuerte y de absoluto.
Su rebeldía fue dueña de esa parte misteriosa de vitalidad que
sólo hay en los inocentes.
Ten nostalgia de nosotros, dulce y bravo Latorre.

Francisco Madariaga



Ele sabia que é uma grande verdade o que dizia Baudelaire,
“A poesia é a negação da Iniquidade”.
Sempre lúcido e insubmisso, manteve uma luta
permanente com tudo o que lhe parecia
torcido pela iniquidade.
Na sua visão do mundo desesperada e puríssima,
foi destemido em seu intento de liberdade, de sonho, de absoluto.
A sua rebeldia tinha aquela parte misteriosa de liberdade
que há só nos inocentes.
Doce e bravo Latorre, tem saudades nossas.

(Trad. A.M.)


(*) Carlos Latorre

.

13.12.14

Manuel Bandeira (Elegia de Verão)





ELEGIA DE VERÃO



O sol é grande. Ó coisas
Todas vãs, todas mudaves!
Como esse "mudaves",
Que hoje é "mudáveis",
E já não rima com "aves".

O sol é grande. Zinem as cigarras
Em Laranjeiras.
Zinem as cigarras: zino, zino, zino...
Como se fossem as mesmas
Que eu ouvi menino.

Ó verões de antigamente!
Quando o Largo do Boticário
Ainda poderia ser tombado.
Carambolas ácidas, quentes de mormaço;
Água morna das caixas d'água vermelhas de ferrugem;
Saibro cintilante...

O sol é grande. Mas, ó cigarras que zinis,
Não sois as mesmas que eu ouvi menino.
Sois outras, não me interessais...

Dêem-me as cigarras que eu ouvi menino.


Manuel Bandeira

[Poemas de Bandeira]


Francisco Sá de Miranda (O sol é grande)

.

12.12.14

Gabriel Celaya (O último recurso)





EL ÚLTIMO RECURSO



En los malos momentos, no os pongáis a llorar,
porque os harán callar
con la limosnita de un poco de pan.

En los malos momentos, decid que no entendéis.
Y tras escuchar,
decid, porque es verdad, que seguís sin entender.

Cuando os digan: "Caridad", vosotros decid: "Justicia",
porque pedís lo vuestro,
no descanso de conciencia para los que dormitan.

Cuando os digan que el problema va a estudiarse,
salid gritando a la calle
las razones que los justos llamarán irracionales.

Gabriel Celaya



Nos maus momentos, não vos ponhais a chorar,
porque vos farão calar
com a esmolita de um pouco de pão.

Nos maus momentos, dizei que não entendeis.
E depois de escutar,
dizei, por ser verdade, que continuais sem entender.

Quando vos disserem: “Caridade”, vós dizei: “Justiça”,
porque pedis o que é vosso,
não sossego de consciência para aqueles que dormem.

Quando vos disserem que o problema será estudado,
saí à rua a gritar
as razões que os justos chamarão irracionais.


(Trad. A.M.)

.

11.12.14

Manuel António Pina (O caminho de casa)





O CAMINHO DE CASA


(XII)

«As palavras fazem
sentido (o tempo que levei a descobrir isto!),
um sentido justo,
feito de mais palavras.
(A impossibilidade de falar
e de ficar calado
não pode parar de falar,
escrevi eu ou outro).

Volto a casa,
ao princípio,
provavelmente um pouco mais velho.
As mesmas árvores,
mais velhas,
a lembrança delas
passando sem tempo nos meus olhos,
como uma ideia feita ou como um sentimento.

Entre o que regressa
e o que partiu um dia
ficaram palavras;
talvez (quem sabe?)
algum sentido.
Agora, como um intruso, subo as
escadas e abro a porta; e entro, vivo,
para fora de alguma coisa morta.

Senta-te aqui, fala comigo,
faz sentido
e totalidade à minha volta!»


Manuel António Pina

[Canal de poesia]

.

