31.12.11

ÍNDICE DE AUTORES (2005-11)






ACQUARONI, Rosana
AGUIAR, Cristóvão
AGUIAR, Jorge
AGUSTINI, Delmira
ALBERT, Irene
ALBERTI, Rafael
ALEGRE, Manuel
ALEGRIA, Claribel
ALEIXANDRE, Vicente
ALEXANDRE, António Franco
ALIEBURI, Ibne Ayyas
ALISBUNI, Ibne Mucana
ALMEIDA, Fialho
ALMEIDA, José António
ALMUTÂMIDE, Mohâmede
ALMUZARA, Javier
ALONSO, Dámaso
AMAR, Ibne
ANDRADE, Carlos Drummond
ANDRADE, Eugénio
ANDRADE, Mário
ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner
ANSELME, Jean l‘
ASSIS, Machado
ATWOOD, Margaret
BANDEIRA, Manuel
BAPTISTA, Amadeu
BAPTISTA, José Agostinho
BARRON, Néstor
BARROS, José Carlos
BARROS, Manoel
BARRUECO, José Ángel
BAUDELAIRE, Charles
BAUTISTA, Amalia
BEAUVOIR, Simone
BEJARANO, Julián
BELLI, Gioconda
BELO, Ruy
BENEDETTI, Mario
BENÍTEZ REYES, Felipe
BERGAMÍN, José
BERTO, Al
BIGURI, Íker
BLANDIANA, Ana
BOLAÑO, Roberto
BONIFAZ NUÑO, Rubén
BONILLA, Gsús
BONILLA, Juan
BONNETT, Piedad
BORGES, Jorge Luís
BOTELHO, Renata Correia
BOTTO, António
BRANCO, Camilo Castelo
BRANCO, Rosa Alice
BRANDÃO, Fiama Hasse Pais
BRANDÃO, Raul
BRECHT, Bertolt
BRINES, Francisco
BRITO, Casimiro
BROSSA, Joan
BUKOWSKI, Charles
CABRAL, A.M.Pires
CABRAL, Rui Pires
CADILHE, Gonçalo
CAMÕES, Luís
CARNEIRO, Mário Sá
CARRIEGO, Evaristo
CARSON, Anne
CARVALHEIRA, Jorge
CARVALHO, Armando Silva
CARVALHO, José Rentes
CARVALHO, Raul
CARVER, Raymond
CASTELLANOS, Rosario
CASTILLA, Manuel J.
CASTRO, Rosalía
CELAYA, Gabriel
CENTENO, Yvette
CERNUDA, Luís
CESARINY, Mário
CÉSPEDES, Alejandro
CHAR, René
CICERO, Antonio
CINATTI, Ruy
CONTARDI, Marilyn
CORREDOR-MATHEOS, José
CORREIA, Natália
CORTÁZAR, Julio
CRAWFORD, Robert
CRESPO, Ángel
CRUZ, Sor Juana Inês
CUENCA, Luis Alberto
DALTON, Roque
DAS, Javier
DIAS, Saul
DÍAZ-GRANADOS, Federico
DIEGO, Eliseo
DIONÍSIO, Mário
DURRELL, Lawrence
EDSON, Russel
EIRAS, Pedro
ELOY BLANCO, Andrés
ELUARD, Paul
ERRASTI, Eduardo
ESPANCA, Florbela
ESPINA, Jorge
FAFE, José Fernandes
FELIPE, León
FERNÁNDEZ MORENO, Baldomero
FERREIRA, David Mourão
FERREIRA, José Gomes
FERREIRO, Celso Emilio
FIGUEIREDO, Tomaz
FONOLLOSA, José María
FONSECA, Manuel
FONTE, Ramiro
FREITAS, Manuel
GALARZA, Javier
GALEANO, Eduardo
GALLEGO, Vicente
GAMONEDA, Antonio
GARCÍA CALVO, Agustín
GARCÍA CASADO, Pablo
GARCÍA LORCA, Federico
GARCÍA MARTÍN, José Luis
GELMAN, Juan
GIDE, André
GIL DE BIEDMA, Jaime
GIRONDO, Oliverio
GONZÁLEZ, Angel
GONZÁLEZ, David
GONZÁLEZ, Ulalume
GONZÁLEZ ANSORENA, Luis
GONZÁLEZ IGLESIAS, Juan Antonio
GOYTISOLO, José Agustín
GRANDE, Félix
GREGÓRIO, António
GUEDEA, Rogelio
GULLAR, Ferreira
HAHN, Óscar
HATHERLY, Ana
HELDER, Herberto
HERCULANO, Alexandre
HERNÁNDEZ, Francisco
HERNÁNDEZ, Miguel
HERNÁNDEZ, Paz
HIDALGO, José Luis
HILST, Hilda
HORTA, Maria Teresa
HUIDOBRO, Vicente
INÁCIO, Ana Paula
IRIBARREN, Karmelo C.
JEANSON, Henri
JONAS, Daniel
JORGE, João Miguel Fernandes
JORGE, Luiza Neto
JUARROZ, Roberto
JÚDICE, Nuno
JUNQUEIRO, Guerra
KAVAFIS, Konstandinos
KNOPFLI, Rui
LACERDA, Alberto
LAINE, Jarkko
LEIRIA, Mário-Henrique
LEMINSKI, Paulo
LEVI, Jan Heller
LIMA, Ângelo
LISPECTOR, Clarice
LIZALDE, Eduardo
LOBO, Francisco Rodrigues
LOPES, Adília
LOPES, Fernão
LÓPEZ CORTÉS, Pura
LUHRMANN, Baz
MACHADO, Antonio
MAILLARD, Chantal
MARGARIT, Joan
MARTINS, Albano
MATTOS, António Almeida
MARZAL, Carlos
MEDINA, Dante
MEIRELES, Cecília
MENDONÇA, José Tolentino
MERINI, Alda
MERINO, Ana
MESTRE, Juan Carlos
MEXIA, Pedro
MEZQUITA, Nuria
MIGUÉIS, José Rodrigues
MIRANDA, Francisco Sá
MONETTE, Hélène
MONTEIRO, Adolfo Casais
MONTEJO, Eugenio
MONTOJO MICÓ, Ana
MORAES, Vinicius
MORIN, E.
MOURA, Gabriela
MUÑOZ LAGOS, Marino
MUÑOZ ROJAS, José Antonio
MUTIS, Álvaro
NAMORADO, Joaquim
NAVA, Luís Miguel
NEGREIROS, Almada
NEJAR, Carlos
NEMÉSIO, Vitorino
NERUDA, Pablo
NESSI, Alberto
NETO, João Cabral de Melo
NIETZSCHE, Friedrich
NOVELLI, Aldo Luis
NÚÑEZ, Aníbal
OLIVEIRA, Carlos
OLIVEIRA, Carlos Mota
OLIVEIRA, José Alberto
OLIVEIRA, Mário Rui
O’NEILL, Alexandre
ORIHUELA, Antonio
ORS, Miguel d’
ORTIZ, Fernando
ORY, Carlos Edmundo
OSÓRIO, António
OTERO, Blas
PACHECO, Fernando Assis
PACHECO, José Emilio
PANERO, Juan Luis
PANERO, Leopoldo María
PARRA, Josefa
PARRA, Nicanor
PAVESE, Cesare
PAZ, Octavio
PEDREIRA, Maria do Rosário
PEDRONI, José
PEIXOTO, José Luís
PÉREZ CABAÑA, Rosario
PÉREZ CAÑAMARES, Ana
PERI ROSSI, Cristina
PESSANHA, Camilo
PESSOA, Fernando
PESSOA, Fernando (A.Caeiro)
PESSOA, Fernando (A.Campos)
PESSOA, Fernando (R.Reis)
PETISME, Ángel
PIMENTA, Alberto
PINA, Manuel António
PIQUERO, José Luis
PIRES, Graça
PITTA, Eduardo
PIZARNIK, Alejandra
PLATH, Sylvia
PRADO, Adélia
PRÉVERT, Jacques
QUINTANA, Mário
RAMOS, Pepe
RAMOS SIGNES, Rogelio
RANGEL, Violeta C.
RÉGIO, José
REIS, António
REYES, Miriam
RIBEIRO, Aquilino
RIBEIRO, Bernardim
RIECHMANN, Jorge
RITSOS, Yannis
RODRÍGUEZ, Claudio
RODRÍGUEZ, Lucas
ROJAS, Gonzalo
ROJAS HERAZO, Héctor
ROMERO, Kutxi
ROSA, António Ramos
ROSSETTI, Ana
RUSHIN, Kate
SABINES, Jaime
SAFO
SALINAS, Pedro
SÁNCHEZ CARRÓN, Irene
SÁNCHEZ ROSILLO, Eloy
SANTOS, José Carlos Ary
SANZ, María
SARA, Ibne
SENA, Jorge
SERPA, Alberto
SEXTON, Anne
SICILIA, Javier
SILVA, José Mário
SILVA, José Miguel
SIMONOV, Konstantin
STABILE, Uberto
STRAND, Mark
TAGORE, Rabindranath
TAVARES, Gonçalo M.
TEILLIER, Jorge
THEOBALDY, Jürgen
TORGA, Miguel
TRAMÓN, Marcos
UÁZIR, Abdalá Ibne
UGIDOS, Silvia
VALDÉS, Zoé
VALENTE, José Ángel
VALÉRY, Paul
VALLEJO, César
VALLVEY, Ángela
VERDE, Cesário
VICENTE, Gil
VILA-MATAS, Enrique
VILARIÑO, Idea
VILLENA, Luis Antonio
VITALE, Ida
WANG, Berna
WILLIAMS, W. C.
WOLFE, Roger
YEATS, W.B.
YOURCENAR, Marguerite
ZAÍD, Gabriel
ZUÑIGA, José Luis

