31.12.12

ÍNDICE DE AUTORES (2005-12)









ABASS, Umar
ACQUARONI, Rosana
AGUIAR, Cristóvão
AGUIAR, Jorge
AGUSTINI, Delmira
ALBERT, Irene
ALBERTI, Rafael
ALEGRE, Manuel
ALEGRIA, Claribel
ALEIXANDRE, Vicente
ALEXANDRE, António Franco
ALIEBURI, Ibne Ayyas
ALISBUNI, Ibne Mucana
ALMEIDA, Fialho
ALMEIDA, José António
ALMUTÂMIDE, Mohâmede
ALMUZARA, Javier
ALONSO, Dámaso
ALVIM, Francisco
AMAR, Ibne
ANDRADE, Carlos Drummond
ANDRADE, Eugénio
ANDRADE, Mário
ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner
ANSELME, Jean l‘
ASSIS, Machado
ATWOOD, Margaret
BANDEIRA, Manuel
BAPTISTA, Amadeu
BAPTISTA, José Agostinho
BARAHONA, António
BARRAL, Juanjo
BARRON, Néstor
BARROS, José Carlos
BARROS, Manoel
BARRUECO, José Ángel
BAUDELAIRE, Charles
BAUTISTA, Amalia
BEAUVOIR, Simone
BEJARANO, Julián
BELLI, Gioconda
BELO, Ruy
BENEDETTI, Mario
BENÍTEZ REYES, Felipe
BERGAMÍN, José
BERTO, Al
BIGURI, Íker
BLANDIANA, Ana
BOCCANERA, Jorge
BOLAÑO, Roberto
BONIFAZ NUÑO, Rubén
BONILLA, Gsús
BONILLA, Juan
BONNETT, Piedad
BORGES, Jorge Luís
BOTAS, Victor
BOTELHO, Renata Correia
BOTTO, António
BRANCO, Camilo Castelo
BRANCO, Rosa Alice
BRANDÃO, Fiama Hasse Pais
BRANDÃO, Raul
BRASIL, Geraldino
BRECHT, Bertolt
BRINES, Francisco
BRITO, Casimiro
BROSSA, Joan
BUKOWSKI, Charles
CABRAL, A.M.Pires
CABRAL, Rui Pires
CADILHE, Gonçalo
CALDERÓN, Teresa
CAMÕES, Luís
CARNEIRO, Mário Sá
CARRIEGO, Evaristo
CARSON, Anne
CARVALHEIRA, Jorge
CARVALHO, Armando Silva
CARVALHO, José Rentes
CARVALHO, Raul
CARVER, Raymond
CASARES, Pablo
CASTELLANOS, Rosario
CASTILLA, Manuel J.
CASTRO, Rosalía
CELAYA, Gabriel
CENTENO, Yvette
CERNUDA, Luís
CESARINY, Mário
CÉSPEDES, Alejandro
CHAR, René
CICERO, Antonio
CINATTI, Ruy
CONTARDI, Marilyn
CORREDOR-MATHEOS, José
CORREIA, João Araújo
CORREIA, Natália
CORTÁZAR, Julio
CRAWFORD, Robert
CRESPO, Ángel
CRUZ, Sor Juana Inês
CUENCA, Luis Alberto
DALTON, Roque
DAS, Javier
DEUS, João
DIAS, Inês
DIAS, Saul
DÍAZ-GRANADOS, Federico
DIEGO, Eliseo
DIONÍSIO, Mário
DOCE, Jordi
DURRELL, Lawrence
EDSON, Russel
EIRAS, Pedro
ELOY BLANCO, Andrés
ELUARD, Paul
ERRASTI, Eduardo
ESPANCA, Florbela
ESPINA, Jorge
FAFE, José Fernandes
FELIPE, León
FERNÁNDEZ MORENO, Baldomero
FERREIRA, David Mourão
FERREIRA, José Gomes
FERREIRO, Celso Emilio
FERRUZ, Raul
FIGUEIREDO, Tomaz
FONOLLOSA, José María
FONSECA, Manuel
FONTE, Ramiro
FORTE, António José
FREITAS, Manuel
GALARZA, Javier
GALEANO, Eduardo
GALLEGO, Vicente
GAMONEDA, Antonio
GARCÍA CALVO, Agustín
GARCÍA CASADO, Pablo
GARCÍA LORCA, Federico
GARCÍA MARTÍN, José Luis
GARRETT, Almeida
GIANNUZI, Joaquín
GELMAN, Juan
GIDE, André
GIL DE BIEDMA, Jaime
GIOIA, Dana
GIRONDO, Oliverio
GONZÁLEZ, Angel
GONZÁLEZ, David
GONZÁLEZ, Ulalume
GONZÁLEZ ANSORENA, Luis
GONZÁLEZ IGLESIAS, Juan Antonio
GONZÁLEZ MORENO, Pedro A.
GOROSTIZA, José
GOYTISOLO, José Agustín
GRANDE, Félix
GREGÓRIO, António
GUEDEA, Rogelio
GULLAR, Ferreira
GUTIÉRREZ VEGA, Hugo
HAHN, Óscar
HATHERLY, Ana
HELDER, Herberto
HERCULANO, Alexandre
HERNÁNDEZ, Francisco
HERNÁNDEZ, Miguel
HERNÁNDEZ, Paz
HIDALGO, José Luis
HILST, Hilda
HORTA, Maria Teresa
HUIDOBRO, Vicente
INÁCIO, Ana Paula
IRIBARREN, Karmelo C.
JEANSON, Henri
JONAS, Daniel
JORGE, João Miguel Fernandes
JORGE, Luiza Neto
JUARISTI, Jon
JUARROZ, Roberto
JÚDICE, Nuno
JUNQUEIRO, Guerra
KAVAFIS, Konstandinos
KNOPFLI, Rui
LACERDA, Alberto
LAINE, Jarkko
LEIRIA, Mário-Henrique
LEMINSKI, Paulo
LEVI, Jan Heller
LIMA, Ângelo
LISPECTOR, Clarice
LIZALDE, Eduardo
LLANOS, Eduardo
LOBO, Francisco Rodrigues
LOPES, Adília
LOPES, Fernão
LÓPEZ CORTÉS, Pura
LÓPEZ PACHECO, Jesus
LUHRMANN, Baz
MACEDO, Helder
MACHADO, Antonio
MÃE, Valter Hugo
MAILLARD, Chantal
MARGARIT, Joan
MARTINS, Albano
MARTINS, Miguel
MARZAL, Carlos
MATTOS, António Almeida
MEDINA, Dante
MEIRELES, Cecília
MENDES, Murilo
MENDONÇA, José Tolentino
MERINI, Alda
MERINO, Ana
MESTRE, Juan Carlos
MEXIA, Pedro
MEZQUITA, Nuria
MIGUÉIS, José Rodrigues
MIRANDA, Francisco Sá
MITRE, Eduardo
MONETTE, Hélène
MONTEIRO, Adolfo Casais
MONTEJO, Eugenio
MONTOJO MICÓ, Ana
MORAES, Vinicius
MORIN, E.
MOURA, Gabriela
MUÑOZ LAGOS, Marino
MUÑOZ ROJAS, José Antonio
MUTIS, Álvaro
NAMORA, Fernando
NAMORADO, Joaquim
NAVA, Luís Miguel
NEGREIROS, Almada
NEJAR, Carlos
NEMÉSIO, Vitorino
NERUDA, Pablo
NESSI, Alberto
NETO, João Cabral de Melo
NEUMAN, Andrés
NIETZSCHE, Friedrich
NOVELLI, Aldo Luis
NÚÑEZ, Aníbal
OCAMPO, Silvina
OLIVEIRA, Carlos
OLIVEIRA, Carlos Mota
OLIVEIRA, José Alberto
OLIVEIRA, Mário Rui
O’NEILL, Alexandre
ORIHUELA, Antonio
ORS, Miguel d’
ORTIZ, Fernando
ORY, Carlos Edmundo
OSÓRIO, António
OTERO, Blas
PACHECO, Fernando Assis
PACHECO, José Emilio
PALAU, Josep
PANERO, Juan Luis
PANERO, Leopoldo María
PARISO, Valeria
PARRA, Josefa
PARRA, Nicanor
PARRADO, Luís Filipe
PARREÑO, José María
PAVESE, Cesare
PAZ, Octavio
PEDREIRA, Maria do Rosário
PEDRONI, José
PEIXOTO, José Luís
PÉREZ CABAÑA, Rosario
PÉREZ CAÑAMARES, Ana
PÉREZ MONTALBÁN, Isabel
PERI ROSSI, Cristina
PESSANHA, Camilo
PESSOA, Fernando
PESSOA, Fernando (A.Caeiro)
PESSOA, Fernando (A.Campos)
PESSOA, Fernando (R.Reis)
PETISME, Ángel
PIMENTA, Alberto
PINA, Manuel António
PIQUERO, José Luis
PIRES, Graça
PITTA, Eduardo
PIZARNIK, Alejandra
PLATH, Sylvia
PRADO, Adélia
PRÉVERT, Jacques
QUART, Pere
QUINTANA, Mário
RAMOS, Pepe
RAMOS SIGNES, Rogelio
RANGEL, Violeta C.
RASCÓN, Patricio
RÉGIO, José
REIS, António
REYES, Miriam
RIBEIRO, Aquilino
RIBEIRO, Bernardim
RIECHMANN, Jorge
RITSOS, Yannis
RODRÍGUEZ, Claudio
RODRÍGUEZ, Josep M.
RODRÍGUEZ, Lucas
ROJAS, Gonzalo
ROJAS HERAZO, Héctor
ROMERO, Kutxi
ROSA, António Ramos
ROSSETTI, Ana
RUSHIN, Kate
SABINES, Jaime
SAFO
SALINAS, Pedro
SALVAGO, Javier
SAMPAIO, Jaime Salazar
SÁNCHEZ CARRÓN, Irene
SÁNCHEZ ROSILLO, Eloy
SANTOS, José Carlos Ary
SANZ, María
SARA, Ibne
SENA, Jorge
SERPA, Alberto
SEXTON, Anne
SEVILLA, Pedro
SICILIA, Javier
SILVA, José Mário
SILVA, José Miguel
SIMONOV, Konstantin
STABILE, Uberto
STRAND, Mark
TAGORE, Rabindranath
TAVARES, Gonçalo M.
TEILLIER, Jorge
THEOBALDY, Jürgen
TORGA, Miguel
TRAMÓN, Marcos
UÁZIR, Abdalá Ibne
UGIDOS, Silvia
VALDÉS, Zoé
VALENTE, José Ángel
VALÉRY, Paul
VALLEJO, César
VALLVEY, Ángela
VALVERDE, Álvaro
VARELA, Blanca
VAZ, Eva
VEGA, Alberrto
VERDE, Cesário
VICENTE, Gil
VILA-MATAS, Enrique
VILARIÑO, Idea
VILLENA, Luis Antonio
VITALE, Ida
WANG, Berna
WILLIAMS, W. C.
WOLFE, Roger
YEATS, W.B.
YOURCENAR, Marguerite
ZAÍD, Gabriel
ZUÑIGA, José Luis