10.12.14

Francisco Urondo (A verdade é a única realidade)





LA VERDAD ES LA ÚNICA REALIDAD



Del otro lado de la reja está la realidad, de
este lado de la reja también está
la realidad; la única irreal
es la reja; la libertad es real aunque no se sabe bien
si pertenece al mundo de los vivos, al
mundo de los muertos, al mundo de las
fantasías o al mundo de la vigilia, al de la explotación o
de la producción.
Los sueños, sueños son; los recuerdos, aquel
cuerpo, ese vaso de vino, el amor y
las flaquezas del amor, por supuesto, forman
parte de la realidad; un disparo en
la noche, en la frente de estos hermanos, de estos hijos, aquellos
gritos irreales de dolor real de los torturados en
el angelus eterno y siniestro en una brigada de policía
cualquiera
son parte de la memoria, no suponen necesariamente
el presente, pero pertenecen a la realidad. La única aparente
es la reja cuadriculando el cielo, el canto
perdido de un preso, ladrón o combatiente, la voz
fusilada, resucitada al tercer día en un vuelo inmenso
cubriendo la Patagonia
porque las masacres, las redenciones, pertenecen a la realidad, como
la esperanza rescatada de la pólvora, de la inocencia
estival: son la realidad, como el coraje y la convalecencia
del miedo, ese aire que se resiste a volver después del peligro
como los designios de todo un pueblo que marcha
hacia la victoria
o hacia la muerte, que tropieza, que aprende a defenderse,
a rescatar lo suyo, su
realidad.
Aunque parezca a veces una mentira, la única
mentira no es siquiera la traición, es
simplemente una reja que no pertenece a la realidad.

Francisco Urondo



Do outro lado da grelha a realidade,
deste lado também, irreal é só a grelha;
a liberdade é real, mas não se sabe bem
a que mundo pertence, se dos vivos ou dos mortos,
se da fantasia ou da vigília,
se da exploração ou da produção.
Os sonhos sonhos são; as lembranças,
esse corpo, o copo de vinho, o amor
e as fraquezas do amor, já se vê,
fazem parte da realidade; um disparo na noite,
diante dos filhos ou dos irmãos, esses
gritos de dor de gente torturada
no 'angelus' eterno e sinistro de uma esquadra
qualquer de polícia
são parte da memória, não implicam o presente,
mas pertencem à realidade. A única aparência
é a grade mostrando o céu aos quadrados,
o canto perdido de um preso, ladrão ou combatente,
a voz fuzilada, ressurrecta ao terceiro dia
num voo imenso cobrindo a Patagónia,
porque os massacres, as redenções, pertencem à realidade,
como a esperança resgatada da pólvora,
da inocência estival: são a realidade
como a coragem e a convalescença do medo,
esse vento que resiste a voltar após o perigo
como os desígnios de todo um povo que marcha
para a vitória
ou para a morte, que tropeça, que aprende
a defender-se, a salvar o que é seu, a sua realidade.
Embora às vezes pareça uma mentira,
a única mentira nem é sequer a traição,
é simplesmente uma grelha que não pertence à realidade.

(Trad. A.M.)

.

9.12.14

Manoel de Barros (Na guerra)





NA GUERRA



Prefeito despachou estafeta a cavalo com
uma carta ao Imperador.
A carta anunciava a invasão da cidade por tropas
paraguaias.
E pedia recursos.
Dois meses depois o estafeta entregava a
carta ao Imperador.
Quando os recursos chegaram os paraguaios
não estavam mais.
Levaram quinze moças louçãs e um pouco
de mantimentos
para comer na viagem.
Acho que comeram tudo.
(Corumbá é uma cidade cuja população
é bem mesclada de paraguaios).


MANOEL DE BARROS
Compêndio para uso dos pássaros
(Poesia reunida 1937-2004)
Quasi Edições, 2007

.

8.12.14

Juana Sinmás (Tempo ao tempo)





TIEMPO AL TIEMPO



Se nos va,
ni lo vemos venir que ya se nos va.
Como la gatita cuando está en celo,
que se va.
O como el agua que gotea en el balcón,
que se desliza por el borde…
Como el cigarrillo cuando lo fumás,
se va.
Se consume y no avisa.
Como el aguinaldo en navidad,
que se quema, se va.
Como el rouge después de tres birras.
Se borra, se va.
No sabemos cuándo,
ni cómo.
Pero cuando nos fijamos,
ya pasó, ¡se fue!
Como Ritual de lo Habitual,
pasa rápido,
suena un segundo
¡y se va!
Como las vacaciones,
pasan volando,
se van.
Como mucha gente
que recién conocés…
Cuando te encariñás,
huyen. Se van.
Como los rulos cuando los peinás.
Se desarman,
se van.
Como el herpes
con Aciclovir,
¡se va!
Y así creo que funciona.
Se tiene que ir.
El tiempo se va.
Y nunca nos avisa dónde.