.

30.12.11

Luis Cernuda (Eu fui)






YO FUI




Yo fui.
Columna ardiente, luna de primavera.
Mar dorado, ojos grandes.


Busqué lo que pensaba;
pensé, como al amanecer en sueño lánguido,
lo que pinta el deseo en días adolescentes.
Canté, subí,
fui luz un día
arrastrado en la llama.


Como un golpe de viento
que deshace la sombra,
caí en lo negro,
en el mundo insaciable.


He sido.


Luis Cernuda







Eu fui.
Coluna ardente, lua de primavera.
Dourado mar, olhos grandes.


Busquei o que pensava;
pensei, como de manhã em sono lânguido,
o que pinta o desejo em dias adolescentes.
Cantei, subi,
fui luz um dia
arrastado na chama.


Como um golpe de vento
que a sombra desfaz,
caí no escuro,
no mundo insaciável.


Fui.


(Trad. A.M.)


.

29.12.11

Aquilino Ribeiro (O Inverno zurrava)






O Inverno zurrava lá de riba da Nave, tão ventoso e com pancadas de água tão rijas que pareciam os penedos dos barrocais a rolar por ali abaixo, de escantilhão.

As hortas nadavam na cheia, raro o folhareco de couve a que lançar os dedos.

Inteigava-se o cristão com caldo de castanhas piladas, miga de unto, pão com cebola ruda ou umas azeitonas do Távora mais pequenas que carrapatos.

Andavam os pobres a lazarar, de povo em povo, sequinhos como as palhas em que se deitam.



- AQUILINO RIBEIRO, Terras do Demo, 1.ª parte, VII.


.

Luis González Ansorena (Que vultos são esses)






¿Qué son esos bultos
que arrastras?
Preguntó la rama al río.
-Son cuerpos de hombres
que están en guerra.
A veces solo soy
una gran lágrima.