.

30.12.12

Violeta C. Rangel (O fumo, os cafés)





O fumo, os cafés, o gajo que te traz de madrugada,
aquele parceiro que escapou, este que vem acordar-te,
as carícias, a coragem, uma manhã com Rimbaud…

Se o que ajuda a viver, o verdadeiro, custa quase nada
porque é tão alto o preço da vida?



Violeta C. Rangel

(Trad. José Colaço Barreiros)



[Canal de poesia]


.


29.12.12

Ibne Sara (Alvorada)





ALVORADA




anunciam a alvorada
o fresco da brisa
e a bebedeira de um amigo
e o morrer da lâmpada


Ibne Sara



[Lavorare stanca]


.



28.12.12

Jesús López Pacheco (Aspirina para minha mãe)





TABLETA DE ASPIRINA PARA MI MADRE



Hoy que no puedo abrazarte
recuerdo uno a uno los abrazos
que no te he dado.
Y por si acaso, como ayer, te duele
la cabeza, te mando esta aspirina.
Tómatela con un vaso de agua,
madre de hijo difícil que jamás
ha sabido escribirte
la carta que una madre espera siempre.


Jesús López Pacheco




Hoje que não posso abraçar-te
recordo um por um os abraços
que não te dei.
E para o caso de te doer, como ontem,
a cabeça, mando-te esta aspirina.
Toma-a com um copo de água,
mãe de filho difícil que jamais
te soube escrever
a carta de que uma mãe
está sempre à espera.


(Trad. A.M.)

.


27.12.12

Coitado do Jorge (78)





A FILHA DO MARCENEIRO





- Quem? Não faço a mais pequena ideia...


- Achas que a internaram?


.