Juana Sinmás

[Emma Gunst]



Vai-se-nos,
mal o vemos chegar e já se nos vai.
Como a gata, quando está com o cio,
que se vai.
Ou como a água a pingar na janela,
que escorre pela beira...
Como o cigarro que fumamos,
vai-se.
Consome-se e não avisa.
Como a vela de natal
que arde e desaparece.
Como o rouge depois de três birras,
apaga-se, desaparece.
Não sabemos quando,
nem como.
Mas quando damos conta,
passou já, foi-se.
Como Ritual do Habitual,
passa rapidamente,
toca um segundo
e vai-se.
Como as férias,
correm que voam,
vão-se.
Como muitos
que conhecemos há pouco...
Quando nos afeiçoamos,
fogem, vão-se.
Como as riças ao pentear,
desfazem-se,
lá se vão.
Como o herpes,
com Aciclovir,
desaparece, vai-se.
E assim creio que funciona.
Tem de ir.
O tempo vai-se.
E não nos diz para onde.

(Trad. A.M.)




>>  Poetas siglo XXI (info) / Manada Suelta (info)

.

7.12.14

Luís Filipe Castro Mendes (Memento mori)





MEMENTO MORI



Eu vi morrer três pessoas:
a uma acompanhei até ao fim,
no que seria talvez o que lhe restava de vida
ou porventura o que lhe sobrava de morte;
outra morreu quando eu dormia,
longe do hospital:
e tive que atravessar pela madrugada
uma cidade estrangeira
para chegar à sua morte;
e meu Pai, enquanto eu ia
comprar-lhe uma garrafa de oxigénio,
que nunca soube a quem serviu depois.

Nós nunca vemos ninguém morrer,
porque morrer é por dentro de cada um,
como talvez tudo o que tenha algum sentido,
como talvez o amor.

O que verdadeiramente importa
é opaco ao nosso olhar
e cada prova que vivemos
é só e única:
morrer ou ver morrer

e o amor também.


Luís Filipe Castro Mendes


[Tim-Tim no Tibet]

.

6.12.14

Elder Silva (O cavalo de meu pai)





EL CABALLO DE MI PADRE



El caballo mastica el sol entre los pastos,
la luz azulada
que asordina las horas del verano en la pradera.

El caballo de mi padre come en los brotes
de alfalfa, flores de macachín (rosadas),
las pobrecitas flores del tero
que asoman en la hierba.

Espanta los jejenes con su cola
y a los tábanos.
Pone en duda el bostezo del mediodía
cayéndose sobre su propia sombra.

El caballo de mi padre ramillea entre ortigales,
elige en el jugo de la gramilla,
tras las retamas que explotan, entre carquejas.

El caballo de mi padre
se alimenta de poesía.

Elder Silva

[Marcelo Leites]



O cavalo mastiga o sol no lameiro
a luz azulada
que abafa as horas de Verão na pastagem.

O cavalo de meu pai retouça na alfafa
e numas flores cor-de-rosa,
pobres flores que afloram por entre a erva.

Espanta com a cauda mosquitos
e tavos.
E põe em dúvida o bocejo do meio-dia
caindo sobre a sua própria sombra.

O cavalo de meu pai arranha entre as ortigas,
escolhendo o suco da grama,
ao pé das giestas que explodem,
por entre as carquejas.

O cavalo de meu pai
alimenta-se de poesia.

(Trad. A.M.)

.

5.12.14

Luís Amaro (Dádiva)





DÁDIVA



Lá muito ao fundo
daquela estrada
uma luz cintila.
Será a vida?
A meio da noite
escura que existe
dentro de nós mesmos,
uma luz cintila.
Densa névoa envolve
minha sombra indecisa:
mas, pura, lá surge
a luz que cintila.
Tudo a vida nega
à sede antiga e ardente.
Só não se apaga nunca
a pequenina estrela.

Luís Amaro

[Luz & sombra]

.