Luis González Ansorena
 


[Voces del extremo]






Que vultos são esses
que arrastas?
Perguntou o ramo ao rio.
- São corpos de homens
que andam em guerra.
Às vezes eu sou apenas
uma grande lágrima.



(Trad. A.M.)

.

28.12.11

Alexandre O'Neill (Má consciência)






MÁ CONSCIÊNCIA




O adjectivo
dá-me de comer.
Se não fora ele
o que houvera de ser?


Vivo de acrescentar às coisas
o que elas não são.
Mas é por cálculo
não por ilusão.


Alexandre O’Neill


[Poedia]

.

27.12.11

Luis Alberto de Cuenca (Velhos tempos)






AQUELLOS VIEJOS TIEMPOS DEL FÚTBOL EN ESPAÑA






Aquellos viejos tiempos del fútbol en España,
cuando un pase genial de Di Stéfano a Puskas
borraba de un plumazo todos tus sinsabores
de niño solitario, bulímico y neurótico.

Tiempos en los que hubieses dado tu alma a cambio
de un balón. Horas muertas corriendo por el césped
imitando a tus ídolos, soñando con jugadas
imposibles que siempre terminaban en gol.

Tardes de los domingos marcadas por el fútbol
que sonaba en la radio. Tardes en que las cosas
eran mucho más dulces si tu equipa ganaba
y mucho más amargas si tu equipo perdía.

Qué te queda de aquello. Viejas alienaciones
que repetir delante de los viejos amigos,
y un nudo en la garganta cuando alguien te recuerda
los años que han pasado.




LUIS ALBERTO DE CUENCA
Sin miedo ni esperanza
Visor Libros (2002)






Velhos tempos do futebol em Espanha,
quando um passe genial de Di Stéfano a Puskas
apagava de uma penada todos os teus problemas
de menino solitário, bulímico e neurótico.

Tempos em que terias dado a alma em troca
de uma bola. Correndo pela relva a horas mortas
imitando os teus ídolos, sonhando com lances
impossíveis que terminavam sempre em golo.

Tardes de domingo marcadas pelo futebol
que se ouvia na rádio. Tardes em que as coisas
eram muito mais doces se a tua equipa ganhava
e muito mais amargas se a tua equipa perdia.

O que te resta disso? Velhas alienações
para repetir com velhos amigos,
e um nó na garganta quando alguém te lembra
os anos que passaram.


(Trad. A.M.)

.

26.12.11

Um verso (102)






Um verso de Cesare Pavese





A erva é jovem como a chama do sol




Cesare Pavese


.

Lucas Rodríguez (Pessoas)






PERSONAS




A veces las personas
te salvan de otras personas
te rescatan del hedor de su carne putrefacta
te arrancan de los brazos del rencor
te recuerdan por qué estás en este planeta
te prestan su corazón sin intereses a fondo perdido
te levantan del suelo o te bajan de nuevo a la tierra
su calor te protege de esos témpanos
que aparecen en tu hogar cuando estas solo.


Son sólo personas y se parecen
al resto de personas, están ahí
son la solución del mundo.


Lucas Rodríguez


[El koala puesto]




Às vezes as pessoas
salvam-nos de outras pessoas
resgatam-nos do fedor da sua carne putrefacta
arrancam-nos aos braços do rancor
recordam-nos por que estamos neste mundo
emprestam-nos o coração sem juros a fundo perdido
erguem-nos do chão ou descem-nos de novo à terra
e seu calor protege-nos dos gelos
que nos aparecem em casa se estamos sós.


São pessoas apenas e parecidas
com as outras pessoas, estão aí
são a solução do mundo.


(Trad. A.M.)

.

25.12.11

Carlos Nejar (Mão que voa)






MÃO QUE VOA





Poesia
não se aperta
na mão
como um pássaro
doente.

Poesia é a mão
que voa
com o pássaro.




CARLOS NEJAR
A Idade da Eternidade
- Poesia reunida
IN-CM (2001)




> Voo sem pássaro dentro (Adolfo Casais Monteiro)



.

24.12.11

Karmelo C. Iribarren (Que sorte que tenho)






QUÉ SUERTE TENGO





Está en el sofá, recogida,
hecha un ovillo. Habla
con su madre por teléfono.
Se ríe. Luego arruga un poco
el ceño. Esas cosas.
Yo, simplemente la miro,
tiene luz, alma, vida,
me gusta verla, escuchar
su voz. A veces, no
puedo evitar decírmelo:
Qué suerte tienes, cabrón.


Karmelo C. Iribarren


[Escrito en el viento]





Está no sofá, enrolada,
como um novelo. Fala
ao telefone com a mãe.
Ri-se. Depois franze um pouco
a testa. Coisas assim.
Eu observo-a, simplesmente,
tem luz, alma, vida,
gosto de vê-la, de ouvir-lhe
a voz. Às vezes, não posso evitar
dizer cá para mim:
Que sorte que tens, meu cabrão.



(Trad. A.M.)

.

23.12.11

Ver (83)








[Luis López]



.

Carlos Edmundo de Ory (Dá-me)






DAME



Dame algo más que silencio o dulzura
Algo que tengas y no sepas
No quiero regalos exquisitos
Dame una piedra

No te quedes quieto mirándome
como si quisieras decirme
que hay demasiadas cosas mudas
debajo de lo que se dice

Dame algo lento y delgado
como un cuchillo por la espalda
Y si no tienes nada que darme
¡dame todo lo que te falta!


Carlos Edmundo de Ory





Dá-me algo mais que silêncio ou doçura
Algo que tenhas e não saibas
Não quero presentes requintados
Dá-me uma pedra.

Não me fites perplexo
como se me quisesses dizer
que há demasiadas coisas mudas
por debaixo do que se diz

Dá-me algo lento e fino
como uma faca nas costas
E se não tens nada para me dar
dá-me tudo o que te falta!


(Trad. J.E.Simões)

.