Victor Botas (Destes mil livros)





De este millar y pico de libros que celosamente guardan
los anaqueles de mi biblioteca,
apenas diez
o doce
merecen ser nombrados. (Tu mirada
me falta;
de otro modo
toda literatura sería inútil).


Victor Botas




Destes mil livros e picos
que as minhas estantes
guardam zelosamente,
só dez ou doze
merecem menção.
(Falta-me o teu olhar;
sem ele
toda a literatura seria inútil).


(Trad. A.M.)

.

26.12.12

Francisco Alvim (Discordância)





DISCORDÂNCIA



Dizem que quem cala consente
eu por mim
quando calo dissinto
quando falo
minto


Francisco Alvim


.

25.12.12

Vicente Gallego (A infância)




LA INFANCIA



La infancia en mi memoria es un derroche,
una inmensa fortuna en el desierto,
una flor en las manos de un cosaco,
un tiempo en que creí no tener nada
y sin saberlo tuve lo más grande:
esa firme creencia en que los años
pondrían a mis pies el mundo entero.
La infancia se parece a esos regalos
que a los niños les hacen para luego,
diciendo que los guarden, que algún día
aprenderán sin duda a utilizarlos.
La infancia es un regalo que disgusta
porque uno no sabe de qué sirve,
y, cuando al fin lo entiende, ya lo ha roto.


Vicente Gallego



A minha infância na memória é um desperdício,
uma imensa fortuna no deserto,
uma flor nas mãos de um cossaco,
um tempo em que julguei nada ter
e tive sem saber o mais importante,
a crença firme de que os anos
me poriam aos pés o mundo inteiro.
A infância é parecida com esses presentes
que se dão às crianças para mais tarde,
dizendo-lhes guardai-os, que um dia
aprendereis a usá-los.
A infância é um presente que desagrada,
porque não sabemos para que é que serve
e, quando aprendemos, já o quebrámos.


(Trad. A.M.)

.

24.12.12

Ver (123)




(Furnas>S.Miguel)



.

Valeria Pariso (Dentro de um copo azul)





Adentro de un vaso azul
a través de la ventana del living
apretando la cara contra las rejas
con el brazo derecho estirado
hasta que las puntas de mis dedos queman
junto agua de lluvia.

A tu amor
lo junto de un modo más extraño todavía.


Valeria Pariso


[El poeta ocasional]



Num copo azul
através da janela da sala
a cara contra a persiana
com o braço esticado
até queimar as pontas dos dedos
junto água da chuva.

Teu amor
junto-o dum modo mais estranho ainda.


(Trad. A.M.)

.

23.12.12

Fernando Pessoa / A. Caeiro (Da mais alta janela)





Da mais alta janela da minha casa
Com um lenço branco digo adeus
Aos meus versos que partem para a humanidade.


E não estou alegre nem triste.
Esse é o destino dos versos.
Escrevi-os e devo mostrá-los a todos
Porque não posso fazer o contrário
Como a flor não pode esconder a cor,
Nem o rio esconder que corre,
Nem a árvore esconder que dá fruto.


Ei-los que vão já longe como que na diligência
E eu sem querer sinto pena
Como uma dor no corpo.


Quem sabe quem os lerá?
Quem sabe a que mãos irão?


Flor, colheu-me o meu destino para os olhos.
Árvore, arrancaram-me os frutos para as bocas.
Rio, o destino da minha água era não ficar em mim.
Submeto-me e sinto-me quase alegre,
Quase alegre como quem se cansa de estar triste.


Ide, ide de mim!
Passa a árvore e fica dispersa pela Natureza.
Murcha a flor e o seu pó dura sempre.
Corre o rio e entra no mar e a sua água é sempre a que foi sua.


Passo e fico, como o Universo.



Alberto Caeiro

.

22.12.12

Umar Abass (Minha casa)





MI CASA



En mi casa espero la vuelta del sol, el viento
que hinche las sábanas,
las bruscas nubes de la primavera.
Me entrega la casa su seco mendrugo y la inquietud
de quien en ella ha visto anochecer
en una cadencia que no es nueva.
Ajena a la memoria, me tiende sus paredes (¿porque en ella
está lo que yo busco, lo que en vano busqué
en remotas aduanas? No lo sé.).
Yo la oigo, como se oye al niño que llora en la memoria,
como se oye un río bajo la densa arena.
Y digo "mi casa", pero debiera decir que soy suyo,
la parte de mi casa que baja a por tabaco, a por naranjas
la parte que mañana, mañana mismo,
se sube a un avión y ya no vuelve.
Yo hice esta casa. Ella me ha hecho. No estamos en paz.


UMAR ABASS
El sueño de Dakhla
(2008)


[El alma disponible]




Em casa espero a volta do sol, o vento
que inche os lençóis,
as bruscas nuvens da Primavera.
A casa me entrega a côdea resseca e a inquietude
de quem nela viu a noite cair
numa antiga cadência.
Alheia à memória, estende-me as paredes (porque está
nela o que busco, o que busquei em vão
em remotas aduanas? Não sei).
Escuto-a, como se ouve a criança a chorar na memória,
ou se ouve um rio debaixo da areia densa.
E digo “minha casa”, mas eu é que lhe pertenço,
parte da casa que sai por tabaco, ou por laranjas,
a parte que amanhã, amanhã mesmo,
embarcará de avião e não voltará.
Eu fiz a casa. Ela fez-me a mim. Não estamos em paz.


(Trad. A.M.)

.

21.12.12

João Araújo Correia (As escolas de primeiras letras)





As escolas de primeiras letras...

Cerro as pálpebras e vejo-me, aos quatro ou cinco anos, na aula da mestra régia de Canelas.

A minha irmã mais velha levava-me à lição para eu não brincar com a canalha da rua.

Ia todo contente, porque não apanhava bolas, não tinha ABC nem cartilha – passava as horas entretido com um regrão a desenhar macacos numa loisa.

Dava-me muito mimo a Senhora Mestra e as meninas grandes. (...)

Não se abria a janela da escola nas manhãs cálidas.

O sol alegrava o traço da porta.

Avançava, marcando os minutos no sobrado escuro.

Os raios que desciam da telha vã projectavam-se na cabeça guedelhuda das raparigas da aldeia ou sujavam o chão com nódoas de luz, moedas de oiro reluzente que eu chocalhava na palma da minha mão.



- JOÃO DE ARAÚJO CORREIA, Sem Método, LXVI.

.