4.12.14

Alberto Szpunberg (Folhas como asas)





(XII)

Hojas como alas
en el viento,
sorprendidas
por el temblor de la sangre,
íntimos ríos
que llevamos y nos llevan
al encuentro de nosotros,
como un palpito
en el eco sostenido del silencio.

Alberto Szpunberg

[Marcelo Leites]




Folhas como asas
no vento,
surpreendidas
pelo tremer do sangue,
íntimos rios
que levamos e que nos levam
ao encontro de nós,
um pressentimento
no eco prolongado do silêncio.

(Trad. A.M.)

.

3.12.14

Leonard Cohen (Quem come carne)





A person who eats meat
wants to get his teeth into something.
A person who does not eat meat
wants to get his teeth into something else.
If these thoughts interest you for even a moment
you are lost.


Leonard Cohen

[Leonard Cohen]




Quem come carne
pretende ferrar o dente em qualquer coisa.
Quem não come carne
pretende ferrar o dente em qualquer outra coisa.
Se isto te interessa sequer por um instante
estás feito.

(Trad. A.M.)

.

2.12.14

Francisco Madariaga (Canções de viagem a cavalo)





CANCIONES EN UN VIAJE A CABALLO


1
Los caballos nacen para amar secretamente como
las madrugadas.

2
Los caballeros viajan con ponchos de cueros de
ciervos celestes manchados de sangre.

3
Un dolor como el trino de un pájaro de agua,
perdido en la infinitud.

4
El amor de un guerrero cuya lanza tiene el acero
del agua.

5
El terror de los paisajes que se hundieron con
los tesoros del Diablo.

6
Hay cierta agua de oro en la infinitud:
solo la conocieron Jesucristo y Rimbaud.

7
Conservar siempre una tinaja con esa agua.

Francisco Madariaga



1
Os cavalos nascem para amar em segredo como
as madrugadas.
2
Os cavaleiros levam ponchos de coiro de
cervos celestes manchados de sangue.
3
Uma dor, um trinado de um pássaro de água,
perdido no infinito.
4
O amor de um guerreiro cuja lança tem o aço
da água.
5.
O terror de paisagens afundadas
com os tesouros do Demo.
6
Há no infinito uma certa água de ouro:
só souberam dela Jesus Cristo e Rimbaud.
7
Guardar sempre uma talha dessa água.

(Trad. A.M.)


>>  Francisco Madariaga (blogue dedicado) / Taller de poesia (57p) / Poeticas (7p) / Dossiers (dossiê+8p) / Wikipedia


.

1.12.14

Paulo Varela Gomes (Horror-4)





Apetecia-lhe às vezes insultar todas as pessoas por quem passava, esbofetear homens e mulheres, velhos e novos, gritar-lhes na cara a sua raiva.

A fealdade da paisagem era, segundo ele, a fealdade das almas de quem se queria enganar, se deixava roubar e explorar fingindo que não era nada, que tudo o que os dominadores faziam era inevitável, como se fosse verdadeira a liberdade com que se enganavam.

Outros povos, muitos, tinham conquistado o direito a uma vida digna sem destruírem tudo à sua volta e sem se diminuírem moralmente.


PAULO VARELA GOMES
O Verão de 2012
Tinta-da-China (2013)

.

Francisco J. Picón (Usos repetidos)





COSTUMBRES REPETIDAS



Miro
a través de los cristales
de una ventana
el paso intermitente
de la vida

Pausado
pero continuo
el ritmo del ritual
avanza incesante
en busca del mañana
que, pronto,
será otro ayer

Y le pregunto
a la experta ventana
el porqué
de tantas costumbres
repetidas

Los cristales
no responden
con palabras
pero se entumecen
y empañan de rutinas
que me contestan

Bajo la persiana
para obviar lo evidente


Francisco J. Picón

[Con la vida a cuestas]



Olho
pelo vidro
da janela
o passar intermitente
da vida

Pausado
mas contínuo
o ritmo do ritual
avança incessante
em busca do amanhã
que depressa
será ontem

E pergunto
à sabida janela
o porquê
de tantos usos
repetidos

O vidro
não responde
com palavras
mas incha
e embacia de rotinas
que me respondem

Baixo a persiana
para esconder o óbvio

(Trad. A.M.)

.