22.12.11

Carlos de Oliveira (Bolor)






BOLOR





Os versos
que te digam
a pobreza que somos,
o bolor
nas paredes
deste quarto deserto,
o orvalho da amargura
na flor
de cada sonho
e o leito desmanchado
o peito aberto
a que chamaste
amor.



Carlos de Oliveira


[Poedia]


.

21.12.11

Marino Muñoz Lagos (Perdão para os traidores)






PERDONAD A LOS TRAIDORES  



Cuando en el invierno
se comían las primeras castañas
y la lluvia era
una muchacha que llegaba
entre cristales,
tú recorrías a tus hijos
uno a uno y rostro a rostro,
y adivinando sus sueños
o tus sueños, decías
con secreta esperanza: "médico,
ingeniero, dueña de hogar, campesino,
árbol, espiga, poeta".
Madre: te hemos traicionado.
Somos los más ilustres
vagabundos de la tierra.


Marino Muñoz Lagos



[Sureando]




Quando no inverno
se comiam as primeiras castanhas
e vinha a chuva
qual rapariga entre vidros,
tu corrias teus filhos
um por um e rosto a rosto,
e adivinhando seus sonhos
ou teus sonhos, dizias
com secreta esperança: “médico,
engenheiro, doméstica, agricultor,
árvore, espiga, poeta”.
Mãe, atraiçoámos-te.
Somos os mais ilustres
vagabundos da terra.


(Trad. A.M.)

.

20.12.11

Fialho de Almeida (O plaino líquido)






Para qualquer lado que se olhava, o mar não tinha termo; o céu ia coberto duma bostela de nuvens cor de chumbo, mosqueada de fulvo, que se fora erguendo duma banda, erguendo, té descobrir sobre a linha do mar uma fímbria de alva muito pálida, por onde a luz começou a esclarecer de manso o plaino líquido.

E esse plaino amainava e começara a perder os vagalhões...

Sobre as águas se erguia, à maneira de torre, um grande ilhéu bronco e tisnado.

Era uma massa de fortins dentada toda em roda, por cima de cuja plataforma outras moles gigantes se aprumavam.

E havia pórticos, recantos, pátios, levadiças: a ressaca bramia nos recôncavos da rocha babujenta; por cima as nuvens galopavam, embebendo os goelanos e os corvos marinhos no seu chorume glácido e mortal.


- FIALHO DE ALMEIDA, O País das Uvas (O corvo).

.

Joan Brossa (Espanha)






ESPAÑA



No existe la censura:
lo que existe es un Servicio de Información Bibliográfica
para evitar posibles perjuicios económicos a los editores.

No hay gente que se muere de hambre:
hay personas que sufren insuficiencias tróficas
debidas a insuficiencias alimentarias.

No hay lucha de clases:
hay tensiones sociales polarizadas en torno a desiguales
repartos de la Renta Nacional.

No hay oposición episcopal:
no se trata de quitar al obispo sino de modificar
las estructuras jerárquicas que no son conscientes
del compromiso con las líneas posconciliares.

No hay partidos políticos:
hay articulación de contrastes de opiniones.

No hay subida de precios:
hay revisión de tarifas.

No hay derecho de huelga:
hay una manera de exteriorizar el conflicto directo.

No hay epidemia de cólera:
hay brotes de diarreas estivales.

No se habla de amnistía,
sino de condena de sanciones.

Etcétera.


Joan Brossa


(versão Carlos Vitale)





Não existe a censura,
o que há é um Serviço de Informação Bibliográfica
para poupar aos editores possíveis prejuízos económicos.

Não há gente a morrer de fome,
há pessoas que sofrem de insuficiências tróficas
devidas a insuficiências alimentares.

Não há luta de classes,
há tensões sociais polarizadas em torno de uma repartição
desigual do rendimento nacional.

Não há oposição episcopal,
não se trata de tirar o bispo mas de modificar
as estruturas hierárquicas que não estão
conscientes
do compromisso com a linha pós-conciliar.

Não há partidos políticos,
há articulação de contrastes de opiniões.

Não há subida de preços,
há revisão de tarifas.

Não há direito de greve,
há um modo de exteriorizar o conflito directo.

Não há epidemia de cólera,
há rebentos de diarreias estivais.

Não se fala de amnistia,
mas de aplicação de sanções.

Etc. Etc.


(Trad. A.M.)

.

19.12.11

António Gregório (A espertina)






A ESPERTINA



Silenciosas estrelas adivinhadas
noite acima do tecto formigas segundo
o barulho que fazem a passear os
inumeráveis lugares de mim donde ela
partiu e também – caso à espertina apeteça
um clássico – carneiros.


ANTÓNIO GREGÓRIO
American Scientist
Quasi (2007)




[O melhor amigo]


.

18.12.11

Juan Luis Panero (Arte poética)






ARTE POÉTICA





La larga, lenta lengua de la muerte
ha lamido la mano del que escribe,
lucidez o locura, nadie sabe:
sólo quedan palabras, palabras deshaciéndose.


JUAN LUIS PANERO
Desapariciones y fracasos
(1978)








A longa, lenta língua da morte
lambeu a mão do que escreve,
lucidez ou loucura, ninguém sabe:
restam só palavras, palavras a desfazer-se.


(Trad. A.M.)

.

17.12.11

Ver (82)






Braga>Doiro






.