Ulalume González (Canções quase sem palavras)





CANCIONES CASI SIN PALABRAS



1
Tán lejos
             vuela
                      el pájaro
que entre él y yo cabría cualquier fábula.

2
Había que elegir
entre ser la mañana
o ponerse a escribirla.

3
Oh retama amarilla,
tán amarilla,
                      tán,
que perdí la costumbre.

4
De una palabra a otra
cambió el viento a la nube
y escribí una mentira.


Ulalume González de León



1
Tão longe
               o pássaro
                              voa
que entre ele e mim cabia qualquer fábula.

2
Há que escolher
entre ser a manhã
ou então escrevê-la.

3
Ó giesta amarela,
tão amarela,
                    tão,
que perdi o hábito.

4
Duma palavra a outra
a nuvem mudou com o vento
e uma mentira escrevi.


(Trad. A.M.)

.

20.12.12

Eugénio de Andrade (Arrepio na tarde)





ARREPIO NA TARDE



Não sei quem, nem em que lugar,
mas alguém me deve ter morrido.
Senti essa morte num arrepio da tarde.
Qualquer amigo, um dos vários
que não conheço e só a poesia
sustenta. Talvez a morte fosse
outra: um pequeno réptil
no sol súbito e quente de Março
esmagado por pancada certeira;
um cão atropelado por um bruto
que, ao volante, se julga um deus
de arrabalde, com sucesso garantido
junto de três ou quatro putas de turno.
Talvez a de uma estrela, porque também
elas morrem, também elas morrem.


Eugénio de Andrade


[Las cosas que hemos visto]


.

19.12.12

Teresa Calderón (Cai o pano)





CAE EL TELÓN



Sin estrépito ni grandilocuencia
Con la dignidad de morirse como corresponde
Puede acompañarse con música de fondo
Se sugiere Albinoni pero puede ser una cumbia o un corrido o una cueca
Al fin y al cabo se trata de su propia muerte
por lo menos puede usted decidir
qué gallo quiere que le cante


Teresa Calderón




Sem estrépito nem grandiloquência
Com a dignidade de morrer como é devido
Pode acompanhar-se com música de fundo
Sugere-se Albinoni mas pode ser uma cumbia um corrido uma cueca
Afinal trata-se da tua própria morte
podes escolher pelo menos
que galo queres que te cante


(Trad. A.M.)


.

18.12.12

Ver (122)





(Doiro)


.

Silvina Ocampo (Única sabedoria)





ÚNICA SABIDURÍA



Lo único que sabemos
es lo que nos sorprende:
que todo pasa, como
si no hubiera pasado.


Silvina Ocampo




O que sabemos
é o que nos espanta:
que tudo passa, como
se não passasse.


(Trad. A.M.)

.

17.12.12

Dana Gioia (Prece)





PRAYER



Echo of the clocktower, footstep
in the alleyway, sweep
of the wind sifting the leaves.


Jeweller of the spiderweb, connoisseur
of autumn’s opulence, blade of lightning
harvesting the sky.


Keeper of the small gate, choreographer
of entrances and exits, midnight
whisper travelling the wires.


Seducer, healer, deity or thief,
I will see you soon enough
—in the shadow of the rainfall,


in the brief violet darkening a sunset—
but until then I pray watch over him
as a mountain guards its covert ore


and the harsh falcon its flightless young.


DANA GIOIA
The Gods of Winter
(1991)




Eco do relógio da torre, pegada
no chão da avenida, o vento
a varrer peneirando as folhas.


Joalheiro da teia de aranha, perito
da outonal opulência, folha de raio
ceifando o céu.


Porteiro da porta estreita, coreógrafo
de entradas e saídas, nocturno
murmúrio viajando nos fios.


Sedutor, curandeiro, divindade ou ladrão,
estarei contigo muito em breve
- na sombra da chuva,


no fugaz crepúsculo violeta -
mas até lá olha por ele
como o monte guarda o seu minério


ou o falcão o filho que ainda não voa.


(Trad. A.M.)

.



16.12.12

Rubén Bonifaz Nuño (Que mulher recordamos)





Cuál es la mujer que recordamos
al mirar los pechos de la vecina
de camión; a quién espera el hueco
lugar que está al lado nuestro, en el cine?
¿A quién pertenece el oído
que oirá la palabra más escondida
que somos, de quién es la cabeza
que a nuestro costado nace entre sueños?


Hay veces que ya no puedo con tanta
tristeza, y entonces te recuerdo.
Pero no eres tú. Nacieron cansados
nuestro largo amor y nuestros breves
amores; los cuatro besos y las cuatro
citas que tuvimos. Estamos tristes.
Juntos inventamos un concierto
para desventura y orquesta, y fuimos
a escucharlo serios, solemnes,
y nada entendimos. Estamos solos.


Tú nunca sabrás, estoy cierto,
que escribí estos versos para ti sola;
pero en ti pensé al hacerlos. Son tuyos.


Ustedes perdonen. Por un momento
olvidé con quién estaba hablando.
Y no sentí el golpe de mi ventana
al cerrarse. Estaba en otra parte.


Rubén Bonifaz Nuño


[Noctambulario]




Que mulher recordamos
ao olhar os peitos da vizinha
no autocarro; por quem espera,
no cinema, o lugar vazio ao nosso lado?
A quem pertence o ouvido
que ouvirá a palavra mais escondida
que somos, de quem a cabeça
que nos nasce entre sonhos nas costas?


Às vezes já não posso com tanta
tristeza, e então recordo-te.
Mas não és tu. Nasceram cansados
o nosso longo amor e os breves;
os quatro beijos e os nossos
quatro encontros. Estamos tristes.
Inventámos juntos um concerto
para desventura e orquestra,
e fomos ouvi-lo sérios, solenes,
e nada entendemos. Estamos sós.


Tu, estou certo, jamais saberás
que escrevi estes versos para ti;
mas em ti pensei ao fazê-los, são teus.


Perdoem-me vocês, por um instante
esqueci com quem falava.
E não senti o bater da janela
ao fechar-se. Estava noutro lugar.


(Trad. A.M.)

.

15.12.12

João Araújo Correia (Linguagem popular)






Aprecio, desde que me entendo, a linguagem popular.

Tenho de memória inéditos vocábulos e modos-de-dizer ouvidos à gente inculta em todo o Portugal.

Em lugares da mesma freguesia, notei variações de fonética salientes.

Quando li o Fernão Lopes, há um ror de anos, descobri com alvoroço que eram irmãs a sua sintaxe e a do povo da minha aldeia natal.

Duas regras escritas do punho de vizinho meu pareciam arrancadas à crónica de Pedro.



- JOÃO DE ARAÚJO CORREIA, Sem Método, XVIII.


.