Juan Gelman (Toda a poesia é hostil ao capitalismo)






toda poesía es hostil al capitalismo
puede volverse seca y dura pero no
porque sea pobre sino
para no contribuir a la riqueza oficial


puede ser su manera de protestar de
volverse flaca ya que hay hambre
amarilla de sed y penosa
de puro dolor que hay puede ser que


en cambio abra los callejones del delirio y las bestias
canten atropellándose vivas de
furia de calor sin destino puede
ser que se niegue a sí misma como otra


manera de vencer a la muerte
así como se llora en los velorios
poetas de hoy
poetas de este tiempo


nos separaron de la grey no sé que será de nosotros
conservadores comunistas apolíticos cuando
suceda lo que sucederá pero
toda poesía es hostil al capitalismo



Juan Gelman






toda a poesia é hostil ao capitalismo
pode tornar-se dura e seca
não por ser pobre mas
para não ajudar à riqueza oficial


pode ser o seu modo de protestar de
tornar-se fraca já que existe fome
amarela de sede e queixosa
da pura dor que existe pode


em troca abrir os becos do delírio e as bestas
cantarem atropelando-se vivas de
fúria de calor sem destino pode
até negar-se a si mesma enquanto outra


maneira de vencer a morte
tal como chorar nos velórios
poetas de hoje
poetas deste tempo


apartaram-nos da grei sei lá o que será de nós
conservadores comunistas apolíticos quando
suceder o que há-de suceder mas
toda a poesia é hostil ao capitalismo




(Trad. A.M.)


.

16.12.11

Antonio Cicero (Água Perrier)






ÁGUA PERRIER




Não quero mudar você
nem mostrar novos mundos
pois eu, meu amor, acho graça até mesmo em clichês.


Adoro esse olhar blasé
que não só já viu quase tudo
mas acha tudo tão déjà vu mesmo antes de ver.


Só proponho
alimentar seu tédio.
Para tanto, exponho
a minha admiração.
Você em troca cede o
seu olhar sem sonhos
à minha contemplação:


Adoro, sei lá por que,
esse olhar
meio escudo
que em vez de meu álcool forte pede água Perrier.



Antonio Cicero

.

15.12.11

Juan Bonilla (O viajante)






EL VIAJERO




Allí de donde vengo nadie me retenía.
Sé que nadie me espera donde voy.
Por la ventana inmóviles desfilan los paisajes.
Sería hermoso no llegar a ningún sitio.
Permanecer así:
viajando de un lugar que ya no existe
a otro que jamás existirá.


Juan Bonilla






Donde eu venho ninguém me prendia.
Aonde vou ninguém me espera.
Na janela, imóveis, desfilam as paisagens.
Seria belo não chegar a nenhum sítio.
Ficar assim,
viajando dum lugar que não existe
para outro que nunca existirá.


(Trad. A.M.)



>  Outra versão:  Do trapézio (L.P.)

.

14.12.11

Fialho de Almeida (Ao sol)






Um grande sol, claro e candente, alaga a praça em júbilos africanos, e a sua catarata de fogo dá uma vibratilidade dolorosa às coisas que nos circundam uma vida alucinada a cada simples função da nossa vida.

Sob uma tal incandescência, que diríeis uma tripla essência de tortura, veiculada em fulgurantes zoeiras de arco-íris, adeus tranquilas sensações, ideias serenas, exactidões religiosas de sentidos, índoles mansas e amoráveis, almas translúcidas e benignos ideais de felicidade!

Cada raio deste sol é uma pata de demónio agitando nos crânios todas as sortes de impulsões desencontradas, todas as monomanias mefistofélicas e bizarras.

Razão por que saem daqui tantos artistas, tantos relassos, tantos pulhas e tantos doidos.

Na vivacidade macabra destes gestos pressente-se já a Andaluzia um poucochinho, terra de amores e assassínios, em que é tão grato à consciência engolir uma hóstia, como seduzir uma mulher, como furar uma barriga.

Pupilas vivas, inquietadoras, traiçoeiras, erráticas, cruzando os seus fogos de arte, numa incandescência de paixões vulcanizadas.

E nas cabeças ambições, e nas prosápias soberba, que as inconstâncias do carácter, felizmente, proíbem de atingir conclusões definitivas.




- FIALHO DE ALMEIDA, O País das Uvas (Ao sol > Os velhos).


.

José María Fonollosa (Beaver street)






BEAVER STREET




Para lucirla por la calle, hermosa.
Y para convivir, la razonable
belleza que Lucrecio aconsejaba.
Pero para la cama más bien fea.

La hermosa y casi hermosa se te tienden
en el lecho y esperan muy seguras
el rápido homenaje que merecen.
Mas son algo pasivas. Y con límites.

La chica más bien fea, sin embargo,
agradece el haber sido elegida
entre otras de más bellas. Participa
con mayor entusiasmo en el amor.

La oscuridad ambiente la sitúa
en plano de igualdad ante la estética.
Y un ciego guía a un ciego, mas los dos
-los cuerpos- hallan juntos sus caminos.

Y deja hacer y accede de buen grado
a cuanto la requiera aquel momento.
Para pasarlo bien en una cama
escoged una chica más bien fea.



José María Fonollosa






Para exibi-la pela rua, linda.
E para conviver, a razoável
beleza que aconselhava Lucrécio.
Mas para a cama antes feia.

A linda e a quase estendem-se-te
na cama e esperam muito seguras
a rápida homenagem que merecem.
Mas são algo passivas. E limitadas.

A feia, por seu lado,
agradece ter sido escolhida
de entre outras mais belas. Participa
no amor com mais entusiasmo.

A penumbra ambiente põe-na
em plano igual na estética.
E se o cego guia o cego, os dois
– os corpos – acham juntos seu caminho.

Deixa correr e aceita
quanto requeira o momento.
Para gozares na cama
escolhe a miúda antes feia.


(Trad. A.M.)

.

13.12.11

Amadeu Baptista (Soneto exposto)






SONETO EXPOSTO




Os desengonçados trânsitos cavernícolas.
A eterna crise com os dentes afiados.
Um país de paisagens marítimas e vinícolas,
em que uns são filhos e outros enteados.


O recorte da serra na distância.
Os pardais semoventes sobre as praças.
Alguns homens sombrios com a ânsia
de não serem roídos pelas traças.


O redil organizado como um caos.
Uns quantos menos bons e outros muito maus.
Uma planície, uma cidade, um chaparral.


E em volta disto o mar, sempre indiferente
do que queira ou não queira a sua gente.
E fica no soneto exposto Portugal.