Joaquín Giannuzi (Crenças de jardim)





CREENCIAS DE JARDIN



La última línea de sol
desciende de hoja en hoja. La luz desfallece
hacia el extremo de una escala tardía.
Ambos sufren en el jardín de la retórica
de ese drama mecánico. Ella dice:
mira, eso es el tiempo encarnado
que alimenta su medida; él asiente,
verifica con un anhelo estremecido
el naufragio del día y de los cuerpos.
Entonces callan bajo una especie de sacrificio.
Convierten esta hora delgada y ambigua
en la herida de una religión aterradora.
Y aunque el viento es suave y las flores repiten
un probable manifiesto de resurrección
ellos esperan la oscuridad nocturna para mentirse
sobre la mutación de las cosas y su sentido.


Joaquín Giannuzi




A última linha do sol
vai descendo de folha em folha.
A luz desfalece até ao ponto último
de uma escala tardia.
Ambos sofrem no jardim da retórica
desse drama mecânico. Ela diz:
olha, este é o tempo encarnado
que lhe alimenta a medida; ele assente,
constatando o naufrágio do dia e dos corpos
com um suspiro estremecido.
Então calam-se, numa espécie de sacrifício.
Convertem essa hora estreita e ambígua
na ferida duma religião aterradora.
E apesar do vento suave e de as flores anunciarem
um manifesto provável de ressurreição
ambos esperam o escuro da noite
para se mentirem sobre
a mutação das coisas e do seu sentido.


(Trad. A.M.)

.

14.12.12

Charles Bukowski (Sim, claro)





SIM, CLARO



há coisas piores do que
estar só
mas em geral leva décadas
a perceber-se
e frequentemente
quando se percebe
é tarde de mais
e nada há pior
do que
demasiado tarde.


Charles Bukowski

(Trad. F.Carvalho)


[Revista TriploV]

.

13.12.12

Jesús López Pacheco (A Noma e Wes Flint)





A NOMA Y WES FLINT



Canadá, página de nieve. Empiezo
lentamente a escribir en ti los pasos
de la segunda parte de mi vida.
Casi temo mancharte la blancura
con huellas del dolor que me he traído.
Para escribir en nieve versos nuevos
yo quisiera ser blanco. Pero tengo
el color de la vida que he vivido.


Jesús López Pacheco




Canadá, página de neve. Começo
a escrever em ti, lentamente, os passos
da segunda parte da minha vida.
Quase temo manchar-te a brancura
com rastos da dor que me trouxe.
Para escrever em neve versos novos
eu queria ser branco. Mas tenho
é a cor da vida que vivi.


(Trad. A.M.)



>>  Filosofia (nota bio) / Palabra virtual / Wikipedia


.

12.12.12

Olhar (120)






Terceira>Açores

.

Rosario Castellanos (Destino)





DESTINO



Matamos lo que amamos. Lo demás
no ha estado vivo nunca.
Ninguno está tan cerca. A ningún otro hiere
un olvido, una ausencia, a veces menos.
Matamos lo que amamos. ¡Que cese ya esta asfixia
de respirar con un pulmón ajeno!
El aire no es bastante
para los dos. Y no basta la tierra
para los cuerpos juntos
y la ración de la esperanza es poca
y el dolor no se puede compartir.


El hombre es animal de soledades,
ciervo con una flecha en el ijar
que huye y se desangra.


Ah, pero el odio, su fijeza insomne
de pupilas de vidrio; su actitud
que es a la vez reposo y amenaza.


El ciervo va a beber y en el agua aparece
el reflejo de un tigre.
El ciervo bebe el agua y la imagen. Se vuelve
- antes que lo devoren - (cómplice, fascinado)
igual a su enemigo.


Damos la vida sólo a lo que odiamos.


Rosario Castellanos




Matamos aquilo que amamos. O resto
nunca esteve vivo.
Ninguém está tão perto assim. Ninguém
se fere com um olvido, uma ausência, às vezes menos.
Matamos aquilo que amamos. Cesse já esta asfixia
de respirar com um pulmão alheio!
O ar não é bastante
para os dois. E não basta a terra
para os corpos juntos
e é parca a ração de esperança
e a dor não pode partilhar-se.


O homem é animal de solidão
cervo que foge e sangra
com uma flecha na ilharga.


Ah, mas o ódio, essa fixidez insone
de pupilas de vidro, essa atitude
ora repouso ora ameaça.


O cervo vai a beber e na água aparece
o reflexo de um tigre.
O cervo bebe a água e a imagem. Torna-se
- antes que o devorem – (cúmplice, fascinado)
igual ao seu inimigo.


Damos vida àquilo só que odiamos.


(Trad. A.M.)



> Outra versão: Raposas a sul (António Cabrita)

.

11.12.12

Carlos Drummond de Andrade (Elegia 1938)





ELEGIA 1938



Trabalhas sem alegria para um mundo caduco,
onde as formas e as ações não encerram nenhum exemplo.
Praticas laboriosamente os gestos universais,
sentes calor e frio, falta de dinheiro, fome e desejo sexual.


Heróis enchem os parques da cidade em que te arrastas,
e preconizam a virtude, a renúncia, o sangue-frio, a concepção.
À noite, se neblina, abrem guarda-chuvas de bronze
ou se recolhem aos volumes de sinistras bibliotecas.


Amas a noite pelo poder de aniquilamento que encerra
e sabes que, dormindo, os problemas te dispensam de morrer.
Mas o terrível despertar prova a existência da Grande Máquina
e te repõe, pequenino, em face de indecifráveis palmeiras.


Caminhas entre mortos e com eles conversas
sobre coisas do tempo futuro e negócios do espírito.
A literatura estragou tuas melhores horas de amor.
Ao telefone perdeste muito, muitíssimo tempo de semear.


Coração orgulhoso, tens pressa de confessar tua derrota
e adiar para outro século a felicidade coletiva.
Aceitas a chuva, a guerra, o desemprego e a injusta distribuição
porque não podes, sozinho, dinamitar a ilha de Manhattan.



Carlos Drummond de Andrade

.

10.12.12

Roger Wolfe (A tortura)





LA TORTURA, VIEJO Y LITERARIO GÉNERO...



Me hablaba
del cielo de Esmirna,
de las doradas cúpulas
que alumbraba la tarde veneciana,
del aire perfumado y cómplice de ciertas
umbrosas callejuelas tunecinas, la belleza
inenarrable de Florencia,
y –cómo iba a faltar–
de ese cafetín donde en Lisboa
martirizaba los versos el Poeta...