Amadeu Baptista



[Amadeu Baptista]


.

12.12.11

Javier Sicilia (Despedida)






DESPEDIDA
(A la manera de Cavafis)



I

Recuerda, cuerpo, cuánto te quisieron:
no sólo las alcobas donde amaste
y los desnudos cuerpos que gozaste,
sino también los ojos que te vieron,
los labios que por ti de ardor temblaron
y por los cuales en deseo ardiste.
Recuerda, cuerpo, que alto y bello fuiste
como un dios, que otros cuerpos desvelaron
sus noches recordándote, y amor
rozó sus ojos como si el rumor
de tus besos tocara sus caricias.
Esta noche en que a solas te desnudas
y los años pasaron y las dudas,
recuerda como entonces sus delicias.
   (...)


Javier Sicilia





Lembra, corpo, quanto te amaram,
não só os quartos onde amaste
e os corpos nus que gozaste,
também os olhos que te viram,
os lábios que tremeram de ardor por ti
e pelos quais ardeste de desejo.
Lembra, corpo, que foste alto e belo
como um deus, que outros corpos passaram
suas noites a lembrar-te, e amor
esfregou seus olhos como se o rumor
de teus beijos lhes tocasse as carícias.
Esta noite em que sozinho te despes
e os anos passaram e as dúvidas,
recorda como então suas delícias.
   (...)


(Trad. A.M.)

.

11.12.11

Almada Negreiros (Mãe)






Mãe!

Vem ouvir a minha cabeça a contar histórias ricas que ainda não viajei!
Traz tinta encarnada para escrever estas coisas!
Tinta cor de sangue, sangue verdadeiro, encarnado!

Mãe! passa a tua mão pela minha cabeça!

Eu ainda não fiz viagens e a minha cabeça não se lembra senão de viagens!
Eu vou viajar. Tenho sede! Eu prometo saber viajar.

Quando voltar é para subir os degraus da tua casa, um por um.
Eu vou aprender de cor os degraus da nossa casa. Depois venho sentar-me ao teu lado.
Tu a coseres e eu a contar-te as minhas viagens, aquelas que eu viajei,
tão parecidas com as que não viajei, escritas ambas com as mesmas palavras.

Mãe! ata as tuas mãos às minhas e dá um nó-cego muito apertado!
Eu quero ser qualquer coisa da nossa casa. Como a mesa.
Eu também quero ter um feitio que sirva exactamente para a nossa casa, como a mesa.

Mãe! passa a tua mão pela minha cabeça!

Quando passas a tua mão na minha cabeça é tudo tão verdade!




Almada Negreiros




[Canal de poesia]


.

Carlos Edmundo de Ory (Propositions)






PROPOSITIONS




Que los adolescentes nos traigan sus poemas y no los oculten más.
Mezclar lo cotidiano con la metáfora.
Todo verdadero lenguaje es incomprensible, dice Artaud.
Antaño, la magia era un oficio permanente del hombre.
Lucidez del alucinado.
Lo contrario de la poesía abierta es la propaganda.
Matad a los autores, resucitad a las gentes.
El último poema será siempre el primero. La poesía es inagotable.
Desconcertar al público es un acto moral de la poesía, de la música, de la pintura.
No existen palabras específicamente poéticas.
Un poema es.
No buscar las palabras, escribir a vuela pluma.
Vaciarse. Estar vacío.


Carlos Edmundo de Ory





Que os adolescentes nos tragam seus poemas e não os escondam.
Misturar o quotidiano com a metáfora.
A verdadeira linguagem é incompreensível, diz Artaud.
Dantes, a magia era um ofício permanente do homem.
Lucidez do alucinado.
O contrário da poesia aberta é a propaganda.
Matai os autores, ressuscitai as pessoas.
O último poema será sempre o primeiro. A poesia é inesgotável.
Um acto moral da poesia, desconcertar o público, e da música, e da pintura.
Não existem palavras especificamente poéticas.
Um poema é.
Não buscar as palavras, escrever ao correr da pena.
Esvaziar-se. Estar vazio.



(Trad. A.M.)




>>  C.E.Ory (sítio of. tudo+algo) / A media voz (28p) / Poesi.as (19p) / Um buraco na sombra (nota+linques+17p)


.

10.12.11

Alberto de Lacerda (Vento)






Vento
propício
            (vela)
                      O barco
seguindo
seu curso natural



Moventes
montanhas e vales
do amor


ALBERTO DE LACERDA
Átrio
IN-CM (1997)

.

9.12.11

José Luis García Martín (Remédio para melancólicos)






REMEDIO PARA MELANCÓLICOS




Cuando me veas deprimido, ansioso, malhumorado,
todo lo que tienes que hacer es quitarte la ropa,
y entonces brilla el sol y se revela el secreto:
que somos carne y respiramos y estamos
cerca el uno del otro.
Tu desnudez me vuelve invulnerable.
La lógica podrida, el corazón
borroso, gangrenadas tardes se curan
con la simetría perfecta de tus brazos y piernas.
Extendidos forman un círculo eterno, sendas
hacia una playa sola, la rúbrica de un Dios.
Todo lo que no eres tú, todo lo que no soy yo
deja de tener importancia: el dolor,
el sin sentimiento, el asco, son nimiedades
que nada tienen que ver con la vida.
Cuando me veas agonizante, quítate la ropa.
Aunque estuviera muerto resucitaría.


José Luis García Martín





Quando me vires deprimido, ansioso, mal-humorado,
tudo o que tens a fazer é tirar a roupa,
e então o sol brilha e revela-se o segredo:
que somos carne e respiramos e estamos
perto um do outro.
A tua nudez faz-me invulnerável.
A lógica podre, o coração
manchado, as gangrenadas tardes curam-se
com a simetria perfeita dos teus braços e pernas.
Estendidos fazem um círculo eterno, caminhos
de uma praia deserta, a rubrica de um Deus.
Tudo o que tu não és, tudo o que eu não sou
deixa de ter importância: a dor,
o sem sentido, o nojo, são niquices
que nada têm a ver com a vida.
Quando me vires agonizante, despe-te.
Mesmo que estivesse morto ressuscitava.