Hay gente en ocasiones que desea
que fuera un libro, para así
poder cerrarla con un sonoro y seco
golpe de la mano, sin marcar la página,
y devolverla luego para siempre
al lugar en que por derecho
corresponde:
los mustios anaqueles
de una rancia biblioteca.


Roger Wolfe


[Apología de la luz]




Falava-me
do céu de Esmirna,
das cúpulas de ouro
iluminadas pela tarde veneziana,
do ar perfumado e cúmplice de certas
ruelas sombrias de Tunes, a beleza
indizível de Florença,
e – como poderia faltar –
aquele cafézinho em Lisboa
onde o Poeta martirizava os versos...


Há pessoas por vezes que
deviam ser um livro, para
podermos fechá-las com um seco e
sonoro gesto da mão, sem marcar a página,
e restitui-la para sempre
ao lugar que por direito lhes cabe,
a estante murcha
de uma biblioteca antiga.


(Trad. A.M.)

.

9.12.12

Um verso (113)





Um verso de Camões
(repetido, mais uns pós):




Vinde cá meu tão certo secretário
dos queixumes que sempre ando fazendo,
papel, com que a pena desafogo!




Luís de Camões

.

Patricio Rascón (Neve -b)





NIEVE (B)



Sólo tengo 19 años
Pero no puedo levantarme

Estoy tirado en la acera
Sobre la nieve
Y no puedo levantarme

La gente pasa de largo

Dos colegas se detienen
Uno me ofrece café
Otro
Un porro

Pero lo único que necesito
Es que me ayuden a levantarme

Lo mismo que quería
Antes de emborracharme


Patricio Rascón


[Escritores sucios]




Tenho só 19 anos
Mas não consigo levantar-me

Estou estirado no passeio
Em cima da neve
E não consigo levantar-me

As pessoas passam ao largo

Dois colegas param
Um oferece-me café
Outro
Um charro

Mas o que eu preciso
É que me ajudem a levantar

O mesmo que queria
Antes de me embebedar


(Trad. A.M.)

.

8.12.12

António José Forte (Poema)





POEMA



Alguma coisa onde tu parada
fosses depois das lágrimas uma ilha,
e eu chegasse para dizer-te adeus
de repente na curva duma estrada

alguma coisa onde a tua mão
escrevesse cartas para chover
e eu partisse a fumar
e o fumo fosse para se ler

alguma coisa onde tu ao norte
beijasses nos olhos os navios
e eu rasgasse o teu retrato
para vê-lo passar na direcção dos rios

alguma coisa onde tu corresses
numa rua com portas para o mar
e eu morresse
para ouvir-te sonhar


António José Forte



>>  Corpo de Ninguém (Poesia toda) / Poesias e prosas (12p) / Modo de usar (6p)

.

7.12.12

Rogelio Guedea (Dylan Thomas deu-me o pintassilgo)





dylan thomas me dio su jilguerito para que cantara
mi llorar. el jilguerito de dylan entró por el sol de
una mañana y se quedó parado como una eternidad.
quieto a ras de mi alma. sus alas movían los esqueletos
de mi ser. y mi ser estaba ahogado. sucio. lejos como
un desterrado. qué puede callar un desterrado. qué
no puede reclamar. un desterrado es el más sufridor
del mundo. un desterrado debe tener al jilguerito de
dylan para hacer justicia. para matar la dictadura.
para que no deje de llover. eso es lo único que puede
hacer un desterrado. es decir mi corazón.


Rogelio Guedea




dylan thomas deu-me o pintassilgo para cantar
o meu pranto. o pintassilgo entrou pelo sol
da manhã e ficou ali parado uma eternidade.
quedo ao pé da minha alma. as asas moviam os esqueletos
do meu ser. e meu ser estava afogado. imundo. longe
como um desterrado. e o que pode um desterrado calar.
o que é que não pode reclamar. um desterrado é quem
mais sofre no mundo. um desterrado tem de ter o pintassilgo
de dylan para fazer justiça. para matar a ditadura.
para não deixar de chover. é só isso o que pode
fazer um desterrado. quer dizer o meu coração.


(Trad. A.M.)

.

6.12.12

João Araújo Correia (Caminho de Consortes - Vocabulário)






àgora (interj. discordância / àgora malha, fidalgo)

almofaçar (escovar, com almofaça, escova de ferro / ... o lombo dum morzelo era para ele uma volúpia)

andilha (cadeirinha, sobre a albarda / quando sacudia as patas, baloiçava-lhe, no serro, uma...)

botocudo (atarracado, grosso e baixo / homem...)

caminho (... de consortes / caminho de servidão, particular)

carranca (rosto, cara, face / subiu-lhe à... o doairo dum navegador)

desamão (fora de mão, ao lado / fica-lhe um pouco à desamão, mas é o melhor da cidade)

desdar (desfazer / um nó cego que os seus dedos não podiam...)

despedir (sair, partir, ir embora / picou o burro e despediu)

doairo (semblante, ar, jeito / subiu-lhe à carranca o... dum navegador)

engranzado (paus engranzados uns nos outros / enfiados, enganchados, encadeados)

escancha (passada larga / incapaz de dar salto ou... na via amorosa)

mandulho* (o trabalho era pouco: mandulhos e ajudar o patrão / recado, mandalete?)

manjadoira (populismo de ‘manjedoura’)

mazombo (macambúzio, sorumbático / homem...)

morzelo (cavalo preto / almofaçar o lombo dum... era para ele uma volúpia)

mucama (macuma, criada ou escrava / enquanto as mucamas... faziam do terreno calcadoiro)

pinhoca (dim. ‘pinha’, pilha, ruma, monte, conjunto, aglomerado / esta... de casas)

piqué (gira-discos, de ‘pick-up’ / o barulho do... no largo do cruzeiro)

poisona (pouseira, vagarosa, lenta? / muito desembaraço. Há novas mais poisonas)

rebatinha (atirar para o monte, multidão / desperdiçava o milho, jogando-o às rebatinhas sobre os bicos ávidos)

relho (ê) (chicote de três pontas)

topetar (mover o topete, cabeça, parte mais alta / as árvores, topetando, diziam)

triaga (subst. muito amarga, remédio caseiro / não é café. O que me dás é uma...)

trinque (bom estado, esmero / viúva ainda no...)

trombalazana (palerma, ind. ingénuo / era um... grandalhão e mal feito)

valisa (mala pequena / pendia-lhe, da mão direita, uma... de coiro)


______________________

(*) N/encontrado nos dicionários.

.