(Trad. A.M.)

.

8.12.11

Aquilino Ribeiro (Noites luarentas)






O rio, aos pés da folha, num reboar constante de artilharias a trote, crescia até ao rés das terras altas, tolhendo ao viandante e ao carteiro da vila com as cartas do Brasil o passo de alpoldras e pontões.

O temporal abatia árvores, derrotava telhados, estoirava a madre às nascentes, alagava tudo, quase se via mais mar que terra.

Nas noites luarentas, acendiam-se os charcos e eram espelhos, estendais de espelhos de lume vivo, onde a Lua e as estrelas se miravam, e até anjos e Nossa Senhora, se chegassem a uma janelinha do céu, veriam o rosto fagueiro.



- AQUILINO RIBEIRO, Terras do Demo, 1.ª parte, XI.

.

José Emilio Pacheco (Contra a Kodak)






CONTRA LA KODAK




Cosa terrible es la fotografía.
Pensar que en esos objetos cuadrangulares
yace un instante de 1959.
Rostros que ya no son,
aire que ya no existe.
Porque el tiempo se venga
de quienes rompen el orden natural deteniéndolo,
las fotos se resquebrajan, amarillean.
No son la música del pasado:
son el estruendo
de las ruinas internas que se desploman.
No son el verso sino el crujido
de nuestra irremediable cacofonía.


José Emilio Pacheco



[Escomberoides]







Coisa terrível a fotografia.
Pensar que nesses objectos quadrangulares
jaz um instante de 1959.
Rostos que já não existem,
um ar que passou.
Porque o tempo vinga-se
de quem o detém rompendo a ordem natural,
as fotos racham-se, amarelecem.
Não são a música do passado,
são o estrondo
das ruínas interiores que desabam.
Não são o verso mas o ruído
da nossa irremediável cacofonia.


(Trad. A.M.)

.

7.12.11

Albano Martins (Pequenas coisas)






PEQUENAS COISAS




Falar do trigo e não dizer o joio.
Percorrer em voo raso os campos
sem pousar os pés no chão.
Abrir um fruto e sentir no ar
o cheiro a alfazema .

Pequenas coisas, dirás,
que nada significam perante esta outra,
maior: dizer o indizível.
Ou esta: entrar sem bússola na floresta
e não perder o rumo.
Ou essa outra, maior que todas
e cujo nome por precaução omites.
Que é preciso, às vezes,
não acordar o silêncio.


Albano Martins


[Sons da Escrita]

.

6.12.11

Jorge Riechmann (Não recuar)






NO CEJAR



Literatura popular
sin pueblo

poesía revolucionaria
sin revoluciones

arte para las masas
que se dan la espalda a sí mismas
y a sus voluntariosos artistas cejijuntos

no cejar, no cejar. Al fin y al cabo
también decimos ser humano sabiendo
que el adjetivo es tan sólo
un latigazo rabioso de utopía.


Jorge Riechmann


[Voces del extremo]




Literatura popular
sem povo

poesia revolucionária
sem revoluções

arte para as massas
que viram costas a si mesmas
e a seus artistas voluntariosos

não recuar, não recuar. Ao fim e ao cabo
também dizemos ser humano sabendo
que o adjectivo é tão só
uma chicotada raivosa de utopia.


(Trad. A.M.)

.

5.12.11

Ver (81)






[Robert Doisneau](*)





(*) Ops (aditado): a foto do meio é, sim, de Isabel Muñoz: ArterEgo+Cómo cantaba mayo


.

Jorge Espina (Papel)






PAPEL




No sé qué decirte,
(Dibujo un corazón)
No sé de qué hablar hoy,
(Una flecha atravesándolo)
Con lo mucho que te echo de menos,
(Unas iniciales)
Retrocedo a mi infancia,
Vuelvo a ser niño,
Eres mi primer amor,
Yo sólo soy un niño
En una esquina de la casa,
Sentado en el frío suelo,
Con un estúpido papel en blanco delante,
Y una carta por escribir.


Con la mirada perdida en algún lugar,
Me hurgo la nariz y el corazón.



Jorge Espina






Não sei o que dizer-te
(Desenho um coração)
Nem do que falar hoje,
(Uma flecha a trespassá-lo)
Com o muito que te sinto a falta,
(Algumas iniciais)
Retrocedo à infância,
Volto a ser criança,
És o meu primeiro amor,
Eu só um menino
Numa esquina da casa,
Sentado no chão frio,
Com um estúpido papel em branco à frente,
E uma carta por escrever.


Com o olhar perdido algures,
Purgo o nariz e o coração.


(Trad. A.M.)

.

4.12.11

Carlos de Oliveira (Lavoisier)






LAVOISIER





Na poesia,
natureza variável
das palavras,
nada se perde
ou cria,
tudo se transforma:
cada poema,
no seu perfil
incerto
e caligráfico,
já sonha
outra forma.



CARLOS DE OLIVEIRA
Sobre o lado esquerdo
(1968)



[Antonio Cicero]


.

3.12.11

Joan Margarit (Primeiro amor)






PRIMER AMOR





Triste Girona de mis siete años:
en la posguerra los escaparates
tenían un color gris de penuria.
Y, sin embargo, en la cuchillería,
en cada hoja de acero destellaba la luz
como si se tratase de pequeños espejos.
Descansando la frente en el cristal,
miraba una navaja larga y fina,
bella como una estatua de mármol.
Puesto que en casa no querían armas,
fui a comprarla en secreto y, al andar,
la sentía, pesada, en mi bolsillo.
Cuando, a veces, la abría, muy despacio,
surgía, recta y afilada, la hoja
con esa conventual frialdad del arma.
Silenciosa presencia del peligro:
la oculté, los primeros treinta años,
tras los libros de versos y, después,
en un cajón, metida entre tus bragas
y entre tus medias.
Hoy, cerca ya de los cincuenta y cuatro,
vuelvo a mirarla, abierta en la palma de mi mano,
igual de peligrosa que en la infancia.
Fría, sensual. Más cerca de mi cuello.