Roberto Juarroz (Há palavras que não dizemos)





Há palavras que não dizemos
e que pomos sem dizê-las nas coisas.


E as coisas guardam-nas,
e um dia respondem-nos com elas
e salvam-nos o mundo,
como um amor secreto
em cujos dois extremos
há uma só entrada.


Não haverá uma palavra
dessas que não dizemos
que tenhamos colocado
sem querer no nada?



ROBERTO JUARROZ
Poesia Vertical (Antologia)
Trad. Arnaldo Saraiva
Campo das Letras (1998)

.

5.12.12

António Gregório (A relíquia)





A RELÍQUIA



A noite inteira a copiar de um livro para
outro as impressões do uso: ela dobra os cantos
às páginas faz sublinhados tortos por
causa da má postura e aflige o pouquíssimo
cuidado que tem com o café e o chocolate.

Não deu por nada quando lhe devolvi a
cópia – de tão bem feita; talvez o cheiro
diferente a denunciasse mas a isso
de nós apenas eu era ainda sensível.



ANTÓNIO GREGÓRIO
American Scientist
Quasi (2007)


[O melhor amigo]


.

4.12.12

Roberto Bolaño (Os cães românticos)





LOS PERROS ROMÁNTICOS



En aquel tiempo yo tenía veinte años
y estaba loco.
Había perdido un país
pero había ganado un sueño.
Y si tenía ese sueño
lo demás no importaba.
Ni trabajar ni rezar
ni estudiar en la madrugada
junto a los perros románticos.
Y el sueño vivía en el vacío de mi espíritu.
Una habitación de madera,
en penumbras,
en uno de los pulmones del trópico.
Y a veces me volvía dentro de mí
y visitaba el sueño: estatua eternizada
en pensamientos líquidos,
un gusano blanco retorciéndose
en el amor.
Un amor desbocado.
Un sueño dentro de otro sueño.
Y la pesadilla me decía: crecerás.
Dejarás atrás las imágenes del dolor y del laberinto
y olvidarás.
Pero en aquel tiempo crecer hubiera sido un crimen.
Estoy aquí, dije, con los perros románticos
y aquí me voy a quedar.


Roberto Bolaño


[Isla Kokotero]




Eu tinha vinte anos então
e estava louco.
Tinha perdido um país
mas ganhara um sonho.
E se tinha esse sonho
o resto não importava.
Nem trabalhar nem rezar
nem estudar de madrugada
com os cães românticos ao pé.
E o sonho vivia no vazio do meu espírito.
Uma casa de madeira,
a meia luz,
num dos pulmões do trópico.
E às vezes virava-me dentro de mim
e visitava o sonho, estátua eternizada
em pensamentos líquidos,
uma bicha branca retorcendo-se
no amor.
Um amor desbocado.
Um sonho dentro de outro sonho.
E o pesadelo dizia-me: crescerás.
Deixarás para trás as imagens da dor e do labirinto
e esquecerás.
Mas nesse tempo crescer seria um crime.
Estou aqui, disse, com os cães românticos
e aqui me vou ficar.


(Trad. A.M.)

.

3.12.12

Olhar (119)






Barra>Ílhavo

.



Raúl Ferruz (Cinismo)





CINISMO



vivir es un acto de cinismo
puedes follar con alguien pensando en otro alguien
puedes comerte un yogur con muesli
mientras un niño africano se pudre en alta definición
puedes doblegar tus ideales a cambio de metal
incluso, si quieres, puedes escribir
vivir es un acto de cinismo
y esperar a que eso te convierta
en mejor persona
como si la literatura fuera capaz de algo
no me mires con esa cara
rimbaud traficó con esclavos


Raul Ferruz



viver é um acto de cinismo
podes foder com alguém a pensar noutro alguém
podes comer um iogurte com muesli
enquanto uma criança africana apodrece em alta definição
podes vergar os teus ideais em troca de dinheiro
inclusive, querendo, podes escrever
viver é um acto de cinismo
e esperar que isso te converta
numa pessoa melhor
como se a literatura pudesse alguma coisa
não me olhes com essa cara
rimbaud traficou com escravos


(Trad. A.M.)

.

2.12.12

Amadeu Baptista (Última geração)





ÚLTIMA GERAÇÃO



O nojo, o nojo visceral, Senhor.

Dai-nos o nojo, Senhor, o sagrado, o supremo nojo
de que se irá decidir a nossa salvação e a salvação dos que, enojados como nós,
antepõem o vómito a esta mansidão de sombras paradas pelo chão.

Dai-nos o nojo, Senhor, o nojo que a marca da repugnância
favorece e docilmente nos vem lamber as feridas.

O nojo, Senhor, a agonia do nojo
para que possamos cuspir sem ressentimentos no rosto
de quem nos cospe no rosto.

Porque o rato pariu uma montanha, Senhor, e como cães assustados
esperamos o impacto do fogo sobre o fogo.

Porque mantemos os sentidos despertos, Senhor, e esperamos
o resgate, o refúgio e o êxtase.

Porque caminhamos nas trevas com extrema paixão e uma ânsia poderosa, Senhor,
dai-nos a náusea,
a abundância da náusea sobre o nosso rancor.

Dai-nos o vómito, Senhor, o vómito
carregado de fel da nossa vida violenta,
do nosso amor violento,
da nossa esperança violenta e violentada
pelo preço de um pão e o suor agónico da nossa face.

Recorremos a Ti, Senhor, neste páramo de ódios,
para que nos dês o alívio do vómito letal do nosso desespero,
esta amargura carregada de amargura
que nos lançaram sobre os ombros e tem o peso do mundo.

Com as lágrimas nos olhos, Senhor, e a cabeça coroada
de espinhos, pedimos-Te a libertação do nojo que ocultamos nos nossos corações,
o nojo intemporal
dos que nos antecederam e que virão depois de nós, o nojo
imensurável que geramos no nosso ventre e ao nosso ventre voltará sob a forma de cal
purificadora.

Dai-nos o nojo, Senhor, essa flor infecta, sanguinolenta e suja
que há-de desabrochar das nossas dores

em Tua glória

e em nome do asco a que fomos submetidos.


AMADEU BAPTISTA
Antecedentes Criminais
Antologia Pessoal 1982-2007
Edições Quasi (2007)


[Amadeu Baptista]


.

1.12.12

Piedad Bonnett (De tarde em tarde)





DE TARDE EN TARDE



A mi madre le gusta ir a ese café de sobrias lámparas,
pedir galletas de vainilla,
tomar dos tazas de té negro con parsimonia
como un acto ceremonial.
Hoy la he traído, pues, cediendo al gesto filial mi tarde laboriosa.
Tras los enormes ventanales vemos correr la vida afuera
mientras hablamos de otros días
y la tibieza del lugar sugiere que la felicidad no es más que esto.
De repente
como recuperando las palabras de un sueño
ella dice: “Qué lástima que todo se termina”.
Lo dice con sonrisa liviana, pues sabe
que ser trascendental no conviene a la tarde.
(Mi madre cumplió setenta y cuatro años
y alguna vez fue bella).
Al fondo de las tazas el té pinta sus signos.
Yo no sé que decir.
Miramos la avenida, las caras planas de los transeúntes,
los árboles que callan. Anochece.


Piedad Bonnett





Minha mãe adora ir àquele café de luzes sóbrias,
pedir biscoitos de baunilha,
tomar duas chávenas de chá preto com modos
próprios de uma cerimónia.
Hoje trouxe-a, pois, cedendo ao gesto filial a minha tarde de labor.
Pelas vitrinas enormes vemos correr a vida lá fora
enquanto falamos de outros dias
e o ambiente morno sugere que a felicidade não é mais do que isto.
De repente
como se tomasse as palavras dum sonho
diz ela: “Que pena que tudo se acabe”.
Di-lo com um sorriso ligeiro, sabendo
que o transcendente não diz bem com a tarde.
(Minha mãe foi bela em tempos
e fez já setenta e quatro anos).
O chá no fundo das chávenas desenha os seus sinais.
E eu não sei que dizer.
Observamos a avenida, as caras chãs de quem passa,
as árvores silenciosas. Anoitece.


(Trad. A.M.)

.

30.11.12

João Araújo Correia (Pontos Finais - Vocabulário)





andurriais (paragens remotas)

argau (canudo, pipeta)

auge (apogeu, cume, circunstância extrema / fora desses auges)

beber azeite (ser esperto)

chichelões*

cômoro (arreto, socalco)

de juro e herdade (1)

eido (quintal, quinteiro, rossio, aido, pátio anexo a casa)

escanifrada (magra, escanzelada, desengonçada / curaria num instante a esposa...)

força (à fina força)

impontar (despedir, fazer sair, empurrar)

maninho (estéril, sem fruto / ...como as fragas do Marão)

num pronto (num repente) (2)

num rufo (num repente) (3)

relheira (sulco / ...dos carros, na estrada)

______________________________________________

(1) Fórmula incorrecta, mas popular, do latim ‘de jure et hereditate’ (i.e. 'de direito', não apenas 'de facto', e com faculdade  de transmitir aos sucessores).
(2) O mesmo que ‘num fósforo’ (o tempo de acender e arder um fósforo =lume ‘pronto’, assim dito para distinguir dos ‘lumes’ (fósforos) anteriores, que eram chamados de ‘espera galego’, de ignição retardada.
(3) Num rufo (o tempo de um rufo de tambor?).
(*) N/ encontrado nos dicionários.

.



Pepe Ramos (Anúncio)





POR PALABRAS



Joven poeta
busca voluntarios
para darle muerte
el día en que
se convierta en
un burgués
autoconvencido
de su propia valía
y haya olvidado que
una vez
puso este anuncio.


Pepe Ramos



Jovem poeta
busca voluntários
para o matarem
no dia em que
se converter
em burguês
auto-convencido
da sua própria valia
e se esquecer que
em tempos
pôs este anúncio.


(Trad. A.M.)

.

29.11.12

Raymond Carver (O teu cão morre)




YOUR DOG DIES


It gets run over by a van.
you find it at the side of the road
and bury it.
you feel bad about it.
you feel bad personally,
but you feel bad for your daughter
because it was her pet,
and she loved it so.
she used to croon to it
and let it sleep in her bed.
you write a poem about it.
you call it a poem for your daughter,
about the dog getting run over by a van
and how you looked after it,
took it out into the woods
and buried it deep, deep,
and that poem turns out so good
you’re almost glad the little dog
was run over, or else you’d never
have written that good poem.
then you sit down to write
a poem about writing a poem
about the death of that dog,
but while you’re writing you
hear a woman scream
your name, your first name,
both syllables,
and your heart stops.
after a minute, you continue writing.
she screams again.
you wonder how long this can go on.


Raymond Carver




Foi atropelado por uma carrinha,
encontraste-o na berma
e enterraste-o.
sentes-te mal,
quer por ti mesmo,
quer pela tua filha,
que o tinha por mascote
e gostava tanto dele,
até lhe arrulava baixinho
e deixava-o dormir na cama dela.
fazes um poema sobre o caso,
que designas poema para a filha,
sobre o atropelamento do cão
e como o cuidaste,
como o levaste para o bosque
e o enterraste fundo, fundo,
e esse poema fica tão bom
que tu quase ficas contente
por o cão ser atropelado, porque senão
nunca escreverias esse poema.
então sentas-te e pões-te a escrever
um poema sobre a escrita de um poema
sobre a morte do cão,
mas enquanto escreves
ouves gritos de mulher que te chamam
pelo nome, pelo nome próprio,
as duas sílabas,
e pára-te o coração.
depois, continuas,
ela grita de novo
e tu perguntas-te até onde irá a coisa.


(Trad. A.M.)


> Outra versão: Do trapézio (L.P.)

.

28.11.12

Joaquín Giannuzi (Pondo a gravata)





PONIÉNDOME LA CORBATA



Cuando J. O. G. se pone la corbata
su mueca ante el espejo no interpreta el mundo.
Más bien es una distorsión desesperada
de un rostro que está allí sin saber cómo.
Ojos espantados que preguntan cuándo acabará todo.

Piedad para todos aquellos que como J. O. G.
aprietan el nudo de la corbata cada mañana
y nunca terminan por ahorcarse.
Sentimentales y astutos como moribundos
que olfatean el límite y retroceden a tiempo.


Joaquín Giannuzi


[Emma Gunst]



Quando J.O.G. põe a gravata
o seu gesto ao espelho não interpreta o mundo.
É antes uma torção desesperada
de um rosto que está ali sem saber como.
Olhos espantados a perguntar quando tudo acabará.

Piedade para aqueles que, como J.O.G.,
apertam o nó da gravata em cada manhã
e não acabam por se enforcar.
Sentimentais e astutos como moribundos
que farejam o limite e retrocedem a tempo.


(Trad. A.M.)



>>  Violín Obligado (PDF) / Emma Gunst (6p) / La estafeta del viento (entrevista) / Wikipedia

.