Joan Margarit






Triste Girona dos meus sete anos:
as montras do pós-guerra
tinham o cinzento da penúria.
Contudo, na cutelaria, a luz
cintilava nas folhas de aço
como se estas fossem espelhos.
Com a fronte apoiada no vidro,
eu olhava uma navalha fina e comprida,
bela como uma estátua de mármore.
Como em casa não queriam armas,
fui em segredo comprá-la e, ao andar,
sentia-a no bolso, pesada.
Às vezes abria-a, muito devagar,
e a folha aparecia, direita e afiada,
com essa conventual frialdade da arma.
Silenciosa presença do perigo:
escondi-a durante trinta anos
atrás dos livros de versos, e depois
num gavetão, entre as tuas cuecas e meias.
Hoje, à beira dos cinquenta e quatro,
volto a olhá-la, aberta na palma da mão,
perigosa à mesma como na infância.
Sensual, fria. Mais perto do meu pescoço.


(Trad. A.M.)



> Outra versão:  Canal de poesia (Egito Gonçalves)

.

2.12.11

Fialho de Almeida (Ao despertar)






Agora no Verão é já dia às três e meia.

Sobre as cristas da serra o céu engasta a sua cúpula num aro de cambiantes metalúrgicos cor de fogo a nascente, cor de névoa ao poente, rosa e lilás nos outros pontos.

A primeira andorinha singrou nos ares, soando o angelus que as cotovias há muito, no restolho, bendizendo estiveram em casquinadas joviais.

Um ventinho traz dos campos o cheiro das espigas esmagadas nas eiras, e arrasta sobre as vinhas o refrigerante orvalho da brandura, que amadurece os figos lampos, e ao mesmo tempo engurgita os cachos, entre a decoração dos pâmpanos, festiva e rubenesca.

Esta neblina parece que vem por entre as fendas da cordilheira, lentamente, como um fumo de sulfatara sucessivamente aspirado do fundo duma cratera, para espargir-se, alma benigna da cultura, sobre os vergéis estancados por tantas horas de siroco.

Pouco a pouco o dia ascende, com uma graça paradisíaca, na vitalidade ainda preguiçosa das coisas.


- FIALHO DE ALMEIDA, O País das Uvas (Ao sol > Ao despertar).

.

Marino Muñoz Lagos (Os velhos poetas do mar)






VIEJOS POETAS DEL MAR




Amo a los viejos poetas
que nos hablan de puertos distintos
y tabernas singulares,
de pianolas del alto de las altas
murallas y voces de lejanos países
entre vasos de ron,
cervezas espumantes
y una que otra certera puñalada.

Estos poetas vuelven por sus pasos
y se encargan de darnos un mar
de viejas litografías.

Sin embargo encanta viajar
hacia esos puertos
donde las tabernas vienen a ser
los azules pontones de la nostalgia.



Marino Muñoz Lagos


[Inmaculada Decepción]






Amo os velhos poetas
que nos falam de portos diferentes
e tabernas singulares,
de pianolas do alto das altas
muralhas e vozes de distantes países
entre copos de rum,
cervejas com espuma
e uma que outra punhalada certeira.

Estes poetas voltam por seus passos
e encarregam-se de nos dar um mar
de velhas litografias.

Contudo é bom viajar
para esses portos
onde as tabernas
são as pontes da saudade.


(Trad. A.M.)



>>  Letras.s5 (perfil)


.

1.12.11

Renata Correia Botelho (A árvore das raízes)






A ÁRVORE DAS RAÍZES




a minha infância tem uma árvore
assombrosa. é uma bela história de amor
entre as nossas mãos pequeninas
e aqueles seus braços enormes, bravos e
loucos como o riso das mães,
que faziam abrandar o medo e a tarde.


oito, nove, dez: virávamo-nos à procura dos outros
pelo labirinto de grutas cavado nas raízes,
ao abrigo do vento e da solidão que não tardaria
a descobrir o nosso esconderijo.


ao parar, há dias, na "Deslocação do Labirinto",
imaginei que talvez Vieira da Silva
tivesse sonhado a minha árvore.
ou vice-versa. dois seres mágicos do mesmo elemento
engendrando-se um ao outro nas raízes do mundo:


azuis e verdes com riscos ferozes
onde a vista se afunda para depois
nos libertar. assim é, entre o céu da memória
e a erva húmida destes dias,
a árvore da minha infância.



RENATA CORREIA BOTELHO
Small Song
Averno (2010)


[Arquivo de cabeceira]


.

30.11.11

Jaime Gil de Biedma (Não voltarei a ser jovem)






NO VOLVERÉ A SER JOVEN




Que la vida iba en serio
uno lo empieza a comprender más tarde
- como todos los jóvenes, yo vine
a llevarme la vida por delante.


Dejar huella quería
y marcharme entre aplausos
- envejecer, morir, eran tan sólo
las dimensiones del teatro.


Pero ha pasado el tiempo
y la verdad desagradable asoma:
envejecer, morir,
es el único argumento de la obra.


Jaime Gil de Biedma






Que a vida passa realmente
começa-se a vê-lo mais tarde
- eu vim, como todos os jovens,
empurrar a vida para a frente.


Deixar marca queria eu
e retirar-me por entre aplausos
- envelhecer, morrer, eram apenas
as dimensões do teatro.


Mas o tempo passou
e então vem a amarga verdade:
envelhecer, morrer,
são o único tema da obra.


(Trad. A.M.)



> Outras versões: Meia-noite (m.a.domingos) / Antonio Cicero (José Bento)